Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news


Prêmio bim.bon casa brasil

A 1ª edição do prêmio bim.bon casa brasil convocou estudantes e profissionais para apresentarem propostas de habitação social, conciliando qualidade espacial e técnicas construtivas inovadoras com baixo custo. Foram recebidos 56 projetos de todas as regiões do Brasil, 30 na categoria estudante e 26 na categoria profissional. Todos os projetos apresentaram orçamento básico, o que foi considerado um avanço relevante em relação à prática comum em concursos e projetos de arquitetura.

A comissão julgadora se reuniu em março de 2012, em Belo Horizonte, e elegeu um premioado em cada categoria. Dada a grande quantidade de propostas de boa qualidade, foram dadas 4 menções honrosas na categoria estudantes e 5 menções honrosas na categoria profissionais.

O prêmio bim.bon casa brasil foi realizado pelo bim.bon e pelo iab mg, e acontecerá anualmente, com a proposta de fomentar a discussão da habitação de qualidade aliada à razoabilidade financeira.

Comissão Realizadora

Cláudia Pires (IAB MG)
Rose Guedes (IAB MG)
Leandro Araújo (bim.bon)
Roberto Andrés (bim.bon)

Comissão Julgadora

Demetre Anastassakis
Maria Elisa Baptista
Roberto Caldeira Jr. – Diretor de Habitação do IAB-MG
Sotter Gouveia – CEF GIDUR/BH

Critérios de Premiação

Os critérios de avaliação adotados foram definidos a partir de discussão entre os membros da comissão, privilegiando a qualidade da arquitetura produzida associada à aplicação do bim.bon como ferramenta de custo básico. Desta forma, a apresentação de orçamento tornou-se obrigatória para a premiação, ainda que por si só não seja critério de qualificação do trabalho.

1) Proposta Arquitetônica – Peso 5

- Qualidade espacial: articulação, ambientação, integração, composição;
- Inserção Urbana: apropriação do terreno, flexibilidade, adequação. Obs: nem todos os trabalhos propõem intervenção em um terreno específico;
- Atendimento aos requisitos mínimos do MCMV: área útil mínima e máxima (considerando o público alvo), acessibilidade, mobiliário básico.

2) Baixo Custo – Peso 3

- Manejo de custos: adequação de orçamento em relação à solução proposta, formação de preços;
- Atendimento aos requisitos mínimos do MCMV: limites orçamentários (considerando o público alvo).

3) Técnicas Construtivas Inovadoras – Peso 2

- Sustentabilidade construtiva;
- Replicabilidade da proposta;
- Atendimento aos requisitos mínimos do MCMV: durabilidade, possibilidade de industrialização da tecnologia adotada (se for o caso), custo.

Premiações

Premiação Estudantes

Casa pátio em Mogi das Cruzes
Ronaldo Amaro | Orientador: Elvis José Vieira

PARECER: A proposta trabalha a habitação de forma adequada do ponto de vista do edifício e de sua inserção. O projeto permite uma possibilidade de ampliação sem a geração de custos iniciais, a partir do aproveitamento das lajes-terraços para futuras ampliações.  A proposta de dispor quarto e banho no térreo soluciona a questão da acessibilidade exigida pelo MCMV, ainda que o banheiro possua problemas de layout, facilmente adequáveis. A possibilidade de geração de pátios internos gera uma nova espacialidade bastante rica. O fato de não existir uma preocupação em propor soluções construtivas alternativas é compensada pela boa qualidade da arquitetura.

Menções Honrosas Estudantes

Conjunto habitacional em Juiz de Fora
Eduardo Fontainha Henriques, Leonardo Sanches | Orientador: Frederico Halfeld

PARECER: Boa solução arquitetônica associada a uma leitura madura do local de inserção e seus condicionantes. A proposta tipológica de duplex inviabiliza as exigências atuais do MCMV de acessibilidade em todas as unidades, ainda que o projeto contemple um número de unidades para pessoas deficientes. O pátio central comum a todas as unidades valoriza o conjunto, assim como a possibilidade de área privativa para cada unidade.

ADN Nucleobases
Rodrigo Waihiwe | Orientador: Fabricio Fontenelle

PARECER: Especulação de técnicas abordada em praticamente em todas as fases construtivas são o destaque desta proposta. Bom manejo de custos mesclando a base de dados do Bim.bon com orçamento das demais etapas de obra não previstas pelo plugin. A adoção de uma tipologia acessível específica vai contra as exigências atuais do MCMV para acessibilidade em todas as unidades.

Módulo social
Edgar Steffens, Pedro Arthur Camara, Gustavo Einloft, Rodrigo Petersen | Orientador: Paulo Ricardo Bregatto

PARECER: A proposta de um módulo básico a ser utilizado tanto como unidade individual como moradia coletiva foi bem pensada, permitindo um arranjo conforme condições diversas de terreno, ainda que os autores não apresentem este tipo de implantação no trabalho. Ao custo apresentado utilizando o Bim.bon será acrescido o valor da estrutura metálica, sistema estrutural proposto, que pode tornar o projeto um pouco oneroso para o MCMV.

Casa Engajada
Larissa Ricardo do Amaral Lopes, Paulo Gustavo de Araújo Perini, Robson Martins Leão | Orientador: Camilo Vladimir de Lima Amaral

PARECER: O trabalho apresenta uma racionalização construtiva associada a uma boa organização espacial. A possibilidade de arranjos dos ambientes é bastante variada, ainda que a proposta obrigue à construção de lajes antes da própria ampliação, o que onera o custo final da obra. A solução da planta em duplex prejudica a acessibilidade do projeto, exigida pelo MCMV. Bom manejo dos recursos de orçamento.

Premiação Profissionais

Vila em Rio das Pedras
Luiz Marino Kuller

PARECER: A proposta apresentada, dentro das exigências do MCMV, apresenta um projeto muito "replicável" por ser um programa muito solicitado, e consegue resolver 2 moradias geminadas rebatidas em um lote muito comum nas cidades brasileiras. Devido ao fato de ser flexível, permite não só enfrentar seus problemas, como embora seja replicável, o é em doses incrementais, aos pouquinhos, em terrenos diferentes, o que permite que o arquiteto possa empreender, o que de qualquer modo só dá pra acontecer utilizando tecnologia convencional. O trabalho explora de forma consistente o uso do Bim.bon associado a composições complementares de orçamento, dentro dos limites do MCMV.

Menções Honrosas Profissionais

Casa 3³
Frederico Andre Rabelo

PARECER: Proposta com bom domínio de tecnologia em perfil leve, associada ao uso do tijolo de solo-cimento como componente hidráulico. Boa especulação construtiva e espacial, como a ampliação da área de varanda através. O uso de revestimento de vedação em telha metálica encontra restrição de uso pela CEF, mas vale como especulação tecnológica. Bom manejo dos custos através do Bim.bon, incluindo os itens personalizados. Falta uma maior preocupação com a acessibilidade do projeto.

Habitação de interesse social
Caroline Luisa Santos Teixeira

PARECER: Muito boa proposta enquanto especulação do processo de industrialização da moradia, com o design de kits para serviço. A espacialização produzida por tais possibilidades se mostra bastante interessante. Os vazios surgidos desta organização, no entanto, encarecem o custo final da obra. A forma de inserção do projeto em terrenos diversos também é bastante rica em possibilidades, ainda que o trabalho mostre uma implantação em sua solução mais simplificada: em um terreno plano.

CASA 3x4 : retrato do brasil
Adriano Mattos Corrêa, Ivie Zappellini

PARECER: Bom desenvolvimento do trabalho sob o ponto de vista da arquitetura bioclimática. A organização espacial em módulos verticais impede a construção parcial proposta, se observadas as exigências do programa mínimo estabelecidas pelo MCMV. Da mesma forma, a verticalização dificulta uma boa condição de acessibilidade, sendo o módulo acessível disponível para a fase vovô/vovó. Por outro lado, a especulação construtiva é bastante interessante, com o uso de estrutura de portes de iluminação pública e estrutura metálica em perfil leve. Bom domínio do Bim.bon, incluindo itens personalizados.

Conjunto habitacional de interesse social sustentável
Bruno Souza do Nascimento Sitta

PARECER: Interessante especulação espacial, com grande variedade de tipologias baseadas no arranjo dos módulos propostos. A utilização de módulos hidráulicos também favorece a distribuição dos layouts. Estes arranjos proporcionam uma espacialidade externa que pode ser bem rica quando terrenos de maiores dimensões. No entanto, a volumetria não apresenta a mesma riqueza demonstrada em planta. A proposta não demonstra o uso do Bim.bon, o que impede uma melhor avaliação do custo da unidade (ou módulos). Ainda assim, vale como especulação projetual.

Conjunto Apóstolo Pedro
Beatriz Weber Fideles, Pedro Kiyoshi Camargo Nakamura

PARECER: rabalho bastante maduro do ponto de vista da apropriação do terreno, com preocupações relevantes em relação à ocupação do solo edificado e das áreas não construídas. Bom entendimento das exigências estabelecidas pelo MCMV, ainda que o projeto não apresente uma planta de pavimento com as condições de circulação vertical, mas sim das tipologias isoladas. Uso de soluções construtivas convencionais que poderiam ser mais investigadas.

Resultados do Prêmio Bim.Bon Casa Brasil

source
Roberto Andrés
Belo Horizonte MG Brasil

share


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided