Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

Símbolo de degradação São Paulo, Minhocão recebe dez parques verticais implantados em seu entorno até o fim de 2016 e criando um corredor verde.

O Elevado Costa e Silva, mais conhecido como Minhocão, é um dos principais símbolos da degradação da maior metrópole brasileira. Caracterizada pela forte densidade populacional e pela limitada presença de verde, a região padece não só com o trânsito de mais de 80 mil carros pela avenida, alto nível de poluição e barulho. Existem 140 empenas cegas ao longo de toda a extensão da via, que juntas poderiam abrigar 58.000 m² de área verde. Nesse contexto, o Movimento 90º criou o projeto do Corredor Verde do Minhocão em 2013.

Ainda em fase de implementação, com cinco paredes já concluídas e duas em construção, a  intervenção propõe um projeto piloto de dez parques verticais construídos em grandes empenas ao longo da via até o fim de 2016. O objetivo é o plantar 8.000 m² de verde com parques verticais, que além do impacto visual, melhoram a qualidade do ar, reduzem o calor e minimizam a poluição sonora na região.

“Melhorar a condição ambiental das habitações da região é contribuir para condição de vida dos moradores. A melhoria ambiental promove um impacto social”, afirma Guil Blanche, paisagista e idealizador do Movimento 90º. Além do emblema sócio-ambiental, o Corredor Verde traz um forte elemento cultural. Pensado em democratizar o capital cultural da cidade de São Paulo, a composição do desenho de cada parque é desenvolvida por um artista contemporâneo diferente, como Daniel Steegmann, Mangrané, Pedro Wirz e Renata De Bonis.

Uma vez formada a sequência de parques verticais, o Corredor Verde do Minhocão será o primeiro do gênero no mundo e pretende impulsionar a transformação de mais vias artérias em São Paulo e outras metrópoles.

Edifícios

1. Edifício Huds - Inaugurado (19 de setembro de 2015)

• Rua Helvétia, 965

• Artista: Matthew Wood

• 302 m²

• 29 espécies de plantas - 6342 mudas

• Empresa responsável: WTorre

2. Edifício Santa Cruz - Inaugurado (23 de janeiro de 2016)

• Rua Sebastião Pereira, 98

• Artista: Daniel Steegman Mangrané

• 561 m²

• 18 espécies de plantas - 11781 mudas

• Empresa responsável: Tishman Speyer

3. Edifício Santos – Inaugurado (12 de março de 2016)

• Avenida São João, 1728

• Artista: Renata De Bonis

• 176 m² de vegetação

• 6 espécies de plantas - 3696 mudas

• Empresa responsável: Tishman Speyer

4. Edifício Santa Filomena ( 24 abril 2016)

• Rua Amaral Gurgel, 148

• Artista: Pedro Wirz

• 640 m² de vegetação

• 3 espécies de plantas - 13440 mudas

• Empresa responsável: Tishman Speyer

5. Edifício Mackenzie

• Rua Maria Borba, 40

• Artista: Guil Blanche

• 316 m² de vegetação

• 21 espécies de plantas – 8032 mudas

• Empresa responsável: Tishman Speyer

6. Edifício Minerva  (em andamento)

• Rua Amaral Gurgel, 157

• Artista: Christopher Page

• 2000 m² de vegetação

• 13 espécies de plantas - 42000 mudas 

• Empresa responsável: Tishman Speyer

7. Edifício Bonfim

• Rua General Júlio Marcondes Salgado, número 4

• Artista: Paulo Monteiro

• Empresa responsável: Tishman Speyer

MOVTO 90º, Ed Santa Cruz<br />Foto Felipe Gabriel

MOVTO 90º, Ed Santa Cruz
Foto Felipe Gabriel

Movimento 90º

source
Victor Santos / Agencia Grao
São Paulo SP

share


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided