Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Durante o lançamento do livro Vilanova Artigas – casas paulistas, os depoimentos de Rosa Artigas, Paulo Mendes da Rocha, Marcos Acayaba, Ruy Ohtake, Vera Lucia Domschke e Francisco Petracco sugeriram uma fábula com sua infalível moral da história.

how to quote

GUERRA, Abilio. Uma fábula sobre Vilanova Artigas. Um texto mentiroso para uma história verdadeira. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 184.03, Vitruvius, abr. 2017 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.184/6497>.


A dedicada filha do arquiteto folheia os livros velhos e usados do pai. As anotações marginais ao texto, pequenas e cifradas, algumas em línguas estrangeiras, permitem rastrear o que leu e como assimilou. Filosofia em especial, mais do que arquitetura. E muitas dedicatórias, algumas sérias, solenes, outras brincalhonas, como a de um físico dublê de crítico de arte: “Esse livro é muito pior do que pode parecer à primeira vista”. Fecha o volume, passa as mãos lentamente sobre ele para retirar uma poeira imaginária, convoca lembranças pessoais e coletivas de uma passagem fugaz pela vida, mesmo que duradoura, condição de todos nós, mas que deixou histórias com sentido, com moral, como as fábulas.

A obra

Era uma vez um arquiteto que adorava construir. Em uma bela tarde, acompanhado de um experiente engenheiro calculista e de um jovem estudante, embarca no carro velho e ruma para bairro distante. O sol já se punha quando chegam ao destino. As luzes dos faróis do automóvel revela no breu uma construção de concreto à vista apoiada em apenas quatro apoios, com rampas articulando as lajes dispostas em meios pisos. O engenheiro olha orgulhoso a obra livre das formas de madeira recém retiradas e lhe ocorre que o descimbramento é um momento de suspense maior do que um filme de mistério. Com riso de satisfação revelando os dentes travados, o arquiteto faz uma auto-exaltação: “acaba de ficar pronta a casa moderna de nossa província”. O estudante observa e guarda a lição para a vida.

O escritório

No dia seguinte, logo cedo, o arquiteto que adora construir se posta diante da prancheta e começa a projetar. Com lapiseira de grafite 6B faz traços sobre o papel, articula espaço e estrutura, puxa detalhes no canto do papel, observa os rabiscos, medita com o queixo apoiado na palma da mão e o cotovelo encravado sobre o tampo da mesa, retoma as linhas, para e continua... Chama uma estagiária, sua aluna no curso de Arquitetura e Urbanismo, a quem conhece desde pequena, quando transformou as garatujas do pai em um projeto exemplar de residência. Coisa de amigo, de companheiro, de camarada. A menina atende de pronto, ouve com atenção as recomendações e começa a passar a limpo os croquis do arquiteto usando tecnígrafo, esquadros, compasso, escala. Sabe que terá que fazer mais do que uma vez, pois a primeira versão nunca passa pelo crivo exigente do chefe. Mas sabe também que ele explicará cada detalhe, como desenvolver corretamente a ideia, uma aula só para ela, impossível de se ter na escola. A porta se abre e entra um rapaz risonho e comunicativo, acompanhado de outro, da mesma idade, mais introspectivo. Ingressaram juntos no curso de arquitetura, mas o primeiro abandonara a escola para se dedicar ao teatro. Tinha passe livre no escritório – o arquiteto havia projetado a casa onde crescera, era amigo do seu pai – e trazia o ex-colega para mais uma conversa sobre arquitetura. Mesmo estudando na escola rival, o estudante introspectivo poderá dizer no futuro, quando for arquiteto dono de obra consistente, que foi aluno do mestre.

A escola

O arquiteto que adora projetar e construir gosta muito de ensinar. Enquanto lá fora, do outro lado dos muros da universidade, o Reino vive anos de ebulição social e política, o arquiteto dublê de professor se coloca a missão de organizar a Tese de Graduação Interdisciplinar – o TGI. Naquela tarde, depois de passar a manhã no escritório, chega especialmente animado, sem ainda saber que era seu último dia no ateliê do quinto ano. Dispõe os alunos em roda e pergunta a cada um “qual é sua tese?” Diante das respostas, indica a bibliografia específica e geral – a geral é em regra a mais importante em sua avaliação, pois conecta o aluno com o pensamento crítico, fundamental para atuar na sociedade. Para animá-los, mostra alguns dos livros que está lendo e exibe com sorriso satisfeito as páginas lidas e anotadas. Se ele, professor e arquiteto renomado, estuda com dedicação, por que os meninos não o fariam também? As conversas semanais estão apenas começando, faz um mês e meio que iniciou o ano letivo. Afobada, sem se desculpar, entra uma funcionária sacudindo uma folha de papel com timbre e texto datilografado. O professor pega o documento e lê seu conteúdo com atenção. Lê e relê por diversas vezes. “Eu acabo de ser aposentado compulsoriamente” – diz, cortando o silêncio constrangido dos alunos – “não sou mais professor de vocês”. A um dos alunos ocorre que a possibilidade fantástica de participar dessas conversas e desenvolver seu trabalho ao longo de um ano já não se cumprirá.

A festa

A porta se abre pela enésima vez e retardatários entram na festa que já rola solta, com o vozerio estridente ecoando pelos espaços integrados de salas e varanda. Grupos aqui e acolá, misturando arquitetos, artistas, intelectuais, políticos. Eufóricos, os jovens estudantes comentam a maquete que estão terminando do pavilhão brasileiro para exposição internacional no extremo oriente. Estavam incumbidos do terreno ondulado, que abriga atividades no subsolo e sustenta a estrutura arrojada de concreto armado que esvoaça em vão imenso. O autor da obra prima, jovem promissor, vinha da outra escola, mas já estava totalmente atrelado às novas ideias e sua obra era um elogio ao mestre. O arquiteto que gosta de projetar, de construir e de ensinar, anfitrião da festa e autor da casa onde mora com esposa e casal de filhos, se posta diante do piano e pergunta quem toca o instrumento. Se apresenta um jovem estudante, nissei, tímido, que ouve com atenção o que murmura o professor em seu ouvido. Os dedos tocam as teclas com destreza e as músicas do cantor e compositor carioca que encarna o samba preenchem o ambienta com ginga e alegria, acompanhadas pelo canto miúdo do arquiteto, logo seguido pelo coro dos convivas. O arquiteto circula entre os amigos cantarolando no ritmo da música. Seu sorriso não esconde o olhar grave diante da tragédia pessoal que acaba de lhe acometer. Sem saber que o pior ainda está por vir – o exílio e a escassez de trabalho – serve da garrafa que traz nas mãos vinho aos convidados mais próximos. E a todos, palavras de conforto: “isso passa, isso vai passar...

nota

NA – Essa pequena fábula é baseada nos depoimentos de Rosa Artigas, Paulo Mendes da Rocha, Marcos Acayaba, Ruy Ohtake, Vera Lucia Domschke e Francisco Petracco por ocasião do lançamento do livro Vilanova Artigas – casas paulistas, de Marcio Cotrim, edição da Romano Guerra Editora, que aconteceu no dia 6 de abril, quinta-feira, das 19h às 22h, no IAB-SP. Foi apresentado aos convidados o convite para comentarem situações compartilhadas com Vilanova Artigas, que pudessem apresentar ao público seu modo de ser mais cotidiano. O texto omite os personagens e adultera a ordem cronológica fundindo fatos de épocas diferentes com a finalidade de se apresentar a “moral da história”, como toda fábula.

sobre o autor

Abilio Guerra é professor de graduação e pós-graduação da FAU Mackenzie e editor, com Silvana Romano Santos, do portal Vitruvius e da Romano Guerra Editora.

comments

184.03 lançamento
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

184

184.01 exposição

Kirchgässner, um modernista solitário

Salvador Gnoato

184.02 evento

Modernidades amazônicas

Sobre o II Seminário de Arquitetura Moderna na Amazônia

Patrícia Orfila Barros dos Reis

184.04 filme

Arquitetura e resistência em Aquarius

Roberto Bottura

184.05 livro

O último céu

Milton Hatoum

184.06 livro

A capacidade de “escutar” o monumento

O limite entre a criatividade projetual do novo e a conservação do antigo na obra de Giovanni Carbonara

Patricia Viceconti Nahas

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided