Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

bookshelf

Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero

Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero

A segregação urbana da prostituição em Campinas

Diana Helene Ramos

Annablume, São Paulo; 1ª edição, 2019

edition: português
paperback
340 p
16 x 23 cm
ISBN 978-85-391-0957-9

Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero

about the book

A história e as representações acerca do bairro de prostituição Jardim Itatinga demostram como se organizam diferentes territórios prostitucionais na cidade de Campinas, Estado de São Paulo, Brasil. A “Zona” foi planejada pelo poder público, na década de 1960, e, desde então, tornou-se o lugar da prostituição na cidade. Essa política de segregação resultou na perseguição das prostitutas que, contudo, persistem trabalhando fora dali. Entre suas estratégias de proteção e permanência, a mais expressiva é a fundação da Associação Mulheres Guerreiras, localizada no centro da cidade.

O livro examina, portanto, as tensões, os conflitos, as táticas e as estratégias de um grupo social historicamente estigmatizado e com forte presença em áreas urbanas centrais, face às intervenções do planejamento urbano. Sua circulação nos diferentes locais de prostituição em Campinas, suas estratégias para o estabelecimento de “pontos” de permanência em espaços não planejados oficialmente para sua presença, suas redes e articulações com outros pares “desviantes” e, principalmente, suas táticas de resistência à expulsão e luta por reconhecimento são objetos de atenção. Busca-se compreender como se estrutura, nos espaços físicos e políticos da cidade essa disputa particular – marcada por recortes de classe, de raça e especialmente de gênero – que tem a prostituição como foco de interesse.

Pretende-se, por fim, possibilitar o vislumbramento de uma organização urbana generificada que se justifica em discursos ora sanitários, ora econômicos, ora morais e cuja história registra a constante tensão entre o planejamento urbano oficial e os habitantes da cidade, com suas reivindicações pelo direito a nela existirem.

Baseado na tese “‘Preta, pobre e puta’: a segregação urbana da prostituição em Campinas: Jardim Itatinga” (2015, IPPUR-UFRJ), ganhadora do Prêmio Capes de tese 2016 em planejamento urbano e regional.

about the author

Diana Helene Ramos
Arquiteta (Unicamp), mestre em Planejamento Urbano e Regional (FAU USP), doutora em Planejamento Urbano e Regional (IPPUR UFRJ) e professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

how to quote

RAMOS, Diana Helene. Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero. A segregação urbana da prostituição em Campinas. São Paulo, Annablume, 2019.

comments

Mulheres, direito à cidade e estigmas de gênero

resenhas desse livro
por João Soares Pena

outros livros

share

magazines

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided