Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

Pensando em novas formas de conexão, emocionantes e engajadas, lançamos hoje a primeira newsletter da série bienal em casa

Ao longo de mais de 50 anos, a Fundação Bienal já enfrentou tempos difíceis e incertos. Acreditamos que, em momentos como esses, a arte é mais necessária do que nunca.Queremos, com isso, contar um pouco da nossa história e aqueles que nos inspiraram.

Seguimos em contato assim, digitalmente, até podermos estar juntos de novo.

Tour Virtual

Por meio da página Google Arts & Culture, podemos visitar as últimas edições da Bienal de São Paulo. Relembre a obra "Dois pesos, duas medidas" (2016), de Lais Myrrha na 32ª Bienal. A artista construiu duas torres com as mesmas dimensões, uma feita de materiais empregados nas construções indígenas e, a outra, daqueles usados nas edificações típicas brasileiras. Para Myrrha, a arte é uma possibilidade de se lançar em zonas de instabilidade, em situações nas quais o familiar se torna estranho e a lógica convencional parece falhar.

Confira tour virtual.

História / Design

Poster da 1ª Bienal de São Paulo

Criado por Antônio Maluf, o cartaz da primeira Bienal de Arte de São Paulo é considerado um marco no design gráfico moderno brasileiro. Ondas partem do núcleo formado pelo retângulo branco, gerando um movimento ótico de contínua expansão.

“Entendo que o cartaz teve muita importância na divulgação da arte concreta porque sua função foi dupla: não só enunciava, como também anunciava todo um processo no qual o suporte vinha a ser o problema. No cartaz não estava se transportando nada; dizia ele: isso sou eu, um retângulo.”

fonte: Cf. Barros, Regina Teixeira de, BANDEIRA, João. Arte Concreta Paulista. São Paulo, Cosac Naif, 2004

Saiba mais.

Instagram Bienal

Nascido em Barreirinha no Amazonas, o poeta Thiago de Mello completou recentemente 94 anos. Em 1965, lançou seu livro de poemas “Faz escuro mas eu canto”. Esse verso deu título à 34ª Bienal de São Paulo. Em sua correspondência curatorial, publicada na íntegra em nosso site, Paulo Miyada explica a escolha: “Decidimos chamá-la Faz escuro mas eu canto. Porque estamos em tempos escuros. E o escuro em que estamos é feito. Porque queremos olhar para esse escuro, olhar nesse escuro. Deixar que as pupilas se dilatem para capturar a luz que ainda há e começar a delinear vultos nas sombras. Porque o escuro não é sólido e insondável’’.

Acompanhe no Instagram

<br />Foto Sailko  [Wikimedia Commons]


Foto Sailko [Wikimedia Commons]

Bienal de SP

source
Fundação Bienal de São Paulo
São Paulo

share


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided