Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Natássia Gavazza resenha o livro Morte e vida de grandes cidades, de Jane Jacobs, baseado no questionamento do desenvolvimento do planejamento urbano nas cidades e nos princípios de reurbanização em contrapartida às questões de natureza sócio-econômicas.

how to quote

GAVAZZA, Natássia. A cidade de Jane Jacobs e o planejamento urbano. Resenhas Online, São Paulo, ano 12, n. 137.02, Vitruvius, maio 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/12.137/4736>.


O livro Morte e vida de grandes cidades, de Jane Jacobs, se baseia em questionar o desenvolvimento do planejamento urbano nas cidades e os princípios de reurbanização em contrapartida às questões de natureza sócio-econômicas. O seu foco principal decorre do indispensável conhecimento sobre o funcionamento e necessidades das cidades para, com isso, acumular informações em prol das diretrizes coerentes para o planejamento urbano.

A cidade é um grande cenário de vivências, das relações de poder, diferenças sociais, arquitetônicas, de paisagens e da falta de respeito com o principal personagem, o indivíduo enquanto cidadão. No seu relato, há uma crítica evidente em relação à função, uso e ocupação das construções, atrelado a infra-estrutura, que não valoriza a escala humana, com um crescimento urbano indiferente às necessidades de cunho social.

Jacobs afirma que há um mito em relação a dinheiro suficiente para erradicar todos os problemas de uma cidade, desde a eliminação dos cortiços até a solução de problemas de infra-estrutura. Mas o capital disponível é empregado de forma incoerente e, principalmente, sem respeito à preexistência e aos valores sociais desfavorecendo sempre os mais necessitados de lazer, moradia e mobilidade.

“O raciocínio econômico da reurbanização atual é um embuste”, afirma Jacobs. É um engano, pois mesmo sabendo que as favelas e outras habitações ou bairros precários são considerados parte integrante das cidades, os órgãos superiores desenvolvem uma prática de reurbanização que ainda não suprem as necessidades mais urgentes da população.

Para a autora, a cidade é um grande papel rascunho, onde a teoria deveria ser posta em prática, analisada, encontrando possíveis erros e fracassos para serem melhoradas, mas não é isto que acontece. Os especialistas e estudiosos não conseguem interpretar os gritos de desespero de uma sociedade que vive em cidades cheias de erros e insultos, conseqüentemente, as cidades passam a ser não funcionais. Claro que, existem profissionais sérios, comprometidos e dispostos que buscam compreender a grande diversidade do funcionamento urbano e social.

As ruas e calçadas, segundo Jacobs, são os órgãos vitais de uma cidade, pois é nelas que se dá toda a integração e convivência de uma sociedade, sendo que os principais protagonistas do uso e ocupação das ruas e calçadas são as pessoas. Claro que esta integração implica em conflitos, tanto positivos quanto negativos, que podem dificultar ou não a convivência entre os cidadãos e o espaço urbano.

“Muito mais do que um espaço urbano fechado, recortado por ruas e avenidas, construído com blocos de concreto e lajes de aço... a dominar todas as paisagens, a cidade é... um território de relações no qual cada cidadão/cidadã busca satisfazer suas necessidades e realizar seus quereres. (...) É uma realidade viva, pulsante. Ela é composta e compõe uma rede de fluxos de pessoas, mercadorias, matérias... energias em constante movimento.” (1)

O contato transmite mais vida às ruas e calçadas e este contato não deve ter limites físicos. As pessoas que vivem em determinadas ruas e calçadas não devem esquecer que fazem parte de um bairro e conseqüentemente de uma cidade. As relações devem ser muito maiores e ter compromisso com as causas e representar bem àquela comunidade, para quando necessário derrubar as barreiras invisíveis criadas pela própria sociedade.

As ruas e calçadas ganham mais vida e espontaneidade com a presença de crianças. Novos barulhos, ruídos e aromas se instalam na presença delas. Em muitos casos, as ruas são os únicos “espaços concretos” onde as crianças podem despejar toda sua energia e vivacidade, em especial as de baixa renda, pois não possuem, como em condomínios fechados, parquinhos, quadras e playgrounds particulares. São os únicos “espaços concretos” devido ao fato de não haverem áreas públicas convidativas para atrair este contingente populacional.

Quem nunca passou por uma rua, destinada à passagem de carros, fechada, no sentido figurado, por pedaços de pau formando espécies de traves em um final de semana agradável e se deparou com crianças correndo de um lado a outro atrás de uma bola na busca incessante do gol?! São situações como essa que o planejamento urbano deveria se basear para desenvolver projetos que supram à necessidade e demandas de determinadas áreas.

Esta “mudança” de uso das ruas e calçadas é um processo natural. Na falta de opções e de espaços públicos, as crianças se limitam a usufruir somente das ruas e calçadas. Limite este abstrato, pois a imaginação de uma criança pode alcançar vôos bem altos! De certa forma, este uso pode ser conflitante embora seja um fator totalmente positivo para a dinâmica do local.

Diagnosticar os problemas de um bairro e tentar resolvê-los antes que tome proporções alarmantes é um dos principais fatores que torna uma vizinhança bem sucedida. O bairro é um misto, sem dúvida alguma, de usos e atividades que transmitem uma visível “independência”, pois eles são diferentes tanto no sentido social quanto cultural e econômico, mas é um engano pensar que seja independente em relação à cidade, ainda mais porque ele é parte integrante da mesma.

A conformação espacial de um bairro está diretamente ligada à história da relativa cidade, como e quando ela teve surgimento e se desenvolveu. Existem aqueles que são mais valorizados, que despertam um maior interesse econômico das camadas superiores; aqueles que são planejados para se tornar uma cidade dentro da própria cidade; e aqueles que crescem sem planejamento, totalmente desordenados e sem infra-estrutura para comportá-lo. Um bairro, a depender da participação popular, pode conseguir bons benefícios que irão refletir, principalmente, na própria imagem da cidade.

Percebe-se, então, que o planejamento urbano e de reurbanização de uma determinada cidade não é nada fácil. Requer uma análise macro e micro-urbana, bem detalhada, buscando sempre a percepção de como funciona esta cidade e das necessidades mais urgentes da população. Além disso, não perceber a vivacidade que as ruas e calçadas apresentam e sua enorme função social, econômica e cultural torna-se um retrocesso.

notas

1
Adaptado de José Carlos C. Lopes. Pelas ruas da cidade: a construção do espaço urbano e da cidadania, p. 5-6

sobre a autora

Natássia Gavazza é arquiteta e urbanista formada pela Universidade Salvador, com especialização, em curso, em Planejamento Urbano e Gestão de Cidades.

comments

resenha do livro

Morte e vida de grandes cidades

Morte e vida de grandes cidades

Jane Jacobs

2000

137.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

137

137.01

Do projeto urbano ao detalhe construtivo

“A Pattern Language” finalmente traduzida

Raquel Barros and Doris Kowaltowski

137.03

O campo ampliado da arquitetura de Kate Nesbitt

Joana Mello

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided