Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Museu das Civilizações da Europa e da Mediterraneidade, Marselha, França, arquitetos Rudy Ricciotti e Roland. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Navegando no Rio Amazonas entre as cidades de Manaus e Parintins avistam-se nas margens várias palafitas. Essas construções ribeirinhas impactam pela aparente fragilidade e pequenez em meio à espantosa vastidão da paisagem natural.

english
Navigating through the Amazon River between Manaus and Parintins one sees on the banks several stilt houses. These riverside buildings make an impact due to their apparent fragility and smallness amidst the astonishing vastness of the natural landscape.

español
Navegando por el Río Amazonas entre las ciudades de Manaus y Parintins se avistan en las orillas de varios zancos. Esas construcciones ribereñas impactan por su aparente fragilidad y pequeñez en medio de la asombrosa inmensidad del paisaje natural.


how to quote

SOARES, Eduardo Oliveira. Sobre o Rio Amazonas, entre Manaus e Parintins. Arquiteturismo, São Paulo, ano 13, n. 150-151.03, Vitruvius, set. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/13.150-151/7517>.


Anualmente no final de junho ocorre na ilha de Tupinambarana, no município de Parintins, no estado do Amazonas, o grandioso Festival Folclórico de Parintins. O evento formatou de uma maneira bastante peculiar os folguedos relacionados ao bumba meu boi transformando-os em uma Ópera Cabocla encenada pelos boi bumbás Garantido (de cor vermelha) e Caprichoso (de cor azul).

O Encontro das Águas do Rio Negro e do Rio Solimões e as construções ribeirinhas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

Uma possiblidade de acesso ao município é o descolamento por meio fluvial entre as cidades de Manaus e Parintins. Manaus apresenta relevante patrimônio da época do Ciclo da Borracha que ocorreu na região amazônica entre o fim do século 19 e início do século XX. O Mercado Municipal Adolpho Lisboa, a Praça Dom Pedro II e o Teatro Amazonas, dentre outros, são tombados como patrimônio material pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional (Ipahn). A cidade é um local-chave para apreciar a riqueza natural, arquitetônica e cultural do norte do país. No outro extremo da viagem está a cidade de Parintins que tem o Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins registrado como patrimônio imaterial pelo Iphan. O rio que une essas cidades é nada mais, nada menos, que o Amazonas. O Rio Amazonas se forma da junção do Rio Negro com o Rio Solimões em um ponto conhecido como Encontro das Águas – impressionante fenômeno tanto quando se vislumbra de um barco, quanto de um avião.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

A viagem de barco para participar do Festival Folclórico de Parintins é uma atração à parte. Em um estado em que a cultura e os centros urbanos se desenvolveram em função dos rios, navegar dentre uma majestosa paisagem natural – em uma região que suscita debates nacionais e internacionais em relação à sua ocupação e preservação – é um privilégio. No Rio Amazonas a paisagem ribeirinha é expressão da identidade regional.

Na viagem pelo Rio Amazonas a relação com o tempo é distinta da que ocorre nas grandes cidades. A duração do descolamento pode inicialmente parecer cronologicamente extensa, mas no tempo amazônico é a mais adequado para, deslizando sobre o rio, apreciar as margens, a floresta, o céu, enfim, a grandiosa paisagem cultural.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

As margens do Amazonas são impactadas pelos ciclos de vazante, seca, enchente e cheia. Nos meses de meados do ano a várzea – calha alargada do rio que anualmente oscila entre terra firme e água – está alagada, pois é a época da cheia. O Amazonas, com a força das suas águas, permanentemente transforma a paisagem natural. Redefine as dimensões dos canais; altera o traçado de suas águas; expande e reduz a floresta; cria ilhas, praias e lagos temporários.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

 

Guiados por esses desígnios da natureza os ribeirinhos tornam-se partícipes dos ciclos do Rio Amazonas. A presença humana cria uma paisagem cultural que inclui locais para plantação, criação de animais e construções em palafitas.

Os pilotis suspendem casas, escolas, comércio, igrejas, enfim, construções majoritariamente em madeira que pairam sobre o Rio Amazonas a um nível seguro da invasão das águas. Porém, o imprevisível avanço do rio por vezes excede a cota das construções transformando a cheia em uma situação dramática que obriga o abandono dos locais durante o período da cheia.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

 

O olhar passageiro de quem não mora no local não apreende de imediato as possibilidades de relacionamentos, trabalho, lazer ou educação dos moradores dali. Mas a própria existência dessa população indica que há condições de se viver naqueles locais.

A população ribeirinha tem sua subsistência baseada nas atividades da agricultura, pesca, extrativismo e criação de gado. Essas atividades oscilam durante o ano afinal há a necessidade de se adaptar aos períodos de seca e cheia. A aparente percepção de isolamento se desfaz ao se observar o movimento das embarcações.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

 

Singelas canoas, barcos de diversos tamanhos, gigantescas balsas, não param de cruzar por essas populações que testemunham o movimento de ir e vir nesse rio que tem sua foz no Oceano Atlântico. Em muitas casas os moradores – recostados em portas e janelas – contemplam as embarcações. Das embarcações são admirados.

O rio parece um mar de tão grande. A vegetação é farta. Algumas árvores, monumentais. As construções ribeirinhas – alvos irresistíveis para registros fotográficos – impactam pela aparente fragilidade e pequenez em meio à espantosa vastidão da paisagem local. São provas da engenhosidade construtiva e resistência da população. As palafitas parecem flutuar ao nível da água que lhes serve de espelho.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

 

A mera observação à distância permite identificar alguns aspectos recorrentes nas construções: a planta retangular; o telhado em quatro ou em duas águas, alguns com suave curvatura; os alpendres com cobertura menos inclinada que o corpo principal; a pintura que remete ao colorido das embarcações; um certo grafismo geométrico na decoração; as esquadrias inteiriças, sem vidros nas janelas; a antena parabólica; a caixa d´água; a plataforma de pedestres unindo algumas palafitas e servindo como atracadouro dos barcos; a escada de acesso.

Tanto na ida como na volta do percurso Manaus-Parintins, as construções ribeirinhas foram elementos marcantes da viagem. Presença humana emoldurada pelo rio, pela floresta, pela chuva, pelo sol, pelo céu.

Margem do Rio Amazonas
Foto Eduardo Oliveira Soares, julho 2019

 

sobre o autor

Eduardo Oliveira Soares é arquiteto e urbanista (UFPEL, 1995), especialista em Reabilitação Ambiental Sustentável Arquitetônica e Urbanística (UnB, 2008), mestre em arquitetura e urbanismo (UnB, 2013) e doutorando na UnB/FAU, tendo como tema de pesquisa as narrativas fotográficas. Trabalha na Universidade de Brasília.

comments

150.03 ensaio fotográfico
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

150-151

150.01 paisagem construída

O velho, o novo e a passarela

Victor Hugo Mori

150.02 patrimônio ambiental e cultural

São João Marcos

Dayane Caputo Camacho Lopes

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided