Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
Projeto e de adequação e requalificação do Mercado Público de Lages, de autoria dos escritórios Escritórios Zulian Broering + Zanatta Figueiredo, vencedor do Concurso Nacional de Arquitetura promovido pela Prefeitura de Lages e organizado pelo IAB/SC.

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Mercado Público de Lages. Projetos, São Paulo, ano 15, n. 169.05, Vitruvius, jan. 2015 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/15.169/5404>.


O Mercado Público de Lages

Um mercado público é um espaço construído que atua como abrigo de múltiplos comércios, em sua maioria do setor alimentício, de caráter caseiro, artesanal e que estabelece relações de venda de modo livre e democrático.

Os produtos comercializados e as atividades decorrentes do local geralmente refletem a identidade, a tradição e os costumes da região. “Lá” é o lugar do diferente, do autêntico, do único, do fresco. Também é o espaço do lazer, da passagem, da permanência, da sociabilidade, do turismo, dos vínculos, das trocas e dos aromas.

Sintetizando, o mercado público é um espaço que apresenta a cidade.

O usuário desse espaço nem sempre busca apenas o consumo, mas também os eventos gerados espontaneamente nesse ambiente.

Assim como na maioria dos casos, o Mercado Público em Lages teve início em uma praça.  A primeira ação de projeto parte do resgate dessa forma fundamentada no contexto contemporâneo.

Mantendo a edificação em art-déco praticamente intacta e marcando as intervenções com cores e materialidade contemporânea, optou-se por trocar apenas as esquadrias que encontram-se em estado crítico ou por necessidade programática, mantendo as demais para restauro.

Novos vãos foram abertos para o largo criado em frente na Rua Manoel da Silva Ramos e, seguindo a unidade do conjunto e critérios de economia, previram-se portas de aço na cor bordô escuro destacando-se em respeito ao antigo. Seu posicionamento atua estrategicamente junto ao interior em áreas de maior permanência mantendo o ritmo da fachada art-déco. Ao bascular permitem abertura máxima entre as linhas e configuram uma releitura do clássico toldo de proteção e dotam este pedaço da cidade de ambiência em escala humana para mesas e cadeiras.

Entende-se aqui que, desde sua origem, o uso de um mercado necessita de permeabilidade e continuidade do espaço público para realizar de maneira qualitativa as suas trocas, eventos, funcionalidade e sociabilidade, além de proporcionar espacialidades dignas e que incentivem o usuário à longa permanência. Do contrário, diversos problemas podem ser revelados e acentuados com o tempo. A solução encontrada foi um equilíbrio entre uso/não-enfrentamento urbano e valorização da edificação histórica.

No volume do patrimônio art-déco optou-se pela pintura de tonalidade branca, descascando e revelando o bloco cerâmico maciço no seu interior apenas para externamente não descaracterizar a fachada externa e internamente viabilizar a facilidade de manutenção e sensação de acolhimento.

Toda a cobertura foi mantida e revitalizada, com trocas das peças junto às calhas perimetrais por telhas translúcidas que iluminam de forma cênica o interior através de um rasgo no forro em alumínio zincado vazado.

A nova edificação apresenta-se essencialmente por uma base em concreto aparente transversal ao antigo mercado articulando os espaços e as peças do conjunto e organizando o setor de serviços do projeto, com docas, entradas e saídas de alimentos, estacionamentos, circulações verticais, instalações sanitárias e boxes de frios.

1º lugar Concurso Mercado Público de Lages, perspectiva externa diurna, Lages. Escritórios Zulian Broering + Zanatta Figueiredo
Imagem divulgação

Os boxes “leves” com atividades similares às feiras de praças compõem a porção externa abrigada por uma estrutura metálica leve e econômica composta por duas treliças laterais vedadas por chapa em aço na mesma cor bordô identificadora da intervenção e por uma cobertura matricial de vigas-calha tipo “V” sob um céu de domos de vidro branco. Compondo o plano de fundo dessa praça, recantos e uma extensa parede verde desenham esse espaço até o seu principal acesso.

Essa implantação tira o melhor proveito do espaço restante do terreno sem necessariamente construir para alcançá-lo e libera um respiro central que recupera a visualidade para a antiga fachada perdida do mercado. Esse pátio aberto abriga o espaço da imprevisibilidade, do lazer, dos eventos, oficinas ao ar livre, do chimarrão, dos jogos, com um único destaque fixo para o Monumento à Coxilha Rica, representando por um muro em pedras dos antigos caminhos de tropas da região.

O setor abrigado conecta-se ao prédio histórico através de um caminho protegido por uma leve cobertura em estrutura de aço e vidro branco.

A madeira – material de grande familiaridade local – se mostra presente como fechamento de correr do mercado, docas, garagem e boxes. Com base em arranjo de perfis de alumínio e ripas vazadas, remetem aos antigos muxarabis.

A vocação do mercado como catalisador urbano é finalmente consolidada com a locação dos serviços e comércios que servem aos habitantes do bairro se nas margens da construção possibilitando seu funcionamento independente do mercado estar aberto. O mesmo ocorre com a área de exposição, administração e auditório, que podem receber eventos enquanto o mercado encontra-se fechado.

O largo em frente manteve o calçamento histórico da rua, porém com nível elevado, privilegiando o pedestre e a permanência. Bancos e árvores foram implantados criando uma alameda arborizada e gavetas acessíveis foram instaladas no enchimento acima da laje do piso, conectando a infraestrutura dos shafts de instalações com os boxes e com o espaço de feiras itinerantes, criando durante esses eventos um espaço largo-mercado único e contínuo.

Critérios de sustentabilidade

A proposta para a revitalização do Mercado Público de Lages evidencia o contraste entre o patrimônio restaurado e o edifício-praça através da expressividade arquitetônica gerada pelo uso coerente da tecnologia no conjunto.

Assim adota-se, tanto na readequação do edifício existente quanto na execução do novo, sistemas pré-fabricados para otimização do funcionamento do canteiro de obras e consequente redução de resíduos gerados pela construção.

Com relação à questão bioclimática, Lages possui grandes amplitudes térmicas e estações bem definidas. A intervenção viabiliza o uso do Mercado ao longo de todo ano através de estratégias de conforto passivas, como ventilação natural e inércia térmica, e estratégias ativas, como a adoção de sistema de aquecimento de piso vinculado à tecnologia de reaproveitamento da água da chuva e placas solares.

A iluminação natural se faz presente em todo o conjunto, visando diminuição do gasto energético e qualidade ambiental.

Diretrizes de mobilidade urbana

1º lugar Concurso Mercado Público de Lages, esquema de mobilidade urbana, Lages. Escritórios Zulian Broering + Zanatta Figueiredo
Imagem divulgação

Vinculado à intervenção no Mercado Público e o resgate da sua relação franca junto ao espaço público, é proposta uma rede intermodal de transporte coletivo e ciclovias na área central de Lages. Esta rede se fundamenta nos seguintes critérios:

  • articulação e hierarquização dos eixos de circulação no tecido urbano consolidado: reorganização dos leitos de via existentes conformando uma matriz radial de transporte coletivo BRT (Bus Rapid Transit) e ciclovia e pulverização de ciclovias e ciclofaixas no interior do perímetro central.
  • intermodalidade da rede de transporte coletivo existente com a matriz radial de brt e ciclovias: incentivo ao uso do transporte coletivo e da bicicleta com implementação de sistema único intermodal e a instalação de infraestrutura de bicicletário junto aos pontos de ônibus e ao longo das ciclovias.
  • aproveitamento da potencialidade topográfica para ciclovias no perímetro central: valorização da circulação de bicicleta e de pedestres, conformando as vias como espaços de encontro e eixos de vinculação entre moradia, serviços e espaços públicos de lazer e cultura.
  • viabilidade técnico-financeira: almejando a implantação da nova lógica de mobilidade a custos acessíveis, propõe-se a utilização dos leitos de via existentes vinculada a tecnologia de pavimentação e drenagem contemporânea, além de permitir a execução das obras na malha consolidada de modo progressivo. Por exemplo, a implementação dos novos corredores de ciclovia e BRT poderão ser etapeadas, conforme fosse observada a demanda de circulação pela população.

1º lugar Concurso Mercado Público de Lages, perspectiva externa noturna, Lages. Escritórios Zulian Broering + Zanatta Figueiredo
Imagem divulgação

ficha técnica

projeto
Mercado Público de Lages

escritório responsável
Zulian Broering + Zanatta Figueiredo

autor responsável
Henrique Zulian

co-autores
Talita Broering; Vinicius Figueiredo; Vitor Zanatta

ano
2014

cidade
Lages

status
1º lugar em concurso nacional

tipo de projeto
Comercial/Patrimônio: intervenção em edificação existente

source
Escritórios vencedores
São Paulo SP Brasil

comments

169.05 concurso
abstracts
how to quote

languages

original: português

source
IAB/SC
Lages SC

share

169

169.01 critica

Conjunto Habitacional Fira de Barcelona

Mariana Pedrollo Bez

169.02 concurso

Concurso MIS PRO

169.03 concurso

Campus Igara UFCSPA

169.04 habitação

La Fundación Ciudad del Saber

169.06 edifício comercial

Shopping Center e a recuperação da Estação da Lapa

Adriana Rabello Filgueiras Lima

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided