Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
No Brasil, “ocupar e resistir” é uma expressão comumente relacionada às lutas por moradia e por terra. Os chamados “rolezinhos”, que ganharam destaque midiático no início deste ano, acrescentam novos significados a esta expressão.

how to quote

RIBEIRO, Stephanie. Rolezinhos. Atos de resistência e ocupação. Drops, São Paulo, ano 14, n. 079.08, Vitruvius, abr. 2014 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.079/5143>.



No Brasil, “ocupar e resistir” é uma expressão comumente relacionada às lutas por moradia e por terra. Porém, considero que os chamados “rolezinhos”, que ganharam destaque midiático no início deste ano, acrescentam novos significados a esta expressão. Estes atos, surgidos como uma reação à crescente segregação socioespacial das cidades brasileiras, caracterizam-se como ações de ocupação de espaços historicamente e ideologicamente negados ao povo e como ações de resistência ao racismo e ao elitismo profundamente arraigados em nossa sociedade.

Nunca imaginei que um dia a ida ao shopping seria vista como um ato de resistência política. Os chamados “rolezinhos;” noticiados pelos meios de comunicação desde dezembro de 2013, consistem em uma simples ida de jovens, em grupos, aos shopping centers. Algo comum, já que o grande contingente de frequentadores destes espaços são jovens. Porém, o que despertou a revolta de algumas pessoas em relação a estes “rolezinhos” foi o tipo de jovem que o está realizando: pobres e, em sua maioria, negros.

O ápice da revolta gerou ações de repressão contra a circulação de jovens, como uma liminar para impedir o "Rolezaum no Shoppim", evento marcado por meio do Facebook, para o último sábado, 11 de janeiro, no Shopping JK Iguatemi, um símbolo do luxo e da ostentação da elite paulistana; evento que foi criando como forma de protesto à segregação da juventude pobre e negra e resultou na instalação de portas blindadas, vigiadas por policiais e a presença de um oficial de justiça na entrada do local. E a agressividade elitista também se manifestou no outro extremo da cidade, no Shopping Metrô Itaquera, onde houve conflitos com bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e pessoas sendo detidas pela Polícia Militar. Isto são consequências do incômodo que pobres e negros, até então “escondidos”, podem causar, quando resolvem retomar seu Direito à Cidade. Esta que, por sinal, não esconde sua configuração segregacionista, dividindo-se em Casa Grande, atualmente os bairros centrais e os “nobres”, e Senzala, representada pela periferia distante. Já é uma regra para a sociedade brasileira, não uma exceção, varrer o que não agrada para debaixo do tapete.

Atitude de limpeza que é ressaltada quando percebemos a invasão de shoppings em áreas até então desvalorizadas. É um jogo de contradições, um grande empreendimento que vende como propaganda lazer, entretenimento e consumo; que se instala num ambiente carente de espaços públicos e enfraquece por conta da sua estrutura o comércio local, criando uma situação de dependência desses moradores para com ele. Mas que ao mesmo tempo, nega os moradores da região, e valoriza a terra ao seu redor, criando um processo de expulsão daqueles que não conseguem lidar com o aumento dos IPTUs. Em outras palavras, estão agregando valor à periferia para mudar a cara da periferia.

O que não imaginavam é que surgiriam os chamados “rolezinhos”, que geraram a necessidade imediata de “limpeza” da forma como já se é acostumado a fazer. Denúncias contra estabelecimentos por mau atendimento, negados a negros e/ou pobres, não é fato recente, mas antigo e corriqueiro em nossa história. Contudo, o mais revoltante é quando se justifica a proibição dos “rolezinhos” com o argumento de que se está tentando prevenir arrastões, restringindo, dessa forma, o direito destes jovens, tendo como fundamento um crime que os mesmos nem cometeram, culpabilizando-os antecipadamente. Tal atitude frequente e execrável é bem traduzida na expressão “tem cara de bandido”, que nem é preciso esclarecer o quanto é racista e elitista.

Devemos resistir, pois somos empregadas nesse momento sentadas no sofá da mulher branca de classe média alta, e ela está nos dizendo que não deveríamos estar lá, porque aquele não é o nosso lugar, deveríamos estar no quartinho da empregada, segundo sua lógica. Mas não queremos e não vamos obedecer, vamos resistir cobrando: espaços públicos; fiscalização pra esses grandes empreendimentos que se espalham tão facilmente, como é o caso dos shoppings; uma cidade que não seja socialmente e espacialmente segregadora e soluções que não sejam mais nocivas e despreparadas para lidar com tais situações, como a criação de um “Rolezodromo”, sugerida pelo governador. Por fim, reafirmando nosso lugar, que é nos shoppings, nas cidades, nas ruas ou em qualquer local que seja da nossa vontade, pois somos livres.

sobre a autora

Stephanie Ribeiro é estudante de Arquitetura e Urbanismo na Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

 

comments

079.08 direito à cidade
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

079

079.01 cinemas

Cine Líder

O estacionamento mais bonito de São Paulo

Martin Jayo

079.02 rios urbanos

Conferência City + Water

28 de fevereiro de 2014, Universidade da Califórnia

Lorenza Pavesi

079.03 sociedade

Felicidade, onde moras?

André Luiz Joanilho

079.04 urbanização

Permeabilidade urbana

A urbanização do cais

Douglas Aguiar

079.05 tecnologia

XVII Congresso SIGraDi

Evento sobre gráfica digital é realizado em Valparaiso

Gabriela Celani

079.06 ativismo

Projetando processos

Ocupação do Viaduto Engenheiro Andrade Pinto em Belo Horizonte

Elaine Terrin, Laura Sobral, Marcella Arruda, Miguel Rodriguez and Raphael Franco

079.07 homenagem

David Libeskind, 1928-2014

A casa do homem e a utopia do Conjunto Nacional

Abilio Guerra

079.09 méxico

Acerca del arquitecto Juan O’Gorman

A la raíz de unas palabras de Toyo Ito

Humberto González Ortiz

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided