Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

how to quote

JAYO, Martin. Cine Líder. O estacionamento mais bonito de São Paulo. Drops, São Paulo, ano 14, n. 079.01, Vitruvius, abr. 2014 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.079/5118>.



O Cine Líder ficava (e uma parte importante dele ainda fica) na rua Conselheiro Nébias 197, no bairro de Santa Ifigênia, centro de São Paulo.

Quando foi inaugurado, em 1961, ele era um “moderno e acolhedor cinema em pleno coração da cidade”, e sua proposta era especializar-se em reprises de filmes de sucesso. O Manto Sagrado, Terra dos Faraós, Rebelião na Índia e Tarde Demais para Esquecer, todos da década de 1950, estavam no programa de estréia. As seções começavam às 10 da manhã e os preços eram populares, com descontos para estudantes e militares. “O Cine Líder agradece desde já a sua preferência, prometendo fazê-lo reviver deliciosos momentos do passado”, dizia o anúncio na Folha de S. Paulo.

Pelo jeito, a proposta não deu muito certo. Menos de um ano depois da inauguração, as delícias prometidas eram de outra natureza. “Os mistérios do sexo desvendados num filme realista”, dizia um anúncio de 1962, e também avisava que o cinema era “só para homens” e “reservado para um público adulto”.

Nos anos 1970 o cinema mudou de nome. Virou Cine-Teatro Can Can e incrementou a atividade: passou a intercalar as projeções de filmes com shows no palco. Esta foi a fase mais duradoura. De Pernas Abertas, O Negócio Está De Pé, O Vale das Taradas e Bacanal na Ilha da Fantasia foram algumas das inúmeras produções cinematográficas exibidas. Numa foto de 1981, um letreiro luminoso instalado na fachada descreve o local como “paraíso do teatro erótico e do cinema realista”.

O último anúncio em jornais saiu em 1990 (estava em cartaz Fêmeas que Topam Tudo) e o prédio foi demolido logo depois. Mas ficou em pé a parede lateral da plateia, de onde uma paisagem mexicana, um cameraman, um diretor de cinema, o Carlitos de Chaplin e um índio de faroeste assistiam impassíveis a todas as mudanças. Eles foram ficando ali, juntos e firmes. E apesar das adversidades, nunca deixaram de cumprir a promessa da inauguração: nos fazem reviver até hoje “deliciosos momentos do passado”.

Na minha opinião, este é o estacionamento mais bonito de São Paulo.

sobre o autor

Martin Jayo é professor da EACH-USP e editor do blog “Quando a Cidade era Mais Gentil”.

Anúncio no jornal Folha de S. Paulo, 4 de abril de 1962
Imagem divulgação

Fachada do cinema em 1981
Foto divulgação [Arquivo Centro Cultural São Paulo]

O Cine Líder hoje
Foto Monica Hikaru Kaneko

O Cine Líder hoje
Foto Monica Hikaru Kaneko

O Cine Líder hoje
Foto Monica Hikaru Kaneko

 

comments

079.01 cinemas
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

079

079.02 rios urbanos

Conferência City + Water

28 de fevereiro de 2014, Universidade da Califórnia

Lorenza Pavesi

079.03 sociedade

Felicidade, onde moras?

André Luiz Joanilho

079.04 urbanização

Permeabilidade urbana

A urbanização do cais

Douglas Aguiar

079.05 tecnologia

XVII Congresso SIGraDi

Evento sobre gráfica digital é realizado em Valparaiso

Gabriela Celani

079.06 ativismo

Projetando processos

Ocupação do Viaduto Engenheiro Andrade Pinto em Belo Horizonte

Elaine Terrin, Laura Sobral, Marcella Arruda, Miguel Rodriguez and Raphael Franco

079.07 homenagem

David Libeskind, 1928-2014

A casa do homem e a utopia do Conjunto Nacional

Abilio Guerra

079.08 direito à cidade

Rolezinhos

Atos de resistência e ocupação

Stephanie Ribeiro

079.09 méxico

Acerca del arquitecto Juan O’Gorman

A la raíz de unas palabras de Toyo Ito

Humberto González Ortiz

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided