Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Humberto G. Ortiz apresenta sua trilogia de poemas que tenta ser uma resposta à eterna pergunta do pesquisador e escritor de arquitetura... O que é Arquitetura? Afim de encorajar os leitores à procura de frescor, objetividade e vitalidade no trabalho

english
Humberto González Ortiz presents his trilogy of poems that try to be an answer to the eternal question of the researcher and writer of architecture ...: What is Architecture?

español
Humberto González Ortiz presenta su trilogía de poemas que intenta ser una respuesta a la eterna pregunta del investigador y escritor de arquitectura...: ¿Qué es la arquitectura?

how to quote

GONZÁLEZ ORTIZ, Humberto. O que é Arquitetura. Três Poemas, Seis Imagens. Drops, São Paulo, ano 09, n. 027.06, Vitruvius, maio 2009 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/09.027/1796>.


Corpo, vista da Cidade de Lisboa, janeiro 2007 [Figura de Humberto González Ortiz]


Esta trilogia de poemas tenta ser uma resposta à eterna pergunta do pesquisador e escritor de arquitetura...: O que é Arquitetura? Espero com estas pequenas reflexões, encorajar os leitores à procura permanente de frescor, objetividade e vitalidade em nosso trabalho arquitetônico atual.

Em um mundo no qual as desigualdades crescem exponencialmente, as necessidades seguem sendo prementes em uma parte majoritária do mundo pobre, e as respostas arquitetônicas seguem sendo débeis e aquietadas pela voracidade da publicidade e o glamour, ofereço aos leitores uma visão, outra, que tenta também achar respostas contundentes, eficientes, poéticas e democráticas ante a atual realidade do nosso ofício arquitetônico.

Minhas dissertações estão sobre a mesa, espero poder compartilhar meus raciocínios.

Corpo

“... meu corpo está submerso em um espaço que não é nunca unidimensional e específico...”

Olhares nos envolvem
Incompreensíveis
Luxúria de percepções
Caos de ser
De viver como corpo
Como sensibilidade capaz
De envolver traços melancólicos
Sutis
Reais

Mundo de contrastes
Fachadas multifacetadas
Percebem meu andar simples
Cotidiano
Nos fundimos... somos um
Andamos juntos as sombras que jogam
Que transcendem sua estrutura
Minha estrutura

Cores de variáveis infinitas
Pórticos floridos
Minha mão na sua
Beijo-te
Faço-te minha
Me alimento de ti
De teu sorriso
De teu espaço
De teu fôlego

Nossas sensações tomam forma
Posso sentir o calor do teu sorriso
Teu símbolo perfeito
Tua nudez mais esquisita
Tuas paredes endurecidas
Tua luz que me ilumina
Teu corpo que me excita

Só então
Aquele caos caótico simbiotiza
O calor de teu “senna” aceso
/Doce/
De tuas curvas perfeitas
Da perceptível luxúria de teu corpo
Tu, és minha
Eu, sou teu
Então, nosso corpo
            É nosso

Olhares nos envolvem
Formas
Bruma racional
Que nos acompanha como volumes sob a luz
Como ordens desordenadas
Como espaços criados com beleza infinita

Absorvemos os olhares
Interpostos como um diálogo
Que nos envolve
Que nos duplica
É então, que nossa arquitetura
            É nossa.

Espaço

“... estas interconexões não são realidades já dadas, e sim tem que ser construídas...”

Estamos envoltos dentro de quatro paredes brancas
Vermelhas
Azuis
Amarelas
A cor não importa
Importa o calor do teu corpo
Junto ao meu

Aberturas que nos incitam a olhar
Ao finito infinito
À Andrômeda próxima e distante
Ao abismo perfeitamente redondo que nos olha
Desde o outro lado da lua
Da vida
Aberturas que nos convidam a andar
Caminhamos então por lugares inscritos
Em um mesmo espaço
Como recorrer os montes brancos de teu peito
Ou se perder na rosa púrpura de teus lábios
Ou interconectar nossos instantes de respiração
De agouro
De canto perdido
De realidade abrupta

Aberturas abertas à luz
À leveza incrédula
À manivela de tuas mãos no ar
À doçura de teu gesto
À estilizada figura de teus dedos
Ao suave cair de teus cabelos
Em teu rosto meu

Paredes nos envolvem
Transpiram
Comunicam
Convidando a cheirar teu odor feminino
A degustar o odor cândido do pinho
A descansar em um balcão outonal em teu domingo secreto

Paredes e aberturas brotam da forma
São espaço
São corpo
São interconexão de sensações
São utopia e realidade
São agoras e sempres
 (O demais é só dialética que voa)
Espaço é nosso corpo
Espaço é nosso espaço.

Sonhei com um Lugar

“... meu corpo habita entre todos esses espaços que compõem a sociedade...”

Levanto o olhar
A distância se perde
Revirando-se em extensas fantasias
Terra firme que gera vida
Ainda que sem um corpo resulte demasiado absurdo
Estar vivo
Ter lugar
Ter espaço para respirar sem respiração

Levanto o olhar
Aproprio-me do que me rodeia
Silêncio
Pintassilgos que revoluteiam na alvorada
Eternidade
Solidão anunciada
Continuo vivo sem sentir tua respiração

Levanto o olhar
Aproprio-me das formas
Dos usos que as habitam
Mortos me permitem olhar
Ao andar que avança
Sobre felicidades mortas
Clandestinas
Continuo vivo sem sentir tua respiração

Levanto o olhar
Arquitetura me rodeia
A minha
Minha forma
Meu espaço vazio de ti
De mim
A forma arquitetônica alvoroça meus neurônios
Incitando minhas ânsias de viver

Levanto o olhar
O céu avança apressado
Sobre minha esvoaçada cabeça
Abrigo-me em tua forma
Em teu espaço
Na lembrança de teu corpo
De tua pátria
De tua bandeira

Levanto o olhar
Sonho-te comigo e te tenho
Abraço-te
Respiro-te
Percorro-te
Minha arquitetura então te resguarda
Resguarda-me

Levanto o olhar
Sonho um âmbito perfeito
Uma arquitetura simples e plana
Que rompe a marcha das coisas feitas
A simplicidade da vida dos homens
Miro-te a ti
Abrigada sob o leito amplo
Decido as formas

Levanto o olhar
Despertando excitado
E então só sonho
            /Que sonhava/

[tradução Pamela Bassi]

sobre o autor

Humberto González Ortiz é Doutor em Arquitetura pela Universidade Politécnica de Catalunha e arquiteto da Universidade Nacional Autônoma de México.

Humberto González Ortiz, Barcelona Espanha

Corpo, vista da Cidade de Lisboa, janeiro 2007 [Figura de Humberto González Ortiz]

Espaço, capela de Ronchamp, Le Corbusier, próximo de Belfort-França, 1950-1955, França, 1995 [Figura de Humberto González Ortiz]

Espaço, capela de Ronchamp, Le Corbusier, próximo de Belfort-França, 1950-1955, França, 1995 [Figura de Humberto González Ortiz]

Sonhei, pátio do Edifício Aristos. Cidade de México, arquiteto Josep Lluis Benlliure, 2002 [Figura de Humberto González Ortiz]

Sonhei, pátio do Edifício Aristos. Cidade de México, arquiteto Josep Lluis Benlliure, 2002 [Figura de Humberto González Ortiz]

 

comments

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided