Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694

abstracts

português
Leia a resenha de Sergio Marques do livro "Arquitectura y Critica en Latinoamérica", de Josep María Montaner

how to quote

MARQUES, Sérgio Moacir. Espelhos. A crítica latino-americana segundo Josep Maria Montaner. Resenhas Online, São Paulo, ano 10, n. 118.02, Vitruvius, out. 2011 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/10.118/4074>.


Apesar da crítica de virtuosismo maneirista ao livre-formismo da arquitetura moderna brasileira, por parte de Max Bill e outros autores, é inegável o reconhecimento desta, no cenário internacional, como produção novo-mundista, ao sul do equador, madura o suficiente para afirmar-se como própria, em especial aquela dos anos 1930 a 1960. Apesar do exemplo inaugural de Lúcio Costa, reflexão teórica, análise histórica e visão critica não compõem presença de mesmo calibre no mapa cultural, assim como também não, arquitetos e críticos latino-americanos deslocados das capitais econômicas e políticas, mesmo aqueles, cuja produção, disseminou pelo continente, certa qualidade, a partir dos anos 1950.

Sem o ufanismo de Rousseau, o interesse de Josep Maria Montaner no pensamento latino-americano, além de sua arquitetura, acentuado por um panorama cuja lente foca no macro e micro simultaneamente, não tem precedentes memoráveis, em termos europeus, quiçá mesmo entre nativos. Escapando do modelo canonizador, o qual críticos estrangeiros, como Giedion e Bruand abordaram, por exemplo, a arquitetura moderna brasileira, Montaner em sua recente publicação, expõe 360° de um olhar pessoal e sensível, não taxidérmico, sobre “linhas de pensamento da crítica de arquitetura no contexto latino-americano”, centrando-se no surgimento da arquitetura e pensamento modernos, a partir das matrizes, europeia e norte-americana, sua “construção, consolidação e superação”. Usando como base, o esquadrinhamento sobre o meio cultural no âmbito do ensino da arquitetura, sua difusão no mundo editorial e pensamento de seus agentes, nem sempre protagonistas, o livro se apoia em cinco conceitos de análise de uma América, vista mais uma vez, inexoravelmente, desde Europa: a natureza como paisagem, a cidade como contexto, o patrimônio como substrato, a casa como microcosmos e a tecnologia socializadora, onde o autor expõe, sem isenção de sua mirada pessoal, a particularidade latino-americana.

Em sequência cronológica, saltando o pensamento de finais do século 19 e inicio do 20, Montaner dedica a primeira parte da publicação, aos “movimentos fundacionais” da arquitetura moderna no continente, presumida entre 1925 e 1969; na Argentina, com a Escuela de Tucumán, que arrancou sob influência de Antoni Bonet Castellana e o grupo Austral, as teorias de Enrico Tedeschi e a abordagem histórica de José Luis Romero; no Brasil com a ação basilar de Lúcio Costa, seus contemporâneos e seguidores como Gregori Warchavchik, Burle Marx e Oscar Niemeyer e a seguir o sincretismo de Lina Bo Bardi. No caso chileno o papel central do meio acadêmico, inicialmente com a PUC de Santiago, Valparaíso, e a Universidad de Chile graças as influentes teorias de Juan Borchers. No México, país de larga tradição no ensino da arquitetura e sua história, as aportações teóricas de José Villagran García e a presença de Juan O´Gorman, Ignacio Diaz Morales e Alberto Teruo Arai, em especial Hannes Meyer, que viveu no país de 1939 a 1949, assim como o espanhol Félix Candela e Luis Barragan, cujas obras emblematizam o movimento mexicano. Carlos Raúl Villanueva, da mesma forma na Venezuela, com seu ex-colaborador e historiador, Juan Pedro Posani. Finalmente no Perú, o impulso foi dado por Fernando Belaude Terry e o trabalho teórico de Luis Miró Quesada Garland, Hector Velarde e Emilio Harth-Terré.

A segunda parte da antologia dedica-se a consolidação de um escopo teórico latino-americano, com a erudição de Marina Waisman, desde a Universidad Nacional de Córdoba na Argentina e a visão humanista de Claudio Caveri. A influência do pensamento progressista nos escritos do milanez/argentino/cubano radicado no Brasil, Roberto Segre e do mexicano Rafael López Rangel, assim como as utopias americanas de Fruto Vivas na Venezuela, o regionalismo de Silvia Arango na Colômbia, os caminhos alternativos destacados por Enrique Browne e a modernidade apropriada, alternativa à Kenneth Frampton, de Cristian Fernandes Cóx, no Chile. Neste âmbito, Montaner salienta a criação e realização dos Seminários de Arquitetura Latino Americana (SAL), iniciados em 1985, em Buenos Aires, realizados contemporaneamente.

As novas gerações cosmopolitas de críticos de arquitetura e certa retomada de peso específico global são abordadas na terceira parte do livro, a partir de determinadas lideranças espraiadas em novas gerações. Ramón Gutierrez e a criação do Centro de Documentação da América Latina – Cedodal, Alfonso Corona Martinez e seu referencial livro Ensayo sobre el Proyecto, Cesar Naselli e o inovador Instituto del Diseño da Universidad Católica de Córdoba, Fernando Diez, sua conexão com Alfonso Corona Martinez e trabalho como editor da revista Summa +, a análise estruturalista de Roberto Fernández, a investigação e o trabalho editorial de Jorge Francisco Pancho Liernur e a revista Block, além de Roberto Doberti, Miguel Angel Roca, Margarita Gutmann, Victor Saul Pelli, que dão conta dos novos rasgos teóricos e sua repercussão na América Latina desde Argentina. Igualmente no Brasil, a análise formal de Carlos Eduardo Dias Comas, afinada a Collin Rowe e Alan Colquhoun, conjuntamente com Edson Mahfuz, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e a revista Arqtexto editada pelo Propar, Hugo Segawa, Ruth Verde Zein e também Cecília Rodrigues do Santos, com seus trabalhos junto a revista Projeto, Abílio Guerra e a criação do portal Vitruvius (agora também editado na Espanha) e mais recentemente a produção teórica de Maria Alice Junqueira Bastos e Paola Berenstein Jacques. Conectados em rede com os já citados, Fernando Pérez Oyarzún, desde a pós-graduação da PUC e Umberto Eliash no Chile, assim como Antonio Toca Fernández, com o texto crítico Nueva Arquitectura en América Latina e a edição da revista Arquine, pelo catalão Miquel Adriá, no México, entre outros nomes de um meio intelectual investigativo em franca expansão.

A publicação finalmente brinda o leitor com resenhas de 21 textos selecionados, por sua representatividade e influência, mas também por seu didatismo e cosmopolitismo, oferecendo no conjunto, não um brinde de espelhinhos como antigos colonizadores trocavam com nativos, mas um reflexo reflexivo onde a cultura latino-americana pode mirar.

sobre o autor

Sergio Moacyr Marques, arquiteto, é coordenador do Núcleo de Projetos FAU/UniRitter L.I.U e vice-Coordenador Núcleo DOCOMOMO Sul.

comments

resenha do livro

Arquitectura y Crítica en Latinoamérica

Arquitectura y Crítica en Latinoamérica

Josep Maria Montaner

2011

118.02 crítica
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

118

118.01 paisagismo

As flores do bem

Hugo Segawa

118.03 projeto

Form Follows Fiction

La arquitectura doméstica de Kazuo Shinohara

David Hernández

118.04 segurança

Panorama da segurança contra incêndio no Brasil

Carla Costa and Claudete Mira

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided