Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Texto curatorial da exposição intitulada “Brasília, a idéia de uma capital: a legislação e o debate parlamentar”, que tem como escopo analisar a construção da ideia de uma capital para o país

how to quote

NETO, Casimiro; MACEDO, Danilo Matoso; ORIÁ, José Ricardo; MENCK, José Theodoro Mascarenhas. Brasília, a ideia de uma capital. Exposição no Salão Negro do Congresso Nacional. Drops, São Paulo, ano 10, n. 033.04, Vitruvius, jun. 2010 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/10.033/3463>.


Palácio Monroe (1904), que sediou a Câmara dos Deputados (1914-1922) e o Senado Federal (1925-1960)


No âmbito do senso comum, consagrou-se a ideia de que a transferência da capital para o interior do País é recente, tendo surgido a partir da segunda metade do século XX, no governo do Presidente Juscelino Kubitschek (1956-1960). A História não é bem essa. Desde os tempos de colônia, houve propostas para a mudança da capital.

A presente exposição, intitulada “Brasília, a idéia de uma capital: a legislação e o debate parlamentar”, tem como escopo analisar a construção da ideia de uma capital para o país, ressaltando o papel do Poder Legislativo na discussão de propostas e na elaboração de projetos com essa finalidade.

Frei Vicente do Salvador, considerado nosso primeiro historiador, já fazia críticas ao processo de colonização dos portugueses, ao afirmar que "sendo grandes conquistadores de terras, não se aproveitam delas, mas contentam-se de as andar arranhando ao longo do mar como caranguejos" (História do Brasil, de 1627). Havia, pois, a necessidade de ocupar o território de dimensões continentais e isso implicava a interiorização da metrópole portuguesa.

No século XVIII, os inconfidentes mineiros propunham, no bojo desse movimento emancipacionista, a transferência da capital para a cidade de São João Del-Rey (1789). Como sabemos, o movimento fracassou, mas a ideia de interiorização da sede do governo não. Ela é retomada pelo jornalista Hipólito José da Costa que, à frente do jornal Correio Braziliense, propõe a mudança da capital nas proximidades do Rio São Francisco (1813).

Na verdade, conforme veremos no decorrer desta exposição, houve várias propostas para a transferência da capital do Rio de Janeiro para o interior do País em diferentes momentos históricos. Nesse processo, vale ressaltar, o Poder Legislativo teve um papel de destaque, muitas vezes relegado ao esquecimento por parte da historiografia oficial brasileira, que elegeu o Poder Executivo como artífice único nas teses de interiorização da capital do País.

Pode-se dizer que a primeira proposta parlamentar de mudança da capital foi a de José Bonifácio de Andrada e Silva, quando redigiu documento aos deputados paulistas que participaram das Cortes de Lisboa (1821). Essa proposta foi retomada por ocasião dos debates de nossa primeira Assembleia Constituinte de 1823. Bonifácio sugeriu o nome Petrópolis ou Brasília para a nova capital. Segundo ele, a mudança justificava-se, pois a cidade do Rio de Janeiro não oferecia segurança, uma vez que, desde o séc. XVIII, fora alvo constante de invasões, saques e pilhagens de corsários franceses. Havia também por parte das elites locais uma espécie de “medo da onda negra”, através de um possível levante ou motim, uma vez que a população do Rio de Janeiro era composta majoritariamente por negros e mestiços (cerca de 2/3 da população). Nossa primeira Assembléia Constituinte foi dissolvida e a Constituição de 1824, outorgada pelo Imperador D. Pedro I, não incorporou essa tese da interiorização da capital.

Vários parlamentares elaboraram proposições legislativas objetivando a mudança do centro decisório do poder. Destaque especial é dado ao primeiro projeto de lei de transferência da capital, apresentado na Câmara dos Deputados em 1831, de autoria do Deputado paraense João Cândido de Deus e Silva. Não podemos também deixar de mencionar o trabalho do historiador e diplomata Francisco Adolfo de Varnhagem que, a exemplo dos viajantes estrangeiros em suas expedições Brasil adentro, visitou o Planalto Central, com o objetivo de encontrar um sítio adequado para a construção da nova capital, a que propõe o nome de Imperatória.

Com a implantação da República, a mudança da capital ganhou força constitucional, através da Carta Magna de 1891. As constituições posteriores (1934 e 1946) trazem em seu texto a vontade política de transferência da capital para o interior do País, com exceção da Constituição de 1937, fruto do golpe impetrado por Getúlio Vargas, que inaugurou o chamado Estado Novo (1937-1945). Esse período representou o maior recesso parlamentar forçado de nossa História Política.

Mesmo com o Estado Novo, a mudança da capital foi pensada no contexto da chamada “Marcha para o Oeste”, cujo principal ideólogo era o escritor Cassiano Ricardo que, em obra homônima (1942), coloca a transferência da capital como extensão do movimento bandeirante ocorrido nos sécs. XVII e XVIII.

Com a queda de Vargas e a redemocratização do País, a Constituição de 1946 retomou a ideia de mudança da capital, que ganhou força no contexto do projeto nacional-desenvolvimentista do Presidente Juscelino Kubitschek, apesar de inúmeras resistências por parte da imprensa e de Parlamentares da UDN que faziam oposição sistemática ao governo.

Em 1956, a “Mensagem de Anápolis” dispôs sobre a mudança da Capital Federal e o PL nº 1.773/1956, de autoria do Deputado Emival Caiado, ao fixar a data de mudança da capital para o dia 21 de abril de 1960, ratificaram a transferência do Rio de Janeiro para Brasília, consolidando o processo de interiorização do núcleo decisório do poder.

A escolha da data de inauguração de Brasília (21 de abril) reveste-se de um simbolismo histórico, unindo o presente ao passado, ao reforçar o ideário republicano em torno da figura de Tiradentes- nosso herói nacional por excelência - e a ideia de mudança da capital na proposta dos inconfidentes mineiros.

No decorrer da exposição, é dada ênfase às diferentes sedes do Poder Legislativo, através de fotos, desenhos, maquetes e plantas, com a finalidade precípua de salientar o lócus histórico em que se deu o debate parlamentar das propostas de mudança da capital. Com a construção de Brasília, pela primeira vez em nossa História política, teremos uma única sede para as duas Casas Legislativas. O Palácio do Congresso Nacional dá a correta dimensão do bicamarelismo brasileiro, além de expressar a beleza arquitetônica projetada por Oscar Niemeyer em um dos poucos edifícios tombados pelo governo federal em Brasília e que integram o patrimônio histórico e artístico nacional.

Essa exposição se insere nas comemorações alusivas ao cinquentenário de Brasília e à transferência da Câmara dos Deputados para o Planalto Central, após 137 anos de funcionamento no Rio de Janeiro. Consideramos que a comemoração de efemérides, sobretudo as de cunho histórico, propicia o resgate de nossa memória como instrumento de afirmação da identidade nacional, ao tempo em que possibilita analisar criticamente o passado como meio para melhor se compreender o presente e projetar um Brasil mais justo e solidário para as atuais e futuras gerações.

sobre os autores

Casimiro Neto, Danilo Macedo, Theodoro Menck e Ricardo Oriá são curadores da exposição “Brasília, a idéia de uma capital: a legislação e o debate parlamentar (1549-2010)”, Salão Negro do Congresso Nacional, de 26 de maio a 22 de agosto de 2010.

sobre a exposição

Exposição “Brasília, a ideia de uma capital: a legislação e o debate parlamentar, de 1549 a 2010”

Curadoria: Casimiro Neto, Danilo Matoso Macedo, José Ricardo Oriá e José Theodoro Mascarenhas Menck

Abertura: dia 26 de maio, 19h

Visitação: de 26 de maio a 22 de agosto - todos os dias da semana, das 9h às 17h

Local: Salão Negro do Congresso Nacional

Visitas guiadas: agendar pelo telefone (061) 3274-6325

Casimiro Neto, Danilo Macedo, José Theodoro Mascarenhas Menck e José Ricardo Oriá, Brasília DF Brasil

Palácio Monroe (1904), que sediou a Câmara dos Deputados (1914-1922) e o Senado Federal (1925-1960)

 

comments

033.04
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

033

033.01

Affonso Eduardo Reidy

Roberto Segre

033.02

Eliana Cárdenas: una dolorosa ausencia

Lohania Aruca Alonso

033.03

Brasília

O avesso do avesso do Brasil

Guilherme Wisnik

033.05

Hotel Guaraní: la marca del lugar

César Augusto Morra

033.06

O aeroporto de Brasília merece respeito

Igor Soares Campos

033.07

Definición cromática

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

033.08

Plano Diretor de São Paulo

Uma nova visão

Alberto Botti

033.09

Carta do Recife

Instituto dos Arquitetos do Brasil IAB

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided