Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930


abstracts

português
Veja o ensaio fotográfico de Cristiano Mascaro cujas imagens mostram ângulos de cidades, frações pertencentes a lugares variados, muitos dos quais passamos todos os dias sem reparar, que o fotógrafo capta ao caminhar

english
See the photo essay by Cristiano Mascaro whose images show different angles of the cities that usually go unnoticed; the photographer captures them while walking

español
Vea el ensayo fotográfico de Cristiano Mascaro cuyas imágenes muestran ángulos de ciudades, muchos de los cuales pasamos por su lado todos los días sin darnos cuenta, que el fotógrafo capta al caminar


how to quote

MASCARO, Cristiano. Fotografar como caminhar. Arquiteturismo, São Paulo, ano 03, n. 026.01, Vitruvius, abr. 2009 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/03.026/1509>.


Por um bom tempo orgulhei-me de possuir todas as paisagens possíveis.
Rimbaud

Cristiano Mascaro caminha pelas cidades com seu equipamento, câmara e tripé, observando, espreitando, esperando, procurando não sabe bem o quê, até que finalmente encontra: a silhueta monumental de uma construção isolada num arrabalde qualquer, as sombras longas largadas por carros e caminhões que, vistos do alto do viaduto, vão em fila desaparecendo na rodovia, o ritmo miúdo e sincopado das luzes se acendendo no anoitecer da metrópole transformando-a numa maquete, a névoa de poluição que faz da paisagem do aglomerado acidentado e cinza de prédios um mosaico, entre tantas outras imagens das quais agora, na Galeria Nara Roesler, ele nos apresenta apenas uma pequena parcela, tornada menor ainda por se limitar a ângulos de cidades, frações fascinantes pertencentes a lugares variados, muitos dos quais passamos todos os dias mas sem reparar, porque nunca estamos atentos e porque aquilo que vemos do interior de carros e ônibus é muito diverso do que se vê caminhando.

O ato de caminhar consiste no método de Cristiano Mascaro, o meio pelo qual ele experimenta, vivencia a cidade, percebe-a em seu próprio corpo, conhece-a a fundo, pressentindo os momentos exatos em que alguns de seus segredos se revelam, o que inclui situações atmosféricas precisas, decorrentes da conjunção entre hora e luz exatas, e que tanto pode ser com o céu nublado ou de noite ou depois da chuva, quanto com o sol a pino; os momentos agudos em que a cidade, a maneira de uma retribuição, abre-se para o fotógrafo, enquanto que para nós, indiferentes, ela prefere manter-se como enigma.

Nosso fotógrafo peregrina pelas cidades do mundo, qualquer seja ela, de metrópoles a pequenas cidades mortas, ou simplesmente para o centro de São Paulo, cidade inesgotável como as outras mas na qual ele cresceu, estudou e trabalha, embora há muitos anos prefira viver num sítio retirado próximo a ela. Essa prática ambulatória exige muita paciência. Como exemplo disso, vale lembrar o longo período em que ele, interessado nos cânions existentes na região central de São Paulo, foi se hospedando semanalmente em hotéis diferentes, uma a duas noites em cada um deles.

A ideia era menos pesquisar suas imediações, tomar intimidade com elas, do que conferir a paisagem entrevista em suas coberturas e janelas mais altas, as ravinas estreitas e abissais produzidas pelos edifícios, margens escarpadas dos rios secos das ruas por onde escorre o tráfego perpétuo do cardume de carros.

O deslocamento vertical é um dos vetores preferenciais da movimentação de Cristiano Mascaro, uma exploração minuciosa dos pontos de vistas oferecidos pela infinidade de ruas e edificações construídas em obediência às variações próprias dos terrenos em que estão assentados, além daqueles mais artificiais, existentes graças às retificações abruptas, as movimentações de terra radicais, como as retificações que “endireitam” o desenho sinuoso dos rios. O resultado disso se traduz desde as imagens monumentais em que empenas de prédios e casarios são capturados de baixo para cima, impondo-se a nós, até as imagens vertiginosas que se descortinam das cotas mais altas, dos topos dos arranha-céus, e que, convertidas em foto, obtêm o curioso efeito de miniaturizarem o mundo.

No meio disso há aquilo que se vê quando se atravessa passagens e pontes mais ou menos elevadas, o horizonte emparedado por prédios, o trem do metrô mergulhando no coração nublado da megalópole, o efeito ascensional obtido na fachada do edifício de escritório, desencadeado pelo intervalo regular das faixas escuras das lajes em contraposição aos feixes paralelos e verticais das lâmpadas fluorescentes.

O corpo do fotógrafo é um poderoso aliado no escrutínio do corpo da cidade. Caminhando ele avança por suas frestas e interstícios, até o ponto das imagens claustrofóbicas de paredes e muros, e afasta-se aos limites, às bordas das cidade, às linhas tênues que as separam da natureza.

[texto de Agnaldo Farias]

sobre o autor

Cristiano Mascaro, fotógrafo profissional, foi repórter fotográfico da revista Veja. Em 2007 ganhou o maior prêmio no projeto Porto Seguro de Fotografia pelo conjunto de sua obra, a sua individual “Cidades reveladas” passou pelo Centro Cultural Correios, no âmbito do evento FotoRio – Rio de Janeiro, RJ, pelo Museu de Arte Sacra, em Belém, PA e pela Galeria ArtLounge, em Lisboa

comments

026.01 Fotografia
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

026

026.02 Roteiro de viagem

Chandigarh, o moderno e o milenar

Julia Bussius and Nelson Barbieri

026.03 Entrevista

O historiador e seus passeios a pé

Roney Cytrynowicz

026.04 Visita arquitetônica

Primavera em Berlim

Haifa Yazigi Sabbag

026.05 Na estrada

Melbourne para todos

Sonia Manski

026.06 Arquitetura turística

Fundação Caixa Galícia em La Coruña

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

026.07 Exposição

Caminho de Santiago na Galícia

Paloma Varón

026.08 Editorial

Cidades (re)viradas

Abilio Guerra and Michel Gorski

026.09 Ministério do Arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte

Michel Gorski

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided