Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
Confira o resultado do Concurso "Passagens sob o Eixão" em Brasília DF

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Concurso Passagens Sob o Eixão. Projetos, São Paulo, ano 12, n. 138-139.01, Vitruvius, jun. 2012 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/12.138-139/4410>.


“Nossa Senhora do Cerrado
Protetora dos pedestres
Que atravessam o Eixão
Às seis horas da tarde
Fazei com que eu chegue são e salvo
Na casa da Noélia.”
(Nonato Veras, Nicolas Behr, 1996)

Prioridades

Brasília é uma utopia construída que hoje paga seu preço. A lógica modernista que prioriza o transporte automotivo gerou uma cidade que impossibilita o trânsito de pedestres. É tempo de escolher entre continuar perseguindo utopias ou encarar a realidade de maneira objetiva.

As recorrentes melhorias nas passagens subterrâneas, embora válidas a curto prazo, são apenas uma solução paliativa. Devemos fazer uma reflexão profunda acerca do real problema. Trata-se da resolução de um problema de arquitetura, a travessia de pedrestres, e não da tentativa de adaptar uma solução que, ao longo dos anos, visivelmente não se adequou ao cotidiano da cidade.

A proposta aqui apresentada obedece ao instinto primitivo do ser humano de sempre procurar percorrer a menor distância para atingir o seu objetivo. Através da legitimação da travessia de pedestres sobre a via, substitui-se a solução atual, orientada ao automóvel, pela tendência natural de priorizar o transporte peatonal e ciclístico, mais sustentável e saudável.

Estratégias de projeto. Concurso Passagens sob o Eixão. Menção honrosa 03
divulgação

A proposta

Optou-se pela mais simples, barata e natural das formas de travessia peatonal: a faixa de segurança com semáforo. Ao manter a travessia no mesmo nível da calçada, democratiza-se o acesso aos dois lados do Eixão. Pedestres, cadeirantes e cliclistas podem atravessar sem interrupção e sem troca de nível, reduzindo o tempo de passagem e garantindo a segurança de todos.

Mobilidade Urbana

A proposta busca incentivar o transporte sustentável em todas as suas formas, seja pela ciclovia, localizada no canteiro dos eixinhos, que atravessa sem interrupção toda a extensão das duas asas ou pela facilitação do acesso às paradas de ônibus que se localizam ao lado das travessias, com quiosques comerciais sob sua cobertura.

Brasília foi projetada objetivando a movimentação ininterrupta de veículos ao longo do Eixão. Levando em conta este aspecto do Plano Piloto, são propostos semáforos sincronizados pelo sistema de onda verde, que permite o tráfego constante.

Módulo de parada de ônibus e quiosques. Concurso Passagens sob o Eixão. Menção honrosa 03
divulgação

A cidade que queremos

Na conclusão de seu relatório, Lúcio Costa discorre sobre como o chão deve ser restituído aos pedestres.

Meio século depois de sua inauguração, Brasília mostra claros sinais do desejo dos pedestres em retomar esse chão para si. Nos arredores das paradas de ônibus, existem inúmeros caminhos alternativos traçados pelos pedestres, resultado da busca constante pelo menor percurso.

A cidade que propomos liberta o pedestre das amarras dos percursos traçados a priori, garantindo o livre arbítrio e aumentando a segurança de todos.

Prioridade nas cidades

O transporte de pedestres e ciclistas deve ser colocado em primeiro lugar, priorizando a mobilidade urbana sustentável. Ao elevar os pedestres ao nível da rodovia, se reconhece o uso de transporte público como uma realidade possível e desejável.

Planta Subsolo travessia do Setor Bancário Sul. Concurso Passagens sob o Eixão. Menção honrosa 03
divulgação

Tipo ideal de travessia

Pedestres e veículos devem, para a segurança de todos, dividir o mesmo espaço. Passagens de pedestres em nível distinto, tanto elevadas quanto enterradas, apresentam obstáculos para a integração dos meios de transporte e desencorajam o transeunte, levando-o a travessias alternativas e, por vezes, inseguras.

O chão restituído ao pedestre

Priorizar o transporte peatonal significa devolver ao pedestre, como vislumbrado por Lúcio Costa, o que é seu por definição: o nível do chão. Significa, também, dar um novo status ao transporte à pé, hoje considerado a última alternativa em transporte urbano em Brasília.

A segurança e a luz solar

Túneis são, em sua grande maioria, espaços sombrios. Embora essas passagens possam ser seguras em locais onde o investimento em manutenção e energia não é um problema, elas nunca serão a primeira opção de travessia. A experiência de caminhar ao ar livre, sob a luz do sol nunca será substituída por corredores subterâneos potencialmente inseguros.

A liberdade do pedestre

A possibilidade de incluir o pedestre ao cotidiano da cidade faz com que cresça mutuamente o respeito entre os meios de transporte. Ao liberar apenas o subsolo ao pedestre, reduz-se não só a sua segurança como também a sua dignidade, ignorando o fato de que a cidade deve servir, em primeiro lugar, às pessoas.

ficha técnica

Local
Brasília DF

Data
2012

Projeto
0E1 Arquitetos

Autores dos projetos
Ana Cristina Castagna
Anna Carolina Manfroi
Gabriel Giambastiani
Mario Guidoux Gonzaga
Pablo Resende

source

comments

138.01 Concurso
abstracts
how to quote

languages

original: português

source

share

138-139

138.02 Crítica

Pavilhão Humanidade 2012

Roberto Segre

138.03 trabalho acadêmico

Trabalhos de Final de Graduação em arquitetura

Assunta Viola

138.04 praças

Tres plazas en Massanassa

138.05 design & architecture

The CUBE

138.06 galeria

Galeria Vermelho

138.07 equipamentos públicos

Academia da Saúde

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided