Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Museu de Niterói e paisagem do Rio de Janeiro. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Um ano depois da reforma, a praça se consolida como um espaço plural. Um vídeo de um minuto demonstra a apropriação pelos diversos públicos ao longo de um fim de semana.


how to quote

CALLIARI, Mauro. Um fim de semana na Praça Roosevelt. Arquiteturismo, São Paulo, ano 07, n. 079.02, Vitruvius, set. 2013 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/07.079/4878>.


Filme: Um fim de semana na Praça Roosevelt
Concepção: Mauro Calliari
Direção e produção: Maurício Cremonini
Música: "O encantado", de Paulo Gusmão

Em setembro de 2012, a Praça Roosevelt foi reinaugurada. A expectativa criada pelo novo projeto era de reintegrar a praça ao entorno, romper as barreiras existentes nos múltiplos planos do projeto anterior, criar ambientes de convivência e atrair as pessoas de volta.

Um ano depois, pode-se dizer que a nova praça se tornou um dos marcos da apropriação do espaço público pelos paulistanos.

Nesse tempo, ela tem atraído pessoas da vizinhança ou de outras regiões, que vêm para andar de skate, trazer as crianças ao parquinho, sentar nos bancos ou passear com os cachorros. Ela também tem sido palco de eventos musicais, festas, protestos e ponto final ou inicial de várias das manifestações que marcaram a cidade.

Essa diversidade de usos, de públicos e de horários trouxe conflitos ao longo desses doze meses. Os moradores em frente à praça protestaram contra o barulho dos skates e os shows à noite. Os teatros e bares em frente à praça se beneficiaram com o novo ambiente criado, mas houve protestos contra o aumento dos aluguéis e até ameaças de deixar os imóveis. A Guarda Civil Metropolitana teve que se explicar pelo enfrentamento a alguns usuários. Houve ainda confrontos entre participantes de manifestações e a Polícia Militar.

O lado bom disso tudo: os conflitos surgiram pelo próprio sucesso da nova praça, em atrair pessoas. A pluralidade parece ser uma conseqüência desejável de um projeto que, se não é uma unanimidade, teve o mérito de recosturar espaços e abrir-se para o entorno.

É possível que os conflitos não sejam de fácil resolução, mas eles estão expondo uma face importante da cidade: a vontade de ocupar os espaços públicos. Por outro lado, vem a constatação de que a ocupação traz responsabilidades, de negociar, de se associar em grupos de interesse e de reconhecer a legitimidade de pontos de vista distintos.

A celebração dessa diversidade pode ser vista nesse vídeo, gravado nos dias 19, 20 e 21 de outubro de 2012. São centenas de fotos tiradas de um apartamento em frente à praça, em intervalos de cinco minutos, editadas em um minuto. Elas mostram uma praça ocupada ao longo do dia e da noite,  até terminar num evento na tarde de domingo.

É uma eloqüente amostra do que a apropriação do espaço público pode fazer pela identidade da cidade.

sobre o autor

Mauro Calliari, 51, é administrador de empresas pela FGV-SP, com MBA pela Bocconi-Milão, consultor em comunicação e mestrando em urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

comments

079.02 projeto urbano
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

079

079.01 eu estive lá!

O que só a Fiel viu no Japão

Roberto Abramovich

079.03 exposição

“Obra” de Mauro Restiffe

Eduardo Costa

079.04 monumento

Memoriais de guerra em um país beligerante

Eliane Lordello

079.05 quiz show

Quem sabe o nome do autor do painel no hospital de Niemeyer?

Victor Hugo Mori

079.06 fotonovela

Não vigiar o museu pode resultar em dano irreparável para a obra de arte!

Michel Gorski and Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided