Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects  


Foto Nelson Kon

abstracts

português
Segundo artigo da série sobre projetos brasileiros selecionados para o Prêmio Rogelio Salmona 2014, Mauro Calliari visitou o Terminal de ônibus da Lapa, de autoria de Luciano Margotto, Marcelo Ursini e Sergio Salles.

how to quote

CALLIARI, Mauro. Terminal de ônibus da Lapa. Arquiteturizando a infraestrutura. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 163.03, Vitruvius, jul. 2014 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.163/5252>.


[projeto]
[ficha técnica]

As estações e terminais de transportes parecem ser parte inevitável do futuro de nossas metrópoles, conectando pessoas de regiões e municípios distintos. O princípio de funcionamento dessas conexões é a eficiência: esperar o mínimo possível, acelerar a entrada e saída, facilitar o acesso, disponibilizar informações. Talvez por isso, tenham sido classificadas por Marc Augé como “não-lugares”, ao não oferecerem tradicionalmente a possibilidade de algum tipo de relacionamento com o lugar e desestimular o relacionamento entre as pessoas. “Um não lugar é um espaço destituído das expressões simbólicas de identidade, relações e história” (1).

Nesse sentido, a notícia de um terminal que tenha criado um espaço de qualidade é muito bem vinda. Que ele crie condições de melhorar o conforto e a fruição de um local de passagem é algo que melhora a experiência da vida urbana.

Em São Paulo, são 29 terminais, sendo um intermunicipal. A visita ao terminal da Lapa mostrou que não é difícil melhorar a experiência do passageiro de ônibus, mas que um bom projeto deve vir acompanhado de mais conhecimento sobre o ponto de vista do usuário e, principalmente, de uma gestão do dia a dia.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

O projeto

O projeto do terminal tem o mérito de não pretender chamar demais as atenções para si, integrando-se com graça à paisagem da cidade. A partir da praça em frente, não se mostra totalmente, em meio às árvores e construções. De perto, mostra-se funcional, prático, iluminado.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

A estrutura em arcos protege os usuários da chuva e do sol, mas as aberturas iluminam e dão vazão à fumaça. Como dizem os próprios autores do projeto, arquitetos Luciano Margotto Soares, Marcelo Ursini e Sergio Salles, “os arcos metálicos leves configuram uma sensação espacial de interioridade típica das antigas gares, ao mesmo tempo em que transmitem com eficiência os esforços transversais da estrutura” (2).

O objetivo inicial de organizar as 23 linhas de ônibus foi resolvido com acessos viários diretos e uma boa área de espera. O desafio agora é continuar atendendo bem os quase 40 mil passageiros que circulam por dia. O pico é no início e no final do dia, mas a qualquer momento, há uma enorme fila na bilheteria para carregar o bilhete único.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Urbanidade

Diante das metas de mobilidade estabelecidas no Plano Diretor, promulgado há menos de um mês, as estações terão cada vez mais protagonismo na produção de espaços públicos em São Paulo. É de se esperar que elas se tornem lugares propícios ao encontro. O terminal da Lapa representa um passo nessa direção. A um quilômetro dele, por exemplo, dá para ver o contraste com um terminal “comum”, na rua Nossa Senhora da Lapa:

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Dentro do terminal, há alguns serviços aos usuários, como banheiros razoavelmente limpos e caixas eletrônicos. Mas ele oferece algo muito importante, comida, que foi definida por William Whyte (3) como um dos grandes indutores do aumento da permanência de pessoas nos espaços públicos. Inicialmente fora do projeto inicial, os boxes de comida rápida ocuparam o centro da ilha mais importante, evidenciando o improviso e reduzindo o espaço para as enormes filas do horário de pico.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Os painéis eletrônicos dão as informações necessárias aos que sabem que linha pegar, mas, segundo o responsável pelo lugar, o terminal acolhe muita gente de fora da cidade, que precisa de informações melhores sobre o número da linha para cada destino. Em uma conversa de menos de quinze minutos, fomos interrompidos onze vezes para ele dar as informações: “Vila Mariana? Segunda plataforma, ônibus 875 H-10”; “Barra Funda? Saia da estação e pegue o trem da CPTM”.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Integração com a cidade

O terminal de ônibus recebe e manda passageiros para o trens da CPTM. A integração não é direta; é preciso sair de uma para entrar em outra estação, o que é complicado pelo fato de existirem duas estações de trem na vizinhança, uma que serve o centro e outra a região noroeste, até Jundiaí.

A integração do terminal com o entorno também é importante. Afinal, ele é cercado por equipamentos e pontos importantes da Lapa: Estação Ciência, Mercado Municipal da Lapa, Shopping Lapa, Rua Nossa Senhora da Lapa, além das estações da CPTM. O ponto de articulação com esses locais é uma praça, fora do terminal, que foi reformada e ampliada pelo projeto.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Um pequeno adendo externo, ao longo da ferrovia, facilitou um pouco essa integração, mas o caminho tem seus obstáculos.

Arredores do Terminal de ônibus da Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Apesar de público, o terminal impõe algum tipo de filtro para a entrada – e, como espaço público, não deixa de ser extemporânea a proibição de fotografias – de “indesejáveis”. O contraste entre o dentro e o fora talvez explique isso. Se o terminal é limpo e seguro, a praça, ampliada pelo projeto, parece ser seu oposto, principalmente à noite.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

Os conflitos parecem ser inevitáveis nas escadas e acessos reduzidos. Presenciei uma briga de socos entre um morador de rua e um passageiro, por motivo fútil, o que, segundo o responsável, é fato corriqueiro.

Apesar disso, dentro do terminal, pessoas sentam nos bancos, checam suas mensagens, e parecem à vontade até para namorar. Diante do peso das novas e inevitáveis obras de infraestrutura na cidade, é oportuno lembrar do mote do arquiteto argentino Alberto Varas – “arquiteturizar a infraestrutura” (4) –, que ressalta a possibilidade de transformação de espaços de passagem em permanência.

Núcleo de Arquitetura, Terminal de ônibus Lapa, São Paulo, 2003
Foto Mauro Calliari

notas

NE – Esse é o segundo de uma série de cinco artigos, publicados mensalmente, sobre os cinco projetos brasileiros selecionados para a primeira edição do Prêmio Rogelio Salmona, criado pela fundação leva o nome do arquiteto colombiano, morto em 2003, para reconhecer projetos latino-americanos que contemplam arquiteturas que geram espaços abertos /coletivos. Os projetos escolhidos do Brasil são os seguintes: Parque da Juventude, Terminal da Lapa, Praça Victor Civita, Escola Projeto Viver (vencedor geral), em São Paulo; e Terminal Digital do Ensino, em São Caetano. Além de focar seu interesse na criação, o prêmio prioriza projetos testados por pelo menos cinco anos, o que justifica o período temporal entre os anos 2000 e 2008 dos projetos selecionados. O júri do Prêmio Rogelio Salmona 2014 foi composto por Silvia Arango (Região Andina), Fernando Diez (Região Cone Sul), Ruth Verde Zein (Região Brasil), Louise Noelle Gras (Região México, América Central e Caribe) e Hiroshi Naito. Os artigos publicados são os seguintes:

CALLIARI, Mauro. O Parque da Juventude. O poder da ressignificação. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 162.03, Vitruvius, jun. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.162/5213>.

CALLIARI, Mauro. Terminal de ônibus da Lapa. Arquiteturizando a infraestrutura. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 163.03, Vitruvius, jul. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.163/5252>.

CALLIARI, Mauro. Espaço Viver Melhor – Projeto Viver. A criação de um espaço de uso coletivo a partir de uma escola. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 164.01, Vitruvius, ago. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.164/5265>.

CALLIARI, Mauro. Terminal Digital do Ensino, São Caetano do Sul. Um prédio que conversa com a cidade. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 164.01, Vitruvius, set. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.165/5303>.

CALLIARI, Mauro. Praça Victor Civita. Um espaço público de qualidade numa antiga área degradada. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 163.02, Vitruvius, out. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.166/5354>.

1
AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo, Papirus, 1994, p. 119.

2
NÚCLEO DE ARQUITETURA. Terminal de ônibus Lapa, SP-Trans. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 163.03, Vitruvius, ago. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.163/5252>.

3
WHYTE, William. The Social Life of Small Urban Spaces. 9ª tiragem. Nova York, Project for Public Spaces, 2012.

4
VARAS, Alberto. Buenos Aires metrópolis. Buenos Aires, Harvard University/Universidad de Buenos Aires/Universidad de Palermo, 1997.

sobre o autor

Mauro Calliari é administrador de empresas, mestre em urbanismo e consultor de organizações.

comments

163.03 prêmio salmona
abstracts
how to quote

languages

original: português

source
Núcleo de Arquitetura
São Paulo SP

share

163

163.01 concurso de ideias

Rudimentos

163.02 residencia

Vivienda aislada en un solar mínimo

Helio Piñón

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided