Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
Carlos Fernando de Souza Leão Andrade, presidente do IAB-RJ, em tom muito bem humorado faz recomendações e dá dicas para os participantes do XVII Congresso Brasileiro de Arquitetos no Rio de Janeiro, que acontece a partir de terça-feira


how to quote

ANDRADE, Carlos Fernando. Manual de sobrevivência na selva das cidades (editorial). Arquitextos, São Paulo, ano 03, n. 035.00, Vitruvius, abr. 2003 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/03.035/691>.

Prezado Congressista,

Inicialmente, queremos externar nossa alegria em recebe-lo em nosso estado. Por isso, gostaríamos que você tivesse uma chegada tranqüila já que são muitos e variados os horários e locais pelos quais o Rio se liga ao resto do país. Assim, estamos mandando este manual de sobrevivência na selva, que servirá também durante sua estadia aqui. Você verá que a nossa selva, ao contrário de ser um local hostil é, principalmente, o paraíso da biodiversidade. Tenha uma boa e produtiva estadia.

Chegada

Normalmente, se chega ao Rio por três lugares:

Aeroporto Santos Dumont: É um aeroporto simpático que fica no Centro da Cidade, algo que só se tornou possível por ter sido executado, nos anos 20, um aterro com material oriundo do desmonte do morro do Castelo. Antes de pousar, o avião faz uma volta linda sobrevoando a baía. É quase impossível a gente não se lembrar de Tom Jobim. Deixe-se levar e cante: "minha alma canta, vejo o Rio de Janeiro"... Deve ter sido a inspiração do maestro, portanto, aproveite-a. Quem chegar por lá, deve observar o prédio do terminal - dos irmãos Roberto, do início do Modernismo em nosso país - e o jardim em frente, considerado a primeira intervenção de Burle Marx. A saída desse aeroporto é facilitada, pois há táxi comum e especial. O comum resolve muito bem a vida e custa cerca de R$15,00, para chegar à Zona Sul da cidade.

Aeroporto do Galeão: na verdade, este é o nome do aeroporto antigo, hoje base militar. O novo aeroporto homenageia Tom Jobim (após uma campanha popular para a alteração do nome, no trecho acima, você já entendeu porque) mas na verdade o nome Galeão permaneceu. O prédio inicial (Terminal 1) remonta ao período militar e recentemente recebeu outro módulo, o Terminal 2, onde normalmente descem os vôos nacionais. A maneira mais prática, para se sair daí, é tomar um táxi com preço pré-combinado. Há quiosques no interior do saguão para isso. O aeroporto é longe da cidade, fica numa ilha (Ilha do Governador) e a viagem é um pouco cara. Se você precisar fazer uma economia, prefira o “frescão”, nome dado pelos autóctones aos ônibus com ar refrigerado. Eles ficam parados um pouco mais à direita, na pista de saída. Há duas linhas da viação Real: uma que vai para o Santos Dumont, de onde se pode tomar um táxi mais barato, e outra para a Zona Sul (chama-se Alvorada). Os ônibus saem com intervalo de 30 minutos e custam R$4,50. Se você está indo para o Rio Centro, beleza, pois Alvorada é o Terminal de ônibus da Barra da Tijuca, próximo de onde será o Congresso. Caso você esteja indo para o IAB, se credenciar previamente, ou para um hotel da Zona Sul, tome esta linha, mas pergunte se vai pelo Aterro (pois nesse caso só há parada em Copacabana) ou pela Praia do Flamengo. Neste caso, desça no ponto da Rua Dois de Dezembro, facilmente localizável pois na esquina há um dos poucos testemunhos dos prédios ecléticos de final de século, hoje transformado em centro cultural. Por razões que facilmente você entenderá, peça para ficar no ponto do “Castelinho”, no Flamengo. A sede do IAB, onde será o cadastramento no dia 29, está a uma quadra da praia. Nos demais dias de Congresso tudo funcionará no RioCentro.

No trajeto observe a Linha Vermelha, a Cidade Universitária, com seus prédios modernistas - projeto de Jorge Moreira, as favelas urbanizadas pelo Projeto Rio e a intervenção recente do Conjunto da Maré. Daí o ônibus seguirá para o Centro pela Av. Rodrigues Alves, onde estão os antigos armazéns do porto - que hoje abrigam os barracões das escolas de samba, pela Praça Mauá e pela Av. Rio Branco. Tente observar, na esquina das duas, o edifício “A Noite”, um arranha céus da década de 20, e, do outro lado da rua o “RB1”, o último construído na Av. Rio Branco, nos anos 90. Nesta última, veja os antigos prédios do Banco Central, e das Docas de Santos, últimos remanescentes dos edifícios construídos na época da inauguração da avenida. Quem teve muitos projetos aí foi Gastão Bahiana, nosso primeiro presidente.

Pouco antes de chegar à Cinelândia, o ônibus passará a Escola de Belas Artes, hoje Museu, onde funcionou a Faculdade de Arquitetura e onde foi fundado o IAB. Em frente o Teatro Municipal e, logo a seguir, a Biblioteca Nacional. Se estiver com tempo, descer aí e tomar um chopp no Amarelinho, tradicional bar da Cinelândia, cujo prédio, também dos anos 20, passou por uma reciclagem e virou prédio inteligente. Mas não demore não, que você não veio ao Rio para isso... Fique só com vontade de voltar em outra ocasião. Mas aproveite e dê uma olhada no Odeon, tradicionalíssimo cinema da cidade, que também foi reformado.

Ali mesmo, na Cinelândia, existe uma estação de Metrô, pegue a direção Zona Sul e siga até a Estação Largo do Machado - você estará pertinho do IAB. Pergunte pela rua Dois de Dezembro (é a que tem o Mac Donald’s na esquina) siga em direção à praia e, logo depois do Museu do Telefone (prédio familiar para quem entrou no concurso da TELEMAR) fica a nossa sede. A entrada é pela rua lateral, que se chama Rua do Pinheiro. Jamais pergunte pela Rua do Pinheiro, pois rigorosamente ninguém sabe o que é isto. A orientação é a rua Dois de Dezembro. Enquanto você espera o sinal abrir, na calçada Mac Donald’s, observe no prédio em frente o mural pintado na empena cega.

Rodoviária Novo Rio: quem vier de ônibus, chegará no terminal de desembarque e talvez seja o caso de comprar passagem de volta antes de sair da Rodoviária. Neste caso, atravesse a passarela que separa os dois terminais, dirija-se ao terminal de embarque, compre a passagem, e retorne ao terminal de desembarque. Não tente sair pelo terminal de embarque, embora isto seja fisicamente possível, é de todo inconveniente. Assim, uma vez tendo retornado ao terminal de desembarque, pela mesma passarela, procure, antes de sair do terminal, um quiosque de táxi pré-pago. São mais caros, porém, confiáveis: o preço depende do bairro para onde se vai. Não pegue qualquer táxi, pois poderá se dar mal, o preço da corrida pode ser qualquer coisa...

O IAB fica no Catete. O trecho onde se ele se localiza também é chamado Flamengo e a principal referência é o Largo do Machado. O trajeto, no entanto, é indiferente, pois o preço estará já acertado. Se o motorista, depois da Av. Presidente Vargas, a mais larga da cidade e orgulho do Estado Novo, subir um viaduto e entrar num túnel, não entre em pânico, é apenas o Santa Bárbara, um dos grandes túneis da cidade, que é separada por dois grandes maciços rochosos. Este, de onde, talvez, você já consiga ver o Cristo, é o que separa a Zona Sul, o Centro e a Zona Norte - o maciço da Tijuca. O outro é o da Pedra Branca, que separa o lado de cá da cidade da Zona Oeste, principal área de expansão periférica dentro do município do Rio de Janeiro. Ao longo do viaduto você poderá observar o Sambódromo e o grande arco projetado por Oscar.

Para o pessoal da grana curta, que chegar de dia, a viagem de ônibus, “quentão”, é barata (R$ 1,40) e quase confortável. Isto se você não chegar na hora do rush que, no sentido Centro-Sul, é de manhã. Há uns ônibus normais, das mesmas linhas “quentão”, só que com ar condicionado, custam R$1,60, mas os horários não são disponíveis. O terminal de ônibus urbanos é bem em frente à saída da Rodoviária. O ônibus que passa pelo IAB é o Rodoviária - Leblon, via Jóquei. Há muitos outros, via Copacabana, mas neste caso irão pelo Aterro do Flamengo onde, como já dissemos, não há paradas. Estes são a melhor opção para quem vai direto para algum hotel em Copacabana.

Aproveite para olhar, logo na entrada do Aterro, o MAM, projeto de Reidy, e o Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, do Marcos Konder. A tradição popular diz que o monumento representa duas mãos erguidas aos céus, pedindo paz. Poderemos perguntar a ele, durante o Congresso (quando ele for receber o Colar de Ouro do IAB), mas, na dúvida, erga as suas e peça pela Paz também, pois o mundo está bem precisado.

Há duas linhas de “quentão” para a Barra: Alvorada e Recreio (refere-se ao Bairro Recreio dos Bandeirantes). A primeira vai pela Av. das Américas e a outra pela orla da Barra, Av. Sernambetiba, recentemente batizada como Lucio Costa, criador do Plano inicial de ocupação da baixada de Jacerapaguá.

Outra alternativa é o ônibus que sai do terminal de desembarque e segue direto para a estação do Metrô Estácio. Esta estação faz a integração entre as Linhas 1 e 2. Aí você já sabe, caso queira ir direto para o IAB, Estação Largo do Machado, etc, ect...Para quem vai para Ipanema existe ainda a possibilidade de, na Estação Siqueira Campos, tomar outro ônibus até a Praça Gal. Osório. Importante: o bilhete de metrô deve ser comprado no ônibus que sai da Rodoviária.

A área onde está a Rodoviária é horrorosa. Por favor, não se impressione, pois terá vontade de fazer o caminho de volta, na mesma hora. Na verdade, isto foi um truque que o Rio criou para afastar os viajantes de pouca fé, o que certamente não é o seu caso. Tome, portanto, um dos modos de transporte acima descritos e venha ser feliz. E não me invente de sair por ali a pé, seja lá por que motivo for.

Não se incomode em pegar mapas ou guias na Rodoviária ou nos Aeroportos. Na pasta do Congresso, haverá abundância de material desta natureza, fornecido pela RIOTUR, e, inclusive, um Guia de Arquitetura bem simpático.

Caso haja algum problema, ligue imediatamente para o IAB-RJ (2557 4480/ 4192). Até o dia 29, à noite, estamos lá. Depois disso, aguarde que forneceremos aos inscritos um telefone de plantão. Se você ligar do seu próprio celular, não se esqueça de colocar o (021) na frente.

Ônibus de aluguel: Fomos informados que verdadeiras caravanas rodoviárias se organizam para chegar ao Rio. Em princípio não há problema. Indo para a Barra, peguem a Linha Vermelha e quando chegar na cidade Universitária (leiam aí em cima sobre o trajeto, vindo do Aeroporto Internacional)i tome a Linha Amarela. Nesta, haverá uma praça de pedágio, portanto previna o motorista. No Rio Centro, há estacionamento apropriado para ônibus de turismo.

Indo para a Zona Sul, é fazer o trajeto em direção ao Centro, pelo Viaduto da Perimetral (vista interessante sobre o porto, olhe à direita o Mosteiro de São Bento, dos primórdios da colonização), seguir pelo Aterro do Flamego e, rapidamente se chega a Copacabana. Lá, apesar do trânsito caótico, há locais próprios para desembarque de turistas, na frente dos hotéis, e estacionamento para ônibus. Os hotéis devem orientar neste sentido.

Nos hotéis

Na vizinhança do IAB há fartura de hotéis para todos os preços. Alguns ainda guardam o fausto do tempo em que o Catete era o centro político nacional. Outros são práticos flats. Não longe do Catete está a orla oceânica, que começa em Copacabana e é o grande centro hoteleiro da cidade. Na Barra também já existe um grande número de hotéis, principalmente flats. A melhor coisa é entrar no site do Congresso (www.iabrj.org.br) e procurar o link com a MAC turismo. Há pacotes para todos os preços. Os conselheiros do COSU devem, se assim lhes couber, optar pelo hotel Novo Mundo, onde será realizada a reunião do COSU, antes do Congresso.

Os estudantes devem entrar em contato com o pessoal da FENEA daqui, pois os colegas providenciaram, para os estudantes inscritos no Congresso, um acampamento na Barra da Tijuca, em um local excelente. O camping é absolutamente em frente à Praia da Barra, própria para a prática de surf, wind surf, body-board e outros esportes aquáticos, mas vocês não tem nada com isso, já que estará aqui para o Congresso e, para tanto, haverá uma linha direta de ônibus, ligando o acampamento ao RioCentro. Além do camping existem opções de pacotes em alguns hotéis. É importante que a intermediação seja feita pela Comissão Pró-Alojamento, para garantir os descontos. Os contatos podem ser feitos por e-mail (alojamentoestudantes@yahoo.com.br) ou telefone (021) 9213-1208.

Nos deslocamentos aqui

Ao menos teoricamente, você não tem que ficar se deslocando aqui no Rio, já que tem mais é que ficar quieto no RioCentro, trabalhando. Mas, caso você precise dar uma escapulida na hora do almoço, a Barra da Tijuca é pródiga em shopping centers e, ao menos dois deles, estarão com atividades voltadas para os congressistas, notadamente nos horários de almoço e de saída do Congresso. No RioCentro existem pontos de táxi, serviços de vans e, no Terminal Alvorada, ônibus para toda a cidade. Nos horários do Congresso linhas de vans e ônibus passarão em locais específicos para atender aos congressistas. No resto da cidade, além de ônibus em profusão (e confusão) há o Metrô e táxis.

Os táxis

Os táxis comuns no Rio são os amarelos e as corridas pagas pelo taxímetro. Depois das 21:00 horas e aos domingos e feriados, existe a bandeira 2, fora isso é bandeira 1. Eles dão recibo para quem precisar e soem ser bastante confiáveis. Quase todos possuem ar condicionado e manter as janelas fechadas, no Rio, tornou-se uma prática corrente. Pequenos furtos costumam acontecer em sinais de trânsito, mas nada que leve à péssima fama de cidade violenta que o Rio tem. Você receberá um cartãozinho para chamar táxi, junto com seu material do Congresso. É um serviço excelente, que mesmo nós usamos muito, inclusive a qualquer hora da noite. O taxímetro só é ligado quando o passageiro entra e o preço é o do táxi comum. Use-o. À noite não é conveniente utilizar-se dos ônibus, pois estes, sim, são eventualmente assaltados. Portanto, prefira os táxis.

Restaurantes

No próprio RioCentro há dois restaurantes, que não dão conta do serviço, mas pequenos quiosques de comida rápida estão sendo providenciados. Nas imediações, como já se disse, há fartura e diversidade de locais para comer, desde sofisticados restaurantes até opções teen, como o Mac Donald’s e o Bob's. Há diversos restaurantes de comida a quilo, com diferentes preços. A tudo isso se somam as carioquíssimas lojas de suco, com os sabores de todo o Brasil. O açaí e a acerola disputam a preferência do momento. Não longe, do Rio Centro está o “Quintas”, restaurante sofisticado e agradabilíssimo e um dos mais antigos do pólo gastronômico de Vargem Grande.

Seção saúde

Para quem não dispensa as caminhadas, qualquer dos hotéis próximos ao IAB é também próximo ao Aterro, que conta com diversas trilhas. Como em qualquer grande parque urbano do mundo, e este parece ser o maior deles, evite o trajeto depois de anoitecer. Acorde mais cedo, para não chegar tarde ao Congresso, e aproveite para percorrer a obra de Reidy, maravilhar-se com os jardins de Burle Marx e ainda fazer bem à saúde. Andar no Rio é quase uma obsessão para a população e por isso há trajetos por toda parte e em todas as direções. A pé, pelo aterro, você poderá chegar ao MAM, ou na outra direção, à Urca, bairro criado artificialmente por aterros. Ou ainda percorrer a trilha entre o Pão de Açúcar e o mar, que começa na Praia Vermelha. Foi por ali que fundaram o Rio, que depois se mudou para o Castelo, que também desapareceu no mar, portanto, embora a trilha seja absolutamente segura, cuidado...

Para quem ficar na orla, o trajeto óbvio é ela própria. O calçadão de Copa, Ipanema/Leblon ou da Barra, a qualquer hora do dia, fica repleto de gente bonita e/ou saudável. Junte-se a ela mas atenção ao trânsito, pois, nos dias úteis, a Prefeitura realiza uma operação de guerra e inverte a mão de uma das pistas, que segue em direção ao Centro. Portanto, ao atravessar, das 7:00 às 10:00h da manhã o carro está vindo do outro lado.

Outros passeios

Além das visitas técnicas programadas para o Congresso, como a obra de Lelé da rede Sarah, e ao caminho Niemeyer em Niterói, estão sendo programados diversos passeios e excursões. Desde simples passeios a pé pelo Centro do Rio até à cidade de Petrópolis, que durante o Império e a Primeira República era uma espécie de capital de verão do Brasil ou, ainda, passeios de barco pelas baías de Guanabara e Itacurussá. Breve estarão na página do Congresso na Internet ou, durante o Congresso, no stand do IAB no RioCentro.

A Mira

Além do Congresso no Riocentro que abrigará as exposições institucionais, isto é, organizadas pelos departamentos do IAB, e a homenagem a Lelé, que empresta seu nome ao evento, haverá cerca de trinta exposições espalhadas pela cidade. Na pasta do Congressista você encontrará um mapa com a localização de cada uma delas.

Festas

Além do Rio ser uma festa permanente, onde a população se apropria do espaço urbano como em nenhum outro lugar: churrasqueiras nas calçadas ou pagode em esquinas movimentadíssimas não são difíceis de encontrar, haverá uma programação de festas em homenagem aos Congressistas.

A rádio MPB FM está programando duas grandes festas na cidade, nas quais os congressistas terão um considerável desconto e, ainda, um passaporte para freqüentar, também com desconto, aos diversos shows promovidos pela rádio.

As happy-hours nos restaurantes dos sofisticados shoppings de decoração da Barra promoverão sessões musicais para alegria e gáudio de nossos congressistas. A Barra é plena de locais como Hard Rock Café, Rock in Rio Café, New York City Center e outros tantos locais de divertimento, digamos assim, globalizantes.

No Rio mais tradicional, a Lapa é hoje o principal reduto musical, onde inúmeras casas se especializam do chorinho ao reagge e o samba de raiz avança ultimamente. Muitas funcionam de dia como antiquários, o que para arquitetos é um encanto a parte. É prática comum entre os jovens de grana curta não entrar em lugar nenhum, tirar casquinha nas calçadas e comprar cerveja de isopor. O dia amanhece com gente nas calçadas...

Perto dali, a Sala Cecília Meireles, a Escola de Música da UFRJ e, mais adiante, o Teatro Municipal oferecem música erudita e balé.

Enquanto isso, no acampamento da Barra deve estar rolando um violão...

Como dissemos, a selva é o paraíso da biodiversidade. Chegar no Rio, como vimos, é fácil. Já, sair...

Dicas

O Rio de Janeiro oferece variadas opções para o lazer noturno. Para aqueles que pretendem esticar no fim de semana ou curtir a noite carioca durante o Congresso aí vão algumas sugestões. Para os que pretendem permanecer no fim de semana, os principais jornais da cidade trazem, na sexta-feira, encarte com a programação cultural e de lazer da cidade.

Restaurantes e bares com charme carioca

Nova Capela, Av. Mem de Sá, 96 – Lapa
Bar Brasil, Av. Mem de Sá, 90 – Lapa
Bar Luís, Rua da Carioca, 39 – Centro
Lamas, Rua Marques de Abrantes,18 – Flamengo
Bar do Mineiro, Av. Paschoal Carlos Magno, 99 – Santa Teresa
Sobrenatural, Av. Almirante Alexandrino, 432 – Santa Teresa
Bar do Arnaudo , Av. Almirante Alexandrino, 316 / B – Santa Teresa
Bracarense, Rua Jose Linhares, 85/ BJobi, Av. Ataulfo de Paiva, 1166/ B – Leblon
Pizzaria Guanabara , Av. Ataulfo de Paiva, 1228 – LeblonBofetada,  Rua Farme de Amoedo, 87 – Ipanema
Bar Lagoa,  Av. Epitácio Pessoa, 1674 – Lagoa
Cedro do Líbano, Rua Senhor dos Passos, 231 – Centro
Dom Camilo, Av. Atlântica,3056/ A – Copacabana
La Fiorentina, Av. Atlântica, 458/ A – Leme
Degrau, Av. Ataulfo de Paiva, 517 – Leblon
Álvaro’s, Rua Cupertino Durão, 87 – LeblonCais do Oriente , Rua Visconde de Itaboraí, 8 – Centro
Couve Flor, Rua Pacheco Leão, 724 – Jardim Botânico
Café e Bar Hipódromo, Praça Santos Dumont, 108 – Gávea
Cervantes, Av. Prado Júnior, 335/B – Copacabana

Outras opções

Pizza Park, Cobal Humaitá / Cobal – Leblon
Café Lavazza, Museu da República
Restaurante Museum, Rua do Catete, 153 – Catete
Planetário da Gávea, Rua Padre. Leonel Franca, 240 – Gávea

Bares com música

Samba e Chorinho
Carioca da Gema, Rua Mem de Sá, 79 – Lapa
Sacrilégio, Rua Mem de Sá, 81 – Lapa
Rio Scenarium , Rua do Lavradio, 20 – Lapa
Emporium 100, Rua do Senado, 53 – Centro
Casa da Mãe Joana, Av. Gomes Freire, 547/ sobrado – Lapa
Centro Cultural Carioca, Rua do Teatro, 37 – Praça Tiradentes
Semente, Rua Joaquim Silva, 138 – Lapa
Dama da Noite, Av. Gomes Freire, 773 – Lapa

Outros Ritmos

Mistura Fina, Av. Borges de Medeiros, 3207 – Lagoa
Vinicius Bar, Rua Vinícius de Moraes, 39 – Ipanema
Ballroom, Rua Humaitá, 110 – Humaitá
Bar do Tom, Rua Adalberto Ferreira, 32 – Leblon

Para dançar

Melt, Rua Rita Ludolf, 47 – Leblon
Nuth, Av. Armando Lombardi, 999 – Barra
Bunker, Rua Raul Pompéia, 94 – Copacabana

Viagens

Mac Turismo, Rua México, 3/ 170 andar - Centro, Tel. 2544.6996
Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, Av. 20 de Janeiro, s/nº – Ilha do Governador, Tel. 3398.5050
Aeroporto Santos Dumont, Praça Senador Salgado Filho, s/nº – Centro, Tel. 3814.7070
Rodoviária Novo Rio, Av. Francisco Bicalho, 1 – Centro, Tel: 2291.5151
Varig, Tel: 0300-7887000
TAM, Tel: 0300-1231000
Gol,Tel: 0300-7892121
Vasp, Tel: 0300-7891010

Telefones úteis

Polícia Militar, 190
Guarda Municipal, 1532
Defesa Civil, 199
Corpo de Bombeiros, 193
Pronto Socorro, 192
Serviço despertador, 134
Hora certa, 130
Achados e Perdidos, 159
Polícia Civil, 3399.3217
Polícia Federal, 2291.2142
Delegacia do Turista, 3399.7170
Delegacia da Mulher, 3399.3370
Disque Denúncia, 2253.1177

nota

1
Mensagem enviada para os participantes do XVII Congresso Brasileiro de Arquitetos no Rio de Janeiro, 29 de abril a 03 de maio de 2003.

sobre o autor

Carlos Fernando de Souza Leão Andrade é arquiteto e presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento do Rio de Janeiro

comments

035.00
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

035

035.01

A indústria do medo e a vida na cidade

Clarissa Moreira

035.02

Concursos públicos de projetos no Rio de Janeiro

Luiz Fernando Almeida Freitas

035.03

John Hejduk: sobre o que jamais estará num desenho qualquer

Rita de Cássia Lucena Velloso

035.04

Sobre el libro “500 años de construcciones en Cuba”

Juan de las Cuevas Toraya

035.05

Breve histórico da Internacional Situacionista – IS

Paola Berenstein Jacques

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided