Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

BRANDÃO, Carlos Antonio Leite. Um olhar arquitetônico. Resenhas Online, São Paulo, ano 01, n. 001.06, Vitruvius, jan. 2002 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/01.001/3273>.


Aprendemos com a etimologia que "arquitetura" designa as construções (tectonicos) que contém arché, ou seja, os vestígios da história e dos princípios que deram origem a uma comunidade. Analogamente, consideramos "arquitetônico" o olhar que, ao examinar os edifícios, captura não apenas materiais, técnicas, formas e dimensões físicas mas, sobretudo, as marcas do humano aí impressas e os modos pelos quais são colados no álbum do tempo o selo de nossos hábitos: mais do que prédios, ele vê "habitações".

Esse olhar, raro nos estudos de arquitetura, o leitor encontrará em Casa Paulista. Com rigor, Carlos Lemos pesquisa a morada "bandeirista", rural e urbana, do século XVI ao final do XIX. Tal objeto é analisado quanto à origem, evolução, uso, programa, função, forma, sistema construtivo e adequação ao ambiente, em texto claro e ricamente ilustrado. Partindo do pioneirismo das construções iniciais em que se miscigenavam a herança ibérica e a experiência arquitetônica indígena até chegar nos confortos e modernidades importadas pelo café e pelo ecletismo, o autor descreve a trajetória quase épica da casa do "mameluco paulista", obrigado "a varar sertões como se estivesse em casa" e a fundar nele sua habitação e seu país, o "país dos paulistas". Lemos evita ir além dessas fronteiras. Contudo, sendo essas fronteiras extremamente permeáveis, elas acolhem diversas tradições, nacionais e estrangeiras. Ao descrever essas tradições, ainda que sumariamente, o livro também nos introduz no quadro mais vasto da arquitetura brasileira. Mesmo porque a casa paulista serviu como raiz da arquitetura de diversas outras regiões.

O leitor terá a oportunidade de estudar detalhadamente quatro grandes matrizes tipológicas, a começar pelos primórdios, entre os séculos XVI e XVIII, onde se inicia a ocupação do território e se estrutura o protótipo da casa paulista. A seguir, aborda-se a época acuçareira, iniciada com o morgado de Mateus, em 1765, em que aquele protótipo "caipira" ou se desenvolve com relativa autonomia ou se combina com a tradição mineira, muito influente após a exaustão das catas auríferas. Em dois capítulos, um dedicado ao vale do Paraíba e outro à Bacia do Tietê, o autor estuda o início do período cafeeiro. Nesse período, meados do século XIX, o partido bandeirista pode ser percebido seja nas adaptações sofridas pela modesta casa do açúcar, seja suportando as novidades trazidas pelo ouro verde e que, de dentro para fora, alteram significativamente a residência tradicional, como ao conferir maior especificidade ao uso de cada espaço. De modo mais sucinto, segue-se o estudo da casa do litoral e a descrição da moradia "à francesa", própria do final do século XIX, à guisa de conclusão.

A taipa é o suporte dessa tradição e o verbo da cartilha construtiva mameluca. Lemos mostra como ela se flexiona entre os séculos XVI e XIX; articula-se com outras técnicas, como a estrutura autônoma de madeira; e rege as diversas frases com que se escreve a história dessa arquitetura, antes que o ecletismo a substituísse pelo tijolo. O historiador perscruta as frestas dessas paredes de taipa, sente a dureza do piso da terra batida em que ela se assenta, escuta o diálogo do barro com a madeira do telhado. Seu texto exala o calor dos fogões, compreende o segredo das alcovas e da intimidade familiar, estuda o ritmo das portas e janelas e as gradações entre o público e o privado. Acompanhando as descrições do espaço físico lemos os depoimentos de moradores, registros de objetos e explicações de seu uso, cartas, testamentos e diversos outros indícios da vida ali transcorrida. Partindo da arquitetura da taipa e da descrição dos seus ambientes, o autor encontra uma trama de ecos e vivências a repercutir nas moradias e demonstrar como a verdadeira habitação do homem não é o espaço físico mas o espaço do tempo: a história. É o próprio autor que, numa citação à p. 208, comprova o caráter arquitetônico de um olhar que inquere pela arché enquanto examina o tectonicos: "É através da descrição da sala de jantar – o maior e talvez o mais importante aposento da casa – que o leitor toma conhecimento não só da sua arquitetura mas do que ela continha de real e simbólico."

O rigor da pesquisa e a clareza com que as análises são apresentadas ao leitor não escondem a paixão envolvida na feitura da obra, fruto de anos de estudo desse arquiteto formado em 1950. Essa paixão se reflete de várias formas: no cuidado com a redação, diagramação, seleção e tratamento das ilustrações; nos depoimentos e contidos desabafos acerca das dificuldades e perspectivas do trabalho da preservação de nossa memória histórica e cultural; na tristeza com que se discorre sobre a foto de uma moradia já demolida. Entremeando o texto, o historiador não se furta a tecer considerações de ordem metodológica, como ao reportar sua discussão com Luis Saia a respeito da Casa do Padre Inácio. Nessas passagens, vemos seu apelo por uma atitude mais crítica no estudo da história e no exame do acervo de nossa arquitetura, de modo a ultrapassar a superficial descrição das obras e evitar conclusões fáceis. Com liberdade, o texto se permite a tais digressões em que aflora a paixão do autor e o sabor emerge ao lado do saber. É esse sapere que o espírito do leitor aprende a degustar.

Casa Paulista é uma lição de arquitetura. Isso não se deve apenas ao modo didático com que é descrita a trajetória da casa bandeirista. Indo além, o livro ensina a olhar a habitação e compreender o habitante, ensina como a cultura se faz arquitetura e o espaço se faz história, ensina como o passado faceia o presente e clama por reconhecimento. Daí, a sensação que nos habita quando viramos a última página: a alegria de termos lapidado a nossa tradição e nos refrescado nas águas da arquitetura brasileira. É importante este frescor, sobretudo num momento onde os modismos se sucedem e o espírito não encontra silêncio diante do novo e ruidoso ecletismo promovido pela mídia da arquitetura internacional. Nesse livro, Carlos Lemos nos devolve um chão que temos esquecido de pisar e uma parede mais apta a suportar os quadros da nossa história. A terra e a taipa com que foram feitos se tornaram mais sólidas depois de socadas pelo tempo e pelas vivências transcorridas. É essa identidade ética e compromisso histórico, a desafiar o esteticismo e fugacidade sem peso da arquitetura atual, que o leitor verá emergir como o verdadeiro sentido do abrigo bandeirista. Aprenda-se.[texto originalmente publicado no Jornal de Resenhas, Discurso Editorial / Usp / Unesp / Folha de São Paulo, 11 março de 2000, São Paulo SP, p 4. Reprodução proibida sem autorização do autor]

leia também

"Casas Vetustas", de Hugo Segawa, sobre o livro de Carlos Lemos

sobre o autor

Carlos Antônio Leite Brandão é arquiteto formado pela EA-UFMG (1981), onde atualmente é professor de história e teoria da arquitetura e diretor. Especialista em Cultura e Arte Barroca (UFOP, 1987), mestre em Filosofia (UFMG,1987) e doutor em Filosofia (UFMG, 1997). Autor de "A formação do homem moderno vista através da arquitetura" (Editora da UFMG, 1999) e "Quid tum? O combate da arte em Leon Battista Alberti" (Editora da UFMG, 2000).

comments

resenha do livro

Casa paulista

Casa paulista

História das moradias anteriores ao ecletismo trazido pelo café

Carlos Alberto Cerqueira Lemos

1999

001.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

001

001.01

Arquitetura fascista

Renato Anelli

001.02

Vida urbana

Antônio Agenor Barbosa

001.03

A travessia da Calunga Grande

Antônio Agenor Barbosa

001.04 sem ISBN

Iconografia do Rio de Janeiro por Gilberto Ferrez

001.05

Paisagismo e ecogênese

A importante contribuição de Fernando Chacel ao paisagismo brasileiro

Vladimir Bartalini

001.07

Formas originais das disfunções urbanas contemporâneas

Roberto Conduru

001.08

Le Corbusier e a conquista da América

Maurício A. Fonseca

001.09

O olhar de Salgado sobre a Ásia: o Oriente é aqui?

Heitor Frúgoli Jr.

001.10

São Paulo, um espaço do cidadão privado

Heitor Frúgoli Jr.

001.11

Historiografia da arquitetura

Abilio Guerra

001.12

Política habitacional e arquitetura

Abilio Guerra

001.13

O oitavo dia da criação

Abilio Guerra

001.14

A esfinge silenciosa

Abilio Guerra

001.15

O véu e a mortalha

Abilio Guerra

001.16

A moderna morada paulista

Abilio Guerra

001.17

Histórias da arquitetura

Carlos Alberto Cerqueira Lemos

001.18

Pensando a urbanidade

Regina Meyer

001.19

Casas Vetustas

Hugo Segawa

001.20

Vida e morte de um grande livro

Hugo Segawa

001.21

Vilanova Artigas, o renascer de um mestre

Hugo Segawa

001.22

Guias da arquitetura carioca

Roberto Segre

001.23

O verbo e a prancheta

Marco do Valle

001.24

Arquiteturas no Brasil: 1900-1990

Ruth Verde Zein

001.25

Celebration: a busca da cidade perfeita e a vida real

Heitor Frúgoli Jr.

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided