Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

BARBOSA, Antônio Agenor. Vida urbana. Resenhas Online, São Paulo, ano 01, n. 001.02, Vitruvius, jan. 2002 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/01.001/3277>.


Em diversos campos do conhecimento, são poucos os professores e pesquisadores capacitados a reunir numa única obra o saber (científico) e o sabor (literário). O saber indiscutível adquirido ao longo de anos de estudos e pesquisas acadêmicas muitos possuem, mas poucos têm condições de traduzir e até revelar seus conhecimentos e erudição através de textos saborosos e acessíveis a um público amplo.

O professores universitários – Veríssimo, Bittar e Alvarez – que assinam este Vida Urbana – A Evolução do Cotidiano da Cidade Brasileira fazem parte deste seleto grupo de intelectuais que são capazes de ultrapassar os muros da academia para revelar, com sabor, o saber que possuem. E esta constatação não está apoiada apenas na leitura do livro resenhado, mas também no sucesso editorial que foi “500 Anos da Casa no Brasil – As Transformações da Arquitetura e da Utilização do Espaço de Moradia”, primeiro lançamento da dupla Veríssimo e Bittar em 1999.

Se no primeiro livro os autores se debruçaram sobre a arquitetura e os espaços de moradia, agora traçam um panorama sobre a evolução do cotidiano das cidades no Brasil, desde os primórdios até os dias atuais. Na visão metafórica dos autores, a cidade, objeto arcaico de cobiça e de desejo humano, é desvendada lentamente tal e qual uma dançarina coberta com muitos véus em seu gradativo despir-se. Mas a bonita imagem da dançarina em constante movimento que evocam na tentativa de desvendar a cidade, é a mesma que, subitamente, encobre a sua visão e nos impede de descobri-la por completo. Segundo os autores, a cidade – dançarina é também um grande mistério, um caleidoscópio com múltiplas e infinitas formas de leitura, enfim puro devenir, diria um filósofo.

Estruturado em nove capítulos, o livro traz uma contribuição bastante oportuna para o atual momento de crise em que se encontram as nossas cidades, notadamente aquelas situadas nas regiões metropolitanas do país. Desta forma, os autores nos revelam fatos importantes acerca do longo e complexo processo de evolução das cidades brasileiras. Assim, são narrados os antecedentes históricos que condicionaram a conquista e a ocupação de nosso território por parte dos portugueses, passando pelas características físicas (os lotes, as praças, as ruas), sociais (as formas de controle social), estéticas (a paisagem, os jardins, as influências européias), lúdicas (o lazer sexual, as praias, o lazer infantil) e religiosas (a cidade Cristã no Brasil, a cidade profana e suas formas culturais) que, simultaneamente, estiveram sempre presentes na consolidação de cidades no Brasil.

Amplamente ilustrado – num total de 100 imagens, entre fotografias, mapas, desenhos além da iconografia clássica de artistas estrangeiros – e repleto de citações e de referências oriundas de jornais, revistas e filmes, além da vasta bibliografia de referência sobre o tema, o livro tem uma característica bastante singular – à maneira de “500 Anos da Casa no Brasil” – que é o uso abundante de trechos de poemas e de letras de músicas que, ao longo dos tempos “imortalizaram” certas cidades e/ou partes de cidades, como é o caso de refrões famosos da MPB como: “moro em Jaçanã”; “aquele mundo de zinco que é Mangueira”; “que na Carioca tem uma roleta para se jogar”; “alô, alô, Terezinha, Rio de Janeiro”; “sou um punk da periferia, sou da Freguesia do Ó”; “kátia Flávia, Godiva do Irajá, me escondi aqui em Copa”; “e quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo diante da Chacina”. Cabe mencionar que tais referências aos refrões da música popular brasileira não aparecem descoladas do contexto geral do livro, mas inseridas no desenvolvimento das idéias expostas pelos autores.

Também impressiona o fato de a seleção abranger não apenas os clássicos , como os citados anteriormente , mas também novíssimas composições, como é o caso da música “Soldado do Morro” de autoria de MV Bill – que serve aos autores para ilustrar o duro cotidiano atual de várias comunidades “comprimidas entre a legalidade e a dupla marginalidade da violência legal e ilegal...numa forma trágica de lirismo” – e de “Minha Alma (A paz que eu não quero)” composta por O Rappa – que faz referências às grades dos condomínios de luxo das grandes cidades. Tais citações demonstram o quanto os autores estão sintonizados e sensibilizados com o cotidiano atual das grandes cidades brasileiras, em suas diversas formas de expressão artística, sobretudo quando estas manifestações são oriundas das classes menos favorecidas.

A despeito de suas virtudes e da sua oportuna e original contribuição para o conhecimento da história urbana do Brasil, o livro tem algumas lacunas (antecipadas pelos autores na apresentação) conceituais que talvez pudessem ser melhor desenvolvidas. A primeira delas se anuncia no próprio subtítulo do livro – “a evolução do cotidiano da cidade brasileira”. O estudo acaba ficando restrito basicamente às informações a respeito de Rio de Janeiro – a grande campeã em referências – , Salvador, Ouro Preto, e um pouco de Olinda, Natal, Brasília e Parati. Cidades como Belo Horizonte, Belém, São Luís, Porto Alegre, Santos, Recife, Palmas (no caso da nossa mais recente capital) e mesmo São Paulo são algumas cidades que, quando mencionadas, o são de maneira superficial e, em geral, deslocada do fio condutor da obra.

Outro item digno de nota e que talvez merecesse uma interpretação e/ou revisão mais criteriosa e atualizada dos autores, é relativa à recente historiografia que, quando não nega, ao menos retifica as célebres passagens de “Raízes do Brasil” como “O Semeador e o Ladrilhador” – em que Sérgio Buarque de Holanda, ao analisar a formação pioneira de nossas cidades, afirma que estas não são produtos mentais dos portugueses, pois não chegam sequer a “contradizer o quadro da natureza, e sua silhueta se enlaça na linha da paisagem...Nenhum rigor, nenhum método...significativo abandono que exprime a palavra desleixo”. Cabe enfatizar que, pelo menos dois desses autores que retificam a visão de Holanda constam nas referências bibliográficas do livro, como é o caso de Fania Fridman em “Donos do Rio – Em Nome do Rei” e de Nestor Goulart Reis com “Imagens de Vilas e Cidades do Brasil Colonial”. Também no que se refere à bibliografia de referência cabe lamentar a ausência de obras clássicas do urbanismo brasileiro como é o caso de “A Cidade como um Jogo de Cartas” e “Quando a Rua Vira Casa” de Carlos Nelson Ferreira dos Santos.

Estas lacunas, no entanto, não chegam a comprometer o brilhantismo, a importância e o refinamento editorial desta obra que servirá não apenas para os especialistas em arquitetura e urbanismo, mas para todo e qualquer cidadão interessado em desvendar os “500 anos de véus” – véus do tempo e de história – que ainda encobrem as cidades brasileiras.

[resenha publicada no Caderno Idéias / Livros do Jornal do Brasil de 29 de setembro de 2001]

sobre o autor

Antônio Agenor de Melo Barbosa é arquiteto, mestre em urbanismo pelo PROURB / FAU UFRJ, professor da FAU UFRJ e da Universidade Santa Úrsula

comments

resenha do livro

Vida urbana

Vida urbana

A evolução do cotidiano da cidade brasileira

Francisco Salvador Verissímo, José Maurício Alvarez and William Seba Mallmann Bittar

2001

001.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

001

001.01

Arquitetura fascista

Renato Anelli

001.03

A travessia da Calunga Grande

Antônio Agenor Barbosa

001.04 sem ISBN

Iconografia do Rio de Janeiro por Gilberto Ferrez

001.05

Paisagismo e ecogênese

A importante contribuição de Fernando Chacel ao paisagismo brasileiro

Vladimir Bartalini

001.06

Um olhar arquitetônico

Carlos Antonio Leite Brandão

001.07

Formas originais das disfunções urbanas contemporâneas

Roberto Conduru

001.08

Le Corbusier e a conquista da América

Maurício A. Fonseca

001.09

O olhar de Salgado sobre a Ásia: o Oriente é aqui?

Heitor Frúgoli Jr.

001.10

São Paulo, um espaço do cidadão privado

Heitor Frúgoli Jr.

001.11

Historiografia da arquitetura

Abilio Guerra

001.12

Política habitacional e arquitetura

Abilio Guerra

001.13

O oitavo dia da criação

Abilio Guerra

001.14

A esfinge silenciosa

Abilio Guerra

001.15

O véu e a mortalha

Abilio Guerra

001.16

A moderna morada paulista

Abilio Guerra

001.17

Histórias da arquitetura

Carlos Alberto Cerqueira Lemos

001.18

Pensando a urbanidade

Regina Meyer

001.19

Casas Vetustas

Hugo Segawa

001.20

Vida e morte de um grande livro

Hugo Segawa

001.21

Vilanova Artigas, o renascer de um mestre

Hugo Segawa

001.22

Guias da arquitetura carioca

Roberto Segre

001.23

O verbo e a prancheta

Marco do Valle

001.24

Arquiteturas no Brasil: 1900-1990

Ruth Verde Zein

001.25

Celebration: a busca da cidade perfeita e a vida real

Heitor Frúgoli Jr.

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided