Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

A obra Viúva Negra, de Alexander Calder (1898-1976), que esteve na sede do IAB desde 1954, estará exposta na Praça do IMS Paulista desde a abertura dia 20 de setembro.

Viúva Negra é um dos maiores móbiles de Calder, com 3,5 metros de altura e 2 metros de comprimento. A escultura, protegida como Patrimônio Cultural e Artístico Federal, Estadual e Municipal, foi recentemente restaurada, por ocasião de uma retrospectiva do artista na Tate Modern, em Londres, em 2016. A obra, criada em 1948, foi exposta no Brasil duas vezes neste mesmo ano: no Masp, em São Paulo, e no Ministério da Educação, no Rio de Janeiro. Posteriormente, foi doada pelo artista ao IABsp, em 1954, como forma de agradecimento ao apoio do Instituto durante as exposições. 

Por meio de um contrato de comodato, o IMS assegura a conservação e o seguro do móbile, além de sua exposição permanente aberta ao público.

A parceria do IMS com o IABsp se desenvolverá em várias frentes. A intenção é realizar colaborações e atividades conjuntas, como mostras de cinema sobre questões urbanas com sessões seguidas de debates (a primeira deve acontecer no primeiro semestre de 2018), cursos e oficinas, trabalhos de pesquisa com o acervo fotográfico que podem desdobrar-se em exposições, e a participação do IMS na Bienal de Arquitetura organizada pelo IABsp.

No dia 29 de setembro, às 10h, acontece o primeiro evento conjunto, uma mesa para debater a produção e os desafios da arquitetura contemporânea em São Paulo.

Sobre o artista 

Alexander Calder nasceu nos Estados Unidos, em 1898. Estudou engenharia e artes. Em 1926, após visitar a Grã-Bretanha, fixou-se em Paris, período em que entrou em contato com a vanguarda abstrata no campo da pintura e da escultura. 

Calder criou a sua primeira escultura cinética em 1931, movida a manivelas e motor, apelidadas por Marcel Duchamp de "mobiles", por serem móveis. Logo o escultor abandonou as formas mecânicas, quando percebeu que poderia fazer obras movidas por correntes aéreas.

O artista esteve três vezes no Brasil: em 1948, 1959 e 1960. Sua proximidade com o país se deu graças à amizade do artista com o arquiteto Henrique Mindlin.

<br />Foto Maria Clara Villas  [Instituto Moreira Salles]


Foto Maria Clara Villas [Instituto Moreira Salles]

Parceria entre IABsp e IMS traz obra de Calder para o IMS Paulista

source
IABsp
São Paulo, SP

share


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided