Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

PEREIRA, Leonardo Rodrigues. Construindo o pensar arquitetura. Resenhas Online, São Paulo, ano 07, n. 077.03, Vitruvius, maio 2008 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/07.077/3075>.


“A vida é mais importante do que a arquitetura”
Oscar Niemeyer

O impactante chavão do renomado arquiteto Oscar Niemeyer permeia as cabeças pensantes dos teóricos e pensadores da arquitetura, por isso, é relevante adotá-lo como pontapé inicial da discussão proposta. Desconstruir, para então construir – não um edifício físico, porém um ideário, um conceito do que possa ser a beleza arquitetônica e inclusive o que possa ser a própria arquitetura.

O esforço de Maurício Puls, na obra Arquitetura e filosofia, no sentido de trazer o pensamento filosófico humano através de uma coletânea, inclui desde os pré-socráticos até Umberto Eco, discursando sobre o conceito de belo, de estética. Puls oferece binômios interessantes, onde a conversa entre os autores é estabelecida em forma de debates, aproximando os pensadores ou contrapondo-os uns com os outros.

A retórica construída por cada filósofo e sua importância para a humanidade, e por conseguinte para a arquitetura, é o que podemos extrair. Com o entendimento das essências argumentativas e dos discursos, nos é proposto – naturalmente – elaborar nossa própria percepção sobre estas questões fundamentais.

Quando nos remetemos, novamente, à frase de Niemeyer – arquiteto reconhecido mundialmente por “fazer” arquitetura, muito mais do que teorizá-la –, nos deparamos com um significativo rebaixamento do conceito de arquitetura, em comparação com a vida. Esta análise é fundamental para o reconhecimento da arquitetura em sua dimensão utilitária. Compreendendo a arte como uma representação poética da vida, e a arquitetura como a “mãe das artes”, a arte funcional que serve à vida, parece bem lógico que – em qualquer escala hierárquica que se estabeleça – a vida é mais importante do que a arquitetura.

Por quê afinal existe a arte e não antes o nada? (1). É a primeira frase do Livro de Puls, onde já neste momento o autor faz questão de deixar bem claro a inerência da arte, da estética, do belo e da arquitetura ao mundo dos homens. “O homem não está frente ao mundo que procura compreender e sobre o qual atua, mas dentro dele” (2). Portanto, toda e qualquer teorização e reflexão sobre estes tópicos não devem deixar de considerar, como elemento primordial, a humanidade destes conceitos.

“A arquitetura espelha o mundo do homem. Contudo, como os homens diferem entre si, os edifícios não refletem sempre o mesmo mundo, nem são avaliados da mesma forma por indivíduos diversos: um objeto não é belo para todos os homens. Um prédio pode ser bonito para seu proprietário e feio para o empregado do proprietário” (3). Ou seja, conceito de homem e da vida, ao qual estamos atrelando o conceito de estética e de arquitetura, deve permear o senso de comunidade e individualidade dos seres humanos.

Os sensos de comunidade e individualidade, os quais os homens estão submetidos, formam coeficientes determinantes para a variável estética em sua tocante mimética. “Cada indivíduo é certamente medida de todas as coisas, mas é uma medida muito fraca se permanece só com sua opinião. O discurso não partilhado constitui o discurso fraco; aliás, mal chega a ser um discurso porque dizer é comunicar, e toda comunicação supõe algo de comum. Quando um discurso pessoal, pelo contrário, encontra a adesão de outros discursos pessoais, este discurso, reforçando-se com todos os outros, torna-se discurso forte e constitui a verdade” (4).

As reflexões permitem agora uma nova instância de foco: a linguagem. A arte (portanto, arquitetura) e a estética (portanto, o belo) como produtos do homem – que vivem em sociedade – pressupõem uma linguagem para assumir validade na mundanidade; os signos, o conceito e idéia de beleza elaborados precisam ser compartilhados, materializados, comunicados, como explicitaram Bakhtin e Romeyer-Dherbey: “O signo não é um ser para o indivíduo, mas um ser para a sociedade. Cada signo possui um horizonte social: ele é criado por uma pessoa, mas só será reconhecido e usado como tal se expressar um significado relevante para a comunidade” (5). Logo, o discurso forte “é uma tarefa essencialmente coletiva; cada qual privilegia dele o que há de comum com outrem, o que é universalizável” (6).

O critério de linguagem é fundamental para o entendimento da importância da estética na arte (portanto, o belo na arquitetura), pois nos esclarece a posição conceitual destes elementos na esfera filosófica. A concepção de arquitetura exige uma retórica, um discurso, conseqüentemente uma estética – que se expressará nesta construção – e que por seu caráter utilitário deverá abrigar legalidades humanas de cunho social e cultural que correspondam ao sentimento humano comum. O arquiteto e escritor Milton Hatoum complementa a fundamentação do pensamento com uma definição: “A arquitetura não deixa de ser uma linguagem, mas é uma linguagem que não se esgota em si mesma. A arquitetura é a síntese da cultura com a sociedade” (7).

A arquitetura só é arquitetura por trazer consigo sentimentos humanos fundamentais. A constituição do espaço artístico concerne na transmissão e tradução de valores humanitários no ambiente, na sub-natureza humana, a natureza [re]criada que como “toda obra de arte é um signo do homem. Mas como os homens se distinguem entre si, cada sujeito encontra seu espelho num signo diferente. Para o produtor e para o proprietário, o mundo é a expressão do homem, e por isso a beleza constitui num resultado ( uma conseqüência da existência humana. Ambos se perguntam ‘o que é belo?’, dado que para eles a beleza reside num ente (sensível) que espelha a essência humana (inteligível). E como o homem atribui a si mesmo um valor positivo, ele identifica essa essência humana como o próprio bem: a obra de arte é bela porque ela é a expressão sensível do bem” (8).

notas

1
Cf. LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. Apud PULS, Mauricio. Arquitetura e filosofia. São Paulo, Annablume, 2006, p. 7.

2
GOLDMANN, Lucien. Apud PULS, Mauricio. Op. cit., p. 8.

3
PULS, Mauricio. Op. cit., p. 22.

4
ROMEYER-DHERBEY, Gilbert. Apud PULS, Mauricio. Arquitetura e filosofia. São Paulo, Annablume, 2006, p. 14.

5
BAKHTIN, Mikhail. Apud PULS, Mauricio. Op. cit., p. 14.

6
ROMEYER-DHERBEY, Gilbert. Apud PULS, Mauricio. Op. cit., p. 14.

7
HATOUM, Milton. "No Traçado das Letras". Entrevista cedida a Bianca Antunes. AU – Arquitetura e Urbanismo, n. 159, São Paulo, Editora Pini, jun. 2007, p. 68.

8
PULS, Mauricio. Op. cit., p. 43.

leia também"O que faz um edifício ser belo", de Fábio Duarte sobre o livro de Maurício Puls

sobre o autorLeonardo Rodrigues Pereira é Estudante da Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense, Bolsista de Pesquisa do Departamento de Patrimônio Histórico da Fundação Oswaldo Cruz e ex-monitor da disciplina de Teoria e História da Arquitetura I da EAU/UFF.

comments

resenha do livro

Arquitetura e filosofia

new

Arquitetura e filosofia

Mauricio Puls

2006

077.03
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

077

077.01

Arquitectura en paranoia

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

077.02

Um Benevolo ansioso no século XXI

Roberto Segre

077.04

La inspiración del motor

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided