Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Primeiro livro da Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira, curadoria de Eder Chiodetto, o volume traz a obra de Araquém Alcântara, especializado na documentação da natureza e do povo brasileiro.

how to quote

CHIODETTO, Eder. Araquém Alcântara. Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira. Drops, São Paulo, ano 15, n. 087.05, Vitruvius, dez. 2014 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/15.087/5368>.



Predestinação existe? Difícil sabê-lo. Mas há, com certeza, determinados momentos-catarses na vida de uma pessoa que parecem orientá-la para uma direção incontornável. Com o ainda garoto Araquém, esse instante transformador ocorreu no escuro, com a luz diante dos seus olhos, numa sessão maldita de cinema, e o catapultou irreversivelmente para o mundo das imagens. Segundo o próprio:

“Aos 14 anos eu queria ser jornalista, quem sabe escritor. Atravessei a adolescência embrenhado nos grandes sertões, veredas, de Guimarães Rosa. A ele se seguiram Lima Barreto, Machado de Assis, J. D. Salinger e Joseph Conrad. Em 1970, ingressei na Faculdade de Comunicação de Santos. Logo trabalhava na sucursal do Estadão e Jornal da Tarde.

Uma noite fui ver uma sessão maldita que um francês, Maurice Legeard, organizava em Santos. O filme era A Ilha Nua [1960], de Kaneto Shindo. Um filme quase sem história ou palavras. Um casal vivendo com dois filhos numa ilha inóspita. E a faina diária de levantar, buscar água, preparar a terra, a comida, buscar água outra vez, a canoa no trapiche, os pássaros nas pedras, os remos contra as ondas. A força e a beleza pura da imagem. A imagem como síntese do dizer. Eu, no escuro, fui tendo uma epifania, um alumbramento. Sai do cinema tonto, abalroado, chamado.

No outro dia uma amiga, Marinilda, mostrou-me umas fotos bem comuns, de álbum de família, feitas com uma Yashica. Ainda doente, febril do filme, mal olhei as fotos. Pedi a Yashica da Marinilda emprestada, comprei três filmes preto e branco e à noite fui para um cabaré do porto onde costumava ouvir bandas de rock e, com sorte, a canja de algum famoso de passagem.

Câmara na mão, dois filmes no bolso, nenhuma técnica na cabeça, nervoso como em toda primeira vez. Mesmo sem coragem para nada, obscuramente sabia que naquela Yashica, naqueles filmes, estava segurando uma vida. Saí tarde, sem apertar o botão.

No ponto do ônibus, já amanhecia quando uma das moças do cabaré passou e desafiou:

– Quer fotografar, é? Quer fotografar? Pois então fotografa aqui. Levantou a saia e mostrou o sexo.

Foi minha primeira foto”.

Esse momento-catarse, ocorrido há mais de 40 anos, impulsionou Araquém a percorrer com sua câmera o Brasil todo inúmeras vezes. Houvesse uma forma de contar em quilômetros suas andanças, certamente saberíamos que ele foi uma das pessoas que mais percorreram este país, indo, inclusive, a diversos lugares a que ninguém ou quase ninguém conseguiu chegar, como quando fotografou a totalidade dos parques nacionais nesta Terra do Pau-Brasil.

Ninguém palmilha incólume as vastas terras deste país. Ao peregrinar com sua câmera, Araquém foi forjando a sol, sombra, poeira, fogo e torrentes de água um ser poético e político. O contato íntimo, orgânico com a natureza, a contemplação como exercício fundamental do seu ofício o tornaram um ser irreversivelmente intuitivo. Capaz de perceber as dimensões que se interpõem entre o visível e o oculto, entre o mensurável e o impalpável.

Como ele próprio diz:

“Aquele que mergulha na viagem do ver tem que estar sempre com as portas da percepção abertas. Sabe que, diante do eterno, precisa esquecer de si próprio. A criação é o que importa, gesto fundamental, caminho de conhecimento, poderosa arma de encontrar o mundo.

O ato criativo é contínuo e sem fim. A prática sempre renovada de contemplar humaniza a visão, anula verdades, permite a inventividade, realça o eu interior.

Nesta respeitosa relação consigo mesmo, o fotógrafo cria algo de original e significativo, com espontaneidade e fluência. O observador se confunde com a coisa observada, o vazio se instaura. O que estava contido volta a pulsar, o que antes era pressentimento agora é realização. A pureza do seu diálogo lhe diz que na verdade, por mais fotos que faça, por mais poeira que tire dos olhos, continuará andando solitário com sua câmera. Mas ele também sabe que está aprendendo outra arte bem maior: a arte de não ser coisa alguma, de não ser mais que o nada, de dissolver-se a si próprio, no vazio entre o céu e a terra”.

Como as imagens deste livro – um breve panorama de alguns grandes momentos da fotografia em preto e branco de Araquém – atestam, essa ideia de dissolver-se em si próprio levou o ser poético a buscar momentos de beleza sublime, do momento-ápice, fruto da contemplação zen, da capacidade de se integrar harmoniosamente ao ambiente e ao instante e, sobretudo, da observação meticulosa da luz e de como ela é um agente transformador.

A beleza, no entanto, não é para investir suas fotografias ou, menos ainda, a natureza com o manto de Narciso. A beleza, em Araquém, é gesto político, é utopia desmesurada. É o avesso da feiura, essa ameaça que fica à espreita o tempo todo.

Ao caminhar nessa já longa estrada, Araquém colecionou, além de imagens, muitos amigos, parceiros de trabalho. Um deles foi o memorável e combativo jornalista e escritor Marcos Faerman. Num de seus textos sobre a obra de Araquém, ele comenta essa vertigem existente entre o ser poético e o gesto político:

“Em Araquém o mais suave registro é a fotografia. Alguma coisa radical que liga o fotógrafo ao mundo dos alquimistas das imagens. Suas fotos são imperdíveis.

Fotos que são o exercício de uma vertigem: a justiça. De uma utopia que é um labirinto que nos levaria a outra ordem, ou à desordem do mundo real. Porto de acesso ao mundo dos sonhos. Uma fotografia insubmissa, cúmplice dos derrotados. Amiga da própria respiração do Sol. O fotógrafo Araquém Alcântara proclama que os pedaços de mundo que chamamos de fotografia também são realidade.

Araquém entra pelas suas fotos nos segredos do planeta. O que comove, o que transforma, o que transtorna o fotógrafo é que ele conseguiu descobrir alguns segredos da natureza e dos homens. O que o desespera é que ele quer, pela sua obra, tantas vezes premiada, já aplaudida em tantas cenas de revista, em exposições até em Paris, contribuir para salvar os últimos sinais de humanidade emitidos aqui”.

Essas fotografias “insubmissas” que fazem da beleza seu grito de alerta, e que agora o leitor poderá apreciar nesta Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira, incontornavelmente se tornarão um dos patrimônios iconográficos mais importantes deste país, no que toca ao registro sensível e sistemático da fauna e da flora brasileiras realizado nas quatro últimas décadas. O tempo é o grande aliado dessas imagens.

Mas a vertente política do trabalho de Araquém, importante frisar, não existe sem a dimensão onírica, sem que o artista a cada nova viagem para dentro da câmera fotográfica se deixe dissolver nas luzes refletidas pela paisagem, seja na sua potência visual, seja naquilo que há de incontido nela.

A contemplação reinventa mundos, como ele nos faz intuir neste depoimento: “A prática sempre renovada de contemplar humaniza a visão, anula verdades, permite a inventividade, realça o eu interior. A recompensa é a experimentação mística e o encontro com a beleza. O fotógrafo sente, nesse momento fugaz, algo parecido com o satori zen-budista: um momento de revelação, um indefinido e maravilhoso prazer”.

Predestinação existe? Diante desses relatos e destas imagens, a resposta fica cada vez mais difícil, complexa. Melhor esquecer a questão e entrar na viagem que estas fotografias que marcam o início da Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira proporcionam. Entre tempos e espaços diversos que revisitam em imagens as andanças de Araquém, podemos ser surpreendidos por um momento-catarse. Que ele então nos oriente a caminho da “Ilha Nua”, esse lugar símbolo da transformação pessoal. Há uma ilha sempre a nos esperar em algum lugar imemorial.

Boa viagem.

nota

NE – Texto de apresentação do livro de fotografias CHIODETTO, Eder (Org.). Cristiano Mascaro. Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira, volume 1. São Paulo, Ipsis, 2013. Os textos publicados mesma coleção são os seguintes:

CHIODETTO, Eder. Araquém Alcântara. Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira. Drops, São Paulo, ano 15, n. 087.05, Vitruvius, dez. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/15.087/5368>.

CHIODETTO, Eder. Nelson Kon, o fotografo cronista. Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira. Drops, São Paulo, ano 15, n. 087.06, Vitruvius, dez. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/15.087/5369>.

CHIODETTO, Eder. Cristiano Mascaro, fotogenia e latências. Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira. Drops, São Paulo, ano 15, n. 087.07, Vitruvius, dez. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/15.087/5370>.

sobre o fotógrafo

Araquém Alcântara, 62 anos, se dedica desde 1970 à documentação da natureza e do povo brasileiro. Em sua produção constam 44 livros sobre temas ambientais, 22 livros em coautoria, 5 prêmios internacionais, 32 prêmios nacionais, 75 exposições individuais, inúmeros ensaios e reportagens para jornais e revistas nacionais e estrangeiras. Entre seus prêmios mais importantes destacam-se o Prêmio Dorothy Stang de Humanidade, Tecnologia e Natureza – categoria Humanidade, 2007; Prêmio Fernando Pini, de melhor livro de arte do ano, com a obra “Mar de Dentro”, 2007; Prêmio Jabuti para o livro “Amazônia”, na categoria Arquitetura e Urbanismo, Fotografia, Comunicação e Artes, 2006; Prêmio “Von Martius” da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha, categoria Natureza, 2002; Prêmio Abril de Jornalismo nos anos 1998,2001 e 2010; Prêmio Aquisição da Coleção MASP-Pirelli em 1996; Prêmio Associação Paulista de Críticos de Artes – APCA, pela exposição “Saudade Moderna”, na reinauguração da Pinacoteca do Estado, em 1986 e o Prêmio Unicef “Presença da Criança nas Américas”, Colômbia, 1981.

sobre o organizador

Eder Chiodetto é mestre em Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Atuou como repórter-fotográfico (1991-1995), editor (1995-2004) e crítico de fotografia (1996-2010) no jornal Folha de S.Paulo. Hoje, reúne as funções de jornalista, professor, curador e pesquisador de fotografia.

Capa do livro Araquém Alcântara, Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira, volume 1
Foto divulgação

 

comments

087.05 fotografia
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

087

087.01 lina 100 anos

Porque falar de Lina Bo Bardi

Centenário da arquiteta

Liana Perez de Oliveira

087.02 homenagem

João Filgueiras Lima, Lelé

Genialidade e generosidade na arquitetura (1932-2014)

Sergio Jatobá

087.03 política

Cuba

O dia em que a terra parou

Gabriela Orlandi

087.04 exposição

Falso movimento

Jacopo Crivelli Visconti

087.06 fotografia

Nelson Kon, o fotógrafo cronista

Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira

Eder Chiodetto

087.07 fotografia

Cristiano Mascaro, fotogenia e latências

Coleção Ipsis de Fotografia Brasileira

Eder Chiodetto

087.08 política pública

Hora de cobrar

Segurança pública ou programas sociais, educacionais, culturais e de saúde qualificados?

Luiz Fernando Janot

087.09 resposta

Bienal de Veneza

Resposta às críticas de Ana Luiza Nobre

André Corrêa do Lago

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided