Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Em mais uma de suas infinitas declarações politicamente incorretas, o presidente da República defende o trabalho infantil como sucedâneo da droga, afirmação que afronta a Constituição do país e os princípios éticos contemporâneos.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. O futuro em (des)construção. O que dizer de quem quer roubar a infância alheia? Drops, São Paulo, ano 20, n. 142.01, Vitruvius, jul. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.142/7405>.



Os historiadores poderão esclarecer uma dúvida que aflige o Brasil: de onde vem e a que serve a quantidade de despautérios diários que este governo lança ao ar?

Alguns órgãos de mídia e pessoas que apoiaram Bolsonaro hoje o declaram incapaz de governar ou mesmo compreender a natureza de seu cargo. Para estes, os absurdos e bobagens espalhados pelo presidente e seus assessores mais midiáticos expressariam um conjunto de acidentes que levou ao poder uma pessoa despreparada.

Outros acreditam que as declarações da famiglia, das damares, weintraubes e helenos são uma imensa cortina de fumaça para desviar a atenção da forma escandalosa como está sendo dissipado o patrimônio nacional e como avança o perverso projeto de jogar sobre as costas dos que quase nada tem o custo de uma crise que não foi sua responsabilidade.

Mas talvez se deva admitir que uma resposta não elimina a outra. Para dizer de forma mais literária: que haja sentido na loucura.

Vejamos um exemplo recente. O presidente defende o trabalho infantil, contra a lei nacional e contra um dos consensos internacionais.

Para isso ele mente, sem nenhum pudor, quanto à própria infância. As redes rapidamente recuperaram um depoimento de seu irmão afirmando que o pai jamais permitiu que trabalhassem.

Ele também oferece a falsa opção: trabalho ou drogas. Como se a exploração infantil ou a destruição pelas drogas fossem as únicas alternativas das crianças e jovens pobres do país.

Mas afinal talvez sejam mesmo, no futuro em construção por Bolsonaro e por todos que, sincera ou oportunisticamente, o apoiam. Por que a escola pública e gratuita está sob ataque político e asfixia econômica. Por que os direitos trabalhistas já desapareceram. Por que não há nenhuma indicação de alguma política de criação de emprego ou distribuição de renda.

Nesse futuro em (des)construção, talvez nossos jovens só tenham uma alternativa fora da escola: buscar trabalho nas milícias pelas quais a famiglia tem tanta consideração e respeito.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular de uma universidade ainda pública e gratuita.

Exploração do trabalho infantil, revolução industrial inglesa, século 19
Foto divulgação

 

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided