Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

GUEDES, Joaquim. Casa e cidade. Um mestre da moderna arquitetura brasileira. Resenhas Online, São Paulo, ano 02, n. 014.02, Vitruvius, fev. 2003 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/02.014/3223>.


O grande arquiteto brasileiro Rino Levi nasceu em São Paulo em 1901, de pais italianos, e formou-se em Roma. Há 400 publicações dispersas sobre ele, a maioria estrangeira, número espantoso, sobretudo para quem se manteve longe da obrigação da pesquisa acadêmica. Existe, completamente esgotado há anos, o livro "Rino Levi" (Edizioni di Comunità, Milão, 1974). Mas este é o primeiro livro no Brasil, publicado 37 anos após sua morte (1965), que organiza (ou desorganiza) as imagens com todas as repetições, cores e escalas a que tem direito. Destaco o corajoso prefácio de Lúcio Gomes Machado.

Rino era discreto. Embora o admirássemos, eu não imaginava que fosse tão conhecido e respeitado, como ao ouvir o arquiteto finlandês Heikki Siren dizer em voz baixa, no Rio de Janeiro, em 1963, enquanto Rino falava do outro lado da mesa: "Ele é um dos grandes mestres do racionalismo mundial".

O livro se abre com seis fotos de interiores residenciais, em que Rino Levi era exímio. Ótimo, porque a casa condensa todos os grandes problemas da arquitetura, sendo considerada o laboratório por excelência da invenção arquitetônica do século 20 e da investigação dos limites da arte de construir o espaço humano possível em cada momento e lugar.

Citam-se muitas casas de Alvar Aalto; a casa da Cascata, de Frank Lloyd Wright; a Savoye, de Le Corbusier; a Farnsworth, de Mies van der Rohe; além das de Jean Prouvé, Marcel Breuer, Buckminster Fuller, Frank Gehry etc. Muitas vezes mostrei a própria residência de Rino Levi, na esquina das ruas Bélgica e Suécia, em São Paulo, como uma das obras mais importantes do Brasil.

O terreno irregular é totalmente fechado pela construção, cede os recuos legais à rua e os recupera como jardim público, onde as únicas janelas são as da cozinha! Os espaços interiores de uso diurno, dormitórios e serviços se distribuem em torno de três pátios perfeitos, em que as aberturas não são janelas quaisquer, são "constructos" complexos e especiais em cada caso, considerando vistas, orientação e natureza das atividades. Sobre a entrada principal, uma reentrância na esquina, o corte, inclinado em planta, da cobertura alarga as ondas nuas das telhas de fibrocimento, as terças expostas.

A primeira aula de Rino Levi na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, em agosto de 1954, começou assim: "Hoje nós projetamos de dentro para fora. Vamos ao terreno e imaginamos como viver nele, desde a entrada, os movimentos, o lugar da mesa, dos livros, sofás, camas, os aparelhos sanitários, equipamentos de cozinha... Aí colocamos as paredes, definimos espaços, aberturas, começam os detalhes". "Nunca se atrelou a modelos", comprometido apenas "com a arte e a técnica de seu tempo, com os costumes e a natureza de seu país", diz Antonio Carlos Sant'Anna Jr. numa das apresentações do livro. Seu mestre em Roma, autor do edifício Matarazzo em São Paulo, o "grande Marcello Piacentini" lutava por formar um "arquiteto integral, capaz de intervir com competência nas grandes transformações por que passavam as velhas cidades", segundo o depoimento de Roberto Cerqueira César, em outra das apresentações ao texto de Renato Anelli. Creio, como Piacentini, que se deva desenvolver "a eficácia dos arquitetos, com uma formação técnica e científica mais completa", um método de trabalho abrangente que permita à arquitetura triunfar sobre os complexos problemas a resolver.

No fundo, arquitetura-cidade como uma só coisa. Piacentini defendia o respeito às peculiaridades italianas, destacando entre elas as exigências especiais do clima. O jovem Rino transpôs as lições no famoso artigo "Arquitetura e Estética das Cidades", enviado da Itália em 1925. Como observa Anelli, queria compatibilizar "a universalidade inerente ao moderno com as especificidades brasileiras". Desde o início, procurava "uma arquitetura com "alma brasileira", entendida como um caráter decorrente da interpretação do clima, natureza e costumes brasileiros", segundo as palavras de Sant'Anna Jr.

Responsabilidade social

Se Piacentini tivesse construído a nova Cidade Universitária do Rio de Janeiro, ao que fora convidado e depois dispensado pelo ministro Gustavo Capanema, sendo substituído por Le Corbusier, é possível que nossa arquitetura fosse outra. O barroco colonial foi adotado como referência histórica e identidade permanente e única, limitando nossa formação e aquilo que aí está: retórica obscura, formas indiferentes à vida, ineficientes, inóspitas.

Rino foi arauto do crescimento urbano planejado, do estímulo à cidade vertical e controlada, do zoneamento, da metropolização como modernidade, pioneiro do discurso sobre "a responsabilidade social do arquiteto". Confrontando, pela primeira vez, o pensamento de dois mestres, Anelli afirma que Rino é criticado por Lúcio Costa, que defende "uma nova cidade brasileira, onde se conciliassem modernidade e passado colonial, do qual deveríamos resgatar a intimidade da casa rural com a natureza, propícia a um modo de viver sereno e tranquilo".

Os desenhos do livro são rigorosos, densos de pequenas e grandes idéias. Devem ter causado uma verdadeira revolução. Detalhes primorosos inovavam, como os da porta de canto envidraçada da sala, em ângulo, sem aresta, que se abre para o terraço curvo e livre do edifício Columbus, na avenida Brigadeiro Luís Antônio, em São Paulo (já demolido). Aqui não é razoável lembrar o arquiteto expressionista alemão Eric Mendelsohn. Embora as curvas do observatório Einstein, em Berlim, com seus espaços internos torturados, estejam em nossas retinas para sempre, dizer que Rino foi "influenciado" por ele, pela moda da apropriação do legado romano entre os italianos, ou ainda por Gropius não ajuda a compreender a gênese daquele canto nem os edifícios Schiesser, Cine Ufa (Arte Palácio), hospitais ou casas.

Numa viagem, Rino me falou sobre seu amor à matemática, que estudara por dez anos, todas as noites, até altas horas. Acreditava que ela fosse o instrumental lógico para elucidar o sentido do mundo e inventar a construção perfeita do ambiente humano. Decepcionado, passara a considerá-la inútil. Hoje, penso que já havia incorporado aos seus neurônios uma "metamatemática" sensível, humanizada, que gerou detalhe por detalhe seus extraordinários edifícios. Olhem as grelhas quadradas de concreto pré-moldado vistas contra pilares, lajes e passarelas sinuosas da Faculdade Sedes Sapientiae, em São Paulo, mostradas nos ensaios fotográficos de Nelson Kon produzidos para o livro de Anelli. Às vezes, uma simples planta de prefeitura e alguns detalhes à volta eram suficientes e faziam milagres. Desenhava muito, "pensava construção", sentado à prancheta o tempo todo até o fim da tarde, quando saía a ver amigos, como gostava de contar meu querido amigo e sócio, o arquiteto Carlos Milan, morto tragicamente em 1964.

O livro contém preciosas informações sobre o ambiente da arquitetura na Itália entre as guerras, que demonstram a originalidade das plantas de alguns pátios de Rino em relação à mediterraneidade facista ou a dois refinados arquitetos italianos, Daniele Calabi e Bernard Rudofsky, muito publicados nas revistas de arquitetura de Milão e que chegaram ao Brasil em 1939.
Aliás, certa vez topei com um magnífico projeto de Rudofsky, intitulado "Casa per una Donna senza Pregiudizio" ("Casa para uma Mulher sem Preconceito"). O tema eram muros e pátios, vestidos e sandálias, que podiam ser facilmente calçadas e descalçadas, miradas exclusivas por janelas internas e externas, camas baixas que permitiam aos amantes cair e rolar sobre tapetes até o gramado. Lascívia. Para mim, foi uma preciosa descoberta, aos 18 anos, do programa de necessidades do cliente como cultura-guia no processo de invenção da construção da forma (evidentemente, ainda hoje continuo questionando a futilidade do programa em pleno fascismo).

Lúcio Costa e Rino

Rino, já maduro em 1940, não estava à mercê de atávicas reminiscências romanas, do repertório renascentista ou da moda que chegava da Europa. Ele inventara aqui, em sereno exercício da razão emocionada, pátios para introspecção, sociabilidade, lazer e trabalho, criando magníficos jardins, um "panorama artificial" em lote plano e confinado, a substituir a paisagem impossível na baixada do Pinheiros. É relevante para os estudos brasileiros o confronto que Anelli estabelece entre as interpretações de Brasil dos terraços de Lúcio Costa e dos pátios de Rino.

Devo a Carlos Milan ter-me mostrado a singular importância dos desenhos de Rino Levi e Cerqueira César, suas maneiras elegantes, corajosas e diretas de escolher e utilizar os materiais necessários e suficientes em cada caso. Quanto a Levi, os exemplos são muitos: o Cine Universo, em São Paulo, com capacidade para 4.500 pessoas, onde o teto se abria; a inserção urbana do conjunto Iapi (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários); o edifício Porchat (SP); o Cine Ipiranga (SP), com a magistral estratégia da entrada invertida sob palco e hotel; o terraço jardim do Café Jardim (SP); a arquitetura das indústrias e fazenda em São José dos Campos, destaque especial à casa grande de Olivo Gomes, com a espetacular parceria dos Gomes, de Burle-Marx e do pintor de telas e paredes, meu primeiro vizinho de escritório, Rebolo Gonsales.

Ouso dizer que Rino Levi e Lina Bo Bardi foram os mais competentes arquitetos brasileiros de seu tempo. Ele, preocupado com o Brasil, discorria encantado sobre marantas de sua casa e bromélias, que colecionava. Morreu a procurá-las no morro do Chapéu, no interior da Bahia, ao lado de Burle-Marx. Lina, além das obras, foi autora da imensa exposição, hoje perdida, "A Mão do Povo Brasileiro", prova do amor pelo país que adotara. Ambos constituem a iluminada "outra face da arquitetura brasileira", a face questionadora: eram "italianos".

Gostaria que o livro se chamasse "Rino Levi, Roberto Cerqueira César e Luis Roberto Carvalho Franco – Arquitetura e Cidade". Juntos, eles deram a grande lição possível sobre a cidade moderna, na inserção pontual, perfeita e conciliada das edificações urbanas: o Columbus, cinemas, teatros, casas, apartamentos, escritórios, indústrias, bancos, hospitais e o notável edifício da Fiesp (1969), de Cerqueira César e Franco, sem Rino. É muito! Muito mais do que os projetos para as Residências da USP, para o Paço de Santo André (SP) ou o interessante plano de Brasília (como se sabe, Rino ficou em terceiro lugar no concurso para o plano piloto da cidade), assumido, de modo consciente e quase acintoso, como pura pesquisa, pois sabia que jamais ganharia o concurso. A melhor cidade parece ser um tecido de projetos singulares em conflito, conciliação e reinvenção permanentes, insubmissos às ideologias e geometrias simplificadoras.

[texto originalmente publicado no Jornal de Resenhas, Folha de S. Paulo, nº 86, 08/06/2002, p 5. Reprodução proibida sem autorização do autor]

sobre o autor 

Joaquim Guedes é arquiteto e professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP

 

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided