Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

agenda cultural

A mostra coloca em questão as políticas atuais de verticalização da cidade, discutindo o desenvolvimento imobiliário brutal e crescente da cidade de São Paulo

A exposição do coletivo internacional AVAF traz um discurso inspirado no desenvolvimento imobiliário brutal e crescente na cidade de São Paulo. A mostra coloca em questão as políticas atuais de verticalização da cidade. As políticas tem sido implementada sem cuidados mínimos ligados à infra estrutura dos bairros - edifícios de 30 andares são erguidos em àreas sem transporte de massa próximo, sem cuidados com os efeitos no trânsito local, sem criação de mais áreas verdes, etc. e a cidade explode.

“Não sei se essa expo é uma homenagem à cidade ou um estatuto de ódio aos seus problemas que nunca se resolvem e a cada ano ficam mais infernais” diz Eli Sudbrack.

Na mostra, uma das peças centrais que exemplificam esses sentimentos é a escultura “Big Ben” - uma homenagem a um estabelecimento homônimo encontrado no "Baixo" Augusta - uma área que possivelmente perderá suas características atuais muito em breve, local conhecido pelos locais de diversão dos mais variados tipos (estabelecimentos de strip-tease, boites, puteiros, etc).

Vários de seus prédios, inclusive edificações históricas, são demolidas para dar lugar a mega torres, condomínios fechados, de arquitetura de gosto e qualidades extremamente duvidosos. As grandes coorporações e incorporadoras sequestraram a nossa cidade. O baixo augusta como ainda é conhecido hoje é uma área de integração social e urbana, mesmo que hedonista, é a representação de uma identidade específica de São Paulo. As mega torres ameaçam dizimar essa característica.

O Big Ben é o nome de uma casa de strip tease do baixo augusta, é o único imóvel que restou de pé - todos os outros imóveis deste bloco foram demolidos. O coletivo recria na Casa Triangulo uma mini versão da entrada deste estabelecimento, uma homenagem à sua resistência frente à exploração imobiliária selvagem. O tamanho diminuto confere um approach lúdico ao trabalho, uma espécie de altar/ode ao estabelecimento.

No piso principal da galeria o AVAF mostra três outros trabalhos ligados a esse tema.

O primeiro grupo são as “Transgeometricas”. Há anos o coletivo usa a imagem da travesti/transexual como símbolo da mudança, ou o medo dela. O conceito "trans" atua como desafiador do status quo e também como uma espécie de cavaleiras do apocalypse. As obras “Transgeométricas” são criadas a partir de pedaços de corpos com caráter surrealista nos quais, muitas vezes, bocas saem de seios com olhos, por exemplo.

Os corpos se unem a elementos geométricos, criando figuras supra sexuais, que remetem a um corpo futurista híbrido de geometria e travesti. As transgeometricas são uma homenagem à identidade (histórica) de São Paulo, obviamente ao baixo augusta.

As partes geométricas são uma homenagem a tradição construtivista da cidade, e à paisagem urbana de São Paulo. As obras também são influênciadas por elementos geométricos do construtivismo russo, do movimento stijl e da arquitetura de Théo Van Doesburg, trazendo um novo sentido e novas perspectivas a arte, a arquitetura e a vida coletiva.

O segundo grupo está intutulado como Mesas Calçada. Este projeto é uma colaboração com artista turco baseado em Berlim Yusuf Etiman, que durante residência artística em São Paulo, documentou o mismatch dos ladrilhos hidráulicos (calçadas) com a imagem do Estado de São Paulo. Com esse material foram criadas mesas de diferentes alturas e diferentes tamanhos, que serão empilhadas na galeria.

O terceiro elemento é uma pintura de parede inspirada nos alfabetos usados pelos pixadores de São Paulo - um forte símbolo de revolta urbana para o coletivo, um símbolo de violência contra a própria violência desta cidade. Aidéia é "pixar" as paredes da galeria usando palavras (muitas vezes estrangeiras) usadas nos anúncios dos empreendimentos imobiliários novos do tipo: Feel, Think, Sao Paulo/London, Sp-Ny, Art, Jardins, Concept, Passione, New Age, Privilegio, Near, Sofisticacao.

sobre o coletivo 

O coletivo AVAF (assume vivid astrofocus) já se apresentou em algumas das mais importantes instituições do mundo, como no MoMA, no The New Museum, no The Whitney Museum, no MOCA Cleveland e no MCA Chicago, além de Bienais como Whitney Biennial e Bienal de São Paulo. O AVAF deu roupagem contemporânea ao Tropicalismo e pôs o mundo inteiro para sambar com suas instalações criadas em neon, animações psicodélicas, geometrias lisérgicas, máscaras, fotografias, colagens artesanais e digitais

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

AVAF [divulgação]

Casa Triângulo recebe a exposição "alisabel viril apagão fenomenal" do coletivo AVAF

happens
from 04/04/2013
to 04/05/2013

more
terça a sábado das 11 às 19 horas

where
Casa Triângulo
Rua Paes de Araujo 77 - Itaim Bibi
São Paulo SP Brasil
Terça a sábado das 11 às 19 horas
(11) 31675621
e-mail

source
Tiago Santos - assessoria de comunicação
São Paulo SP Brasil

share


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided