Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Análise do clássico livro de Robert Venturi, "Complexidade e contradição em arquitetura", a partir de aspectos próprios à contemporaneidade e à realidade urbana brasileira.

how to quote

GHIONE, Roberto. Contrariedade e complicação. Resenhas Online, São Paulo, ano 12, n. 141.05, Vitruvius, set. 2013 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/12.141/4885>.


“Agrada-me a complexidade e a contradição na arquitetura. Porém, desagrada-me a incoerência e a arbitrariedade da arquitetura incompetente e as complicações rebuscadas do pitoresco e do expressionismo”

Robert Venturi editou, em 1966, o livro Complexidade e contradição na arquitetura, hoje um ícone da cultura pós-moderna. Nele, assumia uma crítica ao idealismo purista do Movimento Moderno e reivindicava o complexo e contraditório leque de circunstâncias que determina a decisão de um projeto de arquitetura no contexto da cultura de massas, do surgimento das megacidades e das demandas programáticas. Esse leque estava reduzido, até então, a abstrações teóricas alheias da realidade, desejos e expectativas das pessoas e da nova sociedade de consumo, assim como das solicitações de planejamento e projeto do espaço urbano. “Mais não é menos” clamava, em forma de manifesto, em oposição ao “menos é mais” miesiano, em aberta confrontação contra os cânones que regiam, naquele momento, a produção da arquitetura e da cidade, promovendo a pluralidade funcional e a ambiguidade de significados.

Quase meio século após o lançamento, os conceitos de Complexidade e contradição persistem e se fazem evidentes, com aparências diferentes, na circunstância da arquitetura e das cidades contemporâneas brasileiras. A simplificação e redução da análise da complexa realidade atual têm evitado um aprimoramento e aprofundamento de conceitos acerca dos problemas arquitetônicos e urbanísticos, aliada a uma cultura que valoriza o capital em prejuízo das pessoas, o beneficio setorial em detrimento do bem comum e, no campo profissional, o edifício isolado em lugar do contexto urbano. Isso implica que o conceito de complexidade – entendido como abordagem multidisciplinar e multireferenciada para a construção do conhecimento – seja substituído pelo de contrariedade, isto é, a oposição entre uma realidade susceptível de ser analisada e avaliada racional e sensivelmente e um sistema que teima e persiste um status quo de direitos adquiridos ao custo do desconforto e da exclusão de grande parte da sociedade.

O produto desta equação estabelece que a contradição, derivada do confronto naturalmente multireferenciado de variáveis intervenientes, resulte em uma evidente complicação, que mistura planos, objetivos e estratégias sem uma direção clara de até onde e sob que condições podem evoluir uma sociedade e construir-se uma cidade.

Complexidade e contradição, elementos estimulantes da criatividade, variedade e multiplicidade de propostas e significados, viraram contrariedade e complicação na vida cotidiana dos centros urbanos brasileiros. Eles se caracterizam pelo confronto entre a necessidade de planejamento racional e construção emotiva da cidade e a persistência de burocracias e tecnocracias atreladas a modelos ultrapassados, que não fazem outra coisa a não ser complicar a vida das pessoas e favorecer interesses minoritários.

A realidade demonstra constantemente as contrariedades nas cidades, que decidem por altas densidades, porém com uso exclusivo; preocupação com a violência urbana, porém sem promoção do uso misto; estímulo do transporte individual, porém sem estruturas mínimas de suporte do trânsito; espraiamento da área urbanizada, porém com abandono e decadência dos centros históricos e falta de planos de mobilidade urbana que favoreçam o transporte público; favorecimento do crescimento econômico e do consumo, porém com exclusão e diferenciação social; gastos com equipamentos urbanos destinados a grandes eventos, porém com falta de investimentos em serviços básicos; intervenções de impacto na estrutura urbana, porém sem planejamento de longo prazo; estímulo de ações de suposto desenvolvimento urbano, porém entregues aos interesses da iniciativa privada; promoção do crescimento do mercado imobiliário, porém com edifícios segregados e excludentes.

Tais contrariedades se refletem em inúmeras complicações da vida cotidiana de grandes grupos sociais, que sofrem com transporte público deficitário, imobilidade, espaço urbano decadente, paisagem urbana repetitiva e alienante, infraestrutura e saneamento deploráveis, exclusão social, violência urbana e todos os inconvenientes apresentados pelas cidades sem planejamento e com ações na estrutura urbana promovidas pelo improviso e interesse circunstancial.

Tanta contrariedade e complicação têm transformado as cidades em palcos de protestos e reivindicações de uma sociedade descrente dos atuais sistemas de condução e decisão das políticas urbanas. A sociedade reclama transparência, responsabilidade e racionalidade no destino dos recursos públicos, assim como dignidade e urbanidade na construção e recuperação dos espaços urbanos perdidos para grupos de poder atuantes em conluio com o sistema político.

O momento é de crise e também de oportunidade para a arquitetura e o urbanismo demonstrar a capacidade de transformar uma sociedade até agora adormecida sob a ilusão de um crescimento baseado na individualidade, egoísmo e exclusão. Tempo heroico de mudanças, que terão sua manifestação na construção de cidades mais justas, inclusivas e civilizadas. Tempo de esperança e de renovação do compromisso social da arquitetura e do urbanismo, adormecido sob o falso progresso das urbanizações fechadas, dos edifícios excludentes, do florescimento da indústria automobilística e do caos urbano revelado na contrariedade e na complicação em que afunda a sociedade contemporânea.

sobre o autor

Roberto Ghione, arquiteto, formado pela Universidad Nacional de Córdoba, Argentina. Pós-graduado em Preservação do Patrimônio, Crítica Arquitetônica e Planejamento Urbano pela Universidad Católica de Córdoba. Titular do escritório Vera Pires Roberto Ghione Arquitetos Associados, Recife, PE.

comments

resenha do livro

Complexidade e contradição em arquitetura

Complexidade e contradição em arquitetura

Robert Venturi

2004

141.05
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

141

141.01

Brasil a todos os olhos

Roberto Bottura

141.02

Flores Raras

O encontro da boa arquitetura brasileira com a boa literatura americana

Eliane Lordello

141.03

Modernidades regionais

Entre as obras e a questão historiográfica

Carlos Alberto Cerqueira Lemos

141.04

O grande jogo do caminhar

Paola Berenstein Jacques

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided