Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Estação Ferroviária de Strassbourg. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
O texto procura abordar o valor que o Patrimônio Imaterial pode exercer para o turismo cultural na Irlanda. Embora a arquitetura de Dublin conte com importantes obras arquitetônicas, estas não estão entre as principais atrações turísticas.

english
The text seeks to address the value that the Immaterial Heritage can exercise for cultural tourism in Ireland. Although Dublin architecture counts with many significant heritage, it is not an important international cultural tourism destination.

español
El texto trata de abordar el valor que el Patrimonio Inmaterial puede ejercer para el turismo cultural en la Irlanda. Aunque la arquitectura en Dublín tiene obras significativa no lo és uno de los principales atractivos para el turismo cultural.


how to quote

MASIERO, Érico. Dublin, patrimônio imaterial. Arquiteturismo, São Paulo, ano 09, n. 097.02, Vitruvius, abr. 2015 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/09.097/5553>.


Apesar da modesta capital da Irlanda ser altamente organizada e muito hospitaleira, a cidade, a primeira vista não chega a empolgar arquitetos viajantes em busca de grandes palácios, castelos medievais e obras icônicas. Dublin não faz parte do circuito turístico mais tradicional europeu e assim pode não ser um destino tão atraente para interessados em arquitetura europeia. Dublin não chega a rivalizar com Paris, Londres, Roma e Madrid. Uma das maiores qualidades é justamente esta, não concorrer com grandes centros turísticos, mas sim, expor o que há de mais sincero e genuíno em suas entranhas. Valoriza-se, de fato a cultura local.

Grand Canal Theater, arquiteto Daniel Libeskind
Foto Érico Masiero

Sempre que surge a oportunidade de viajar a trabalho ou lazer, assim como qualquer turista, procuro fazer uma rápida pesquisa em relação ao que há de interessante para ver, principalmente em termos de arquitetura. No caso de Dublin, mesmo que alguns bons exemplares da arquitetura de Daniel Libeskind, Santiago Calatrava e Kevin Roche tenham despertado alguma empolgação para a viagem, estando lá, outros aspectos me chamaram mais a atenção, dentre os quais, poucos estão ligados à arquitetura especificamente.

Ao caminhar pelas ruas do centro histórico e pelos pubs de Dublin é possível ouvir música folk por toda parte, algo entre a música country e o tradicional jazz norte americano, só que harmonicamente mais rica e incrementada com gaitas de fole, violões e violinos, tocadas por artistas de rua extremamente talentosos. É uma pena que as experiências dos viajantes sejam relatadas apenas em textos e imagens de forma que os sons, os cheiros característicos e as sensações táteis, dificilmente são transmitidas por palavras. Somente escritores do naipe de Guimarães Rosa conseguem transportar leitores para outros mundos e transmitir sensações verdadeiras de um determinado lugar.

Temple Bar
Foto Érico Masiero

Para aqueles interessados em chafurdar na vida noturna de Dublin, é obrigatório uma visita ao Temple Bar e sua região. Ele recebe o título de pub mais antigo do mundo e passar por lá e não entrar é como ir ao Rio e não subir no Corcovado.

A população guarda características que podem ser definidas como algo entre a simpatia irreverente brasileira misturada com a educação e ao refinado bom humor britânico. O mais impressionante mesmo é a inventividade popular, a riqueza do seu folclore e as histórias fantásticas presentes no cotidiano. Chego a imaginar que a alta qualidade da literatura e da música irlandesa sejam consequências de um ambiente cultural tão rico. U2 só poderia ter saído de lá!

Duendes e Leprechauns povoam o imaginário popular irlandês e o biótipo baixinho, ruivo, barbudo e gordinho é muito comum por lá. De acordo com a tradição, os Leprechauns passam os dias elaborando brincadeiras e piadas, confeccionando sapatos e guardando suas moedas em um pote de ouro, o qual mantém escondido no final de um arco-íris. Se algum Leprechaum for capturado por um humano, esta pequena criatura lhe concederá três desejos em troca da liberdade, e as estórias a partir daí são sempre fabulosas e inesperadas assim como manda a tradição irlandesa.

Museu do Leprechaun
Foto Érico Masiero

O Museu do Leprechaum, apesar de ser chamado de museu, é mais do que isso. É um centro de diversão interativa com diversas instalações que transportam os visitantes, na maioria crianças, para o mundo folclórico dos Duendes. Você pode, por exemplo, participar de uma estória fantástica e, quem sabe, encontrar um pote de ouro no final de um arco-íris.

Estátua de Oscar Wilde
Foto Érico Masiero

George Bernard Shaw, Samuel Becket, James Joyce e Oscar Wilde estão entre os diversos escritores da região que revolucionaram a literatura inglesa, dentre os quais, destaca-se Beckett, vencedor de um dos quatro prêmios Nobel de literatura concedidos a irlandeses e um dos principais autores do teatro do absurdo. Tais feitos estão reunidos e registrados em 300 anos de tradição literária no Museu dos Escritores, o qual abriga uma coleção de valor incalculável de cartas, retratos, manuscritos originais e objetos pessoais. Ao caminhar pela Merrion Square, principal parque no centro da cidade, é possível visitar a estátua de Oscar Wilde em uma pose descontraída e um sorriso sacana. A coloração do traje e do rosto é dada pela própria composição das pedras em tons de verde, rosa, cinza e branco. O parque fica localizado bem próximo a um conjunto arquitetônico em estilo Georgiano, o qual o escritor habitou uma de suas unidades até o início do século passado.

Ponte Samuel Beckett, arquiteto Santiago Calatrava
Foto Érico Masiero

A Ponte Samuel Becket, desenhada por Santiago Calatrava e o Grand Canal Theater, obra assinada por Daniel Libeskind, inaugurada em 2010, se destacam entre os inúmeros projetos desenvolvidos com a intenção de revitalizar a antiga área portuária do Canal do Rio Liffey. A dramaticidade e a ousadia das linhas de ambos os projetos dialogam com vivacidade típica da atmosfera urbana, a qual pode se expressar como profundamente melancólica ou como alegórica dependendo do ponto de vista, do clima ou do estado emocional do expectador.

Vista do Rio Liffey
Foto Érico Masiero

Ponte sobre o Rio Liffey
Foto Érico Masiero

Uma das experiências mais interessantes que Dublin pode oferecer talvez seja no museu, fábrica e loja da cervejaria Guinness. O tour é indicado tanto para os apreciadores de uma boa cerveja quanto para abstêmios, impossível se decepcionar! O processo de fabricação da famosa cerveja escura é apresentado de forma didática, divertida e recheado de informações históricas, de forma que é possível tomar contato desde a matéria prima em seu estado bruto e até bebericar uns goles das diferentes variedades durante a visita. Tudo isso em um edifício industrial histórico especialmente remodelado para abrigar uma estrutura com diversos bares, restaurantes, museus e lojas de bugigangas em geral. Ao final do percurso o visitante saboreia uma ou mais cervejas em um espetacular pub no topo da fábrica, o qual oferece um belíssimo visual de 360 graus da cidade.

Fábrica Guiness, fachada principal
Foto Érico Masiero

Fábrica Guiness, visitação ao processo de fabricação
Foto Érico Masiero

Museu Guiness
Foto Érico Masiero

Pub Guiness, vista da cidade
Foto Érico Masiero

Na hora de voltar, como de costume, atrasado e sem tempo de almoçar na cidade. Saí do alojamento da universidade com a plena consciência que eu seria assaltado com os preços praticados nos restaurantes do aeroporto. Para a minha surpresa, um anúncio publicitário, que sonho há anos encontrar em um aeroporto no Brasil, dizia o seguinte: “Promessa. Nossos preços nunca serão batidos pelos preços do centro da cidade, caso contrário, devolveremos o valor em dobro”.

Anúncio publicitário no aeroporto de Dublin
Foto Érico Masiero

Uma viagem a Dublin pode não lhe proporcionar experiências arquitetônicas comparáveis às dos grandes centros, mas certamente você voltará com grandes histórias na bagagem e, talvez até passe a acreditar em Duendes. São lugares como este que me fazem questionar a excessiva importância que damos à arquitetura como matéria. A cidade certamente oferece o que há de mais espetacular em termos de Patrimônio Imaterial.

referências

Museu dos Escritores  HYPERLINK "http://www.visitdublin.com/dublin-a-to-z/details/dublin-writers-museum/31258/" http://www.visitdublin.com/dublin-a-to-z/details/dublin-writers-museum/31258/

Grand Canal Theater  HYPERLINK "http://www.archdaily.com/52814/grand-canal-theatre-daniel-libeskind/" http://www.archdaily.com/52814/grand-canal-theatre-daniel-libeskind/

Guinness Store House  HYPERLINK "http://www.guinness-storehouse.com/en/Index.aspx" http://www.guinness-storehouse.com/en/Index.aspx

sobre o autor

Érico Masiero é arquiteto pela Unesp, doutor em Engenharia Urbana pela UFSCar. Diretor da MW Arquitetura SS Ltda.

comments

097.02 viagem cultural
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

097

097.01 arquiteturismo em questão

Urbanidade e evidência conceitual

Maria Beatriz de Castro

097.03 viagem de estudo

Nostalgia de Salmona em Bogotá

Mauro Ferreira

097.04 paisagem construída

Abu Dhabi

Gustavo Pierozzi Takatori

097.05 filme de viagens

Quimpassi

Abilio Guerra

097.06 ensaio fotográfico

A Praça da Catedral e a Praça Gutenberg em Strassbourg

Victor Hugo Mori

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided