Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos A. Ferreira Martins, professor titular do IAU USP São Carlos, comenta, a partir da música “Comida” da banda Titãs, o retorno do Brasil ao mapa da fome e a manifestação contrária do presidente, negando a informação.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. A gente tem fome de quê? Se não têm hambúrguer, que comam file mignon! Drops, São Paulo, ano 20, n. 142.06, Vitruvius, jul. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.142/7421>.



Ao final dos anos 1980, pouco depois da precária (como se vê agora) superação da ditadura, o grupo de rock Titãs emplacava um de seus maiores sucessos.

Numa letra só aparentemente simples, o talento poético de Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Sérgio Britto deixava claro que o relativo bem-estar econômico do chamado “milagre econômico” não bastava para uma sociedade que desejava voltar a respirar depois de tantos anos de chumbo.

Era o que significavam, para uma geração acostumada com censura, aqueles versos repetidos com ênfase e certa euforia militante:

a gente não quer só comida
a gente quer comida, diversão e arte

a gente não quer só comida
a gente quer saída
para qualquer parte
(1).

Uma década e meia depois, um presidente recém-eleito dizia ao país que a diversão e a arte não seriam suficientes enquanto um brasileiro – qualquer brasileiro – não tivesse direito a três refeições por dia.

Mais uma década e meia e somos governados por um presidente que quer acabar com a arte; criminaliza a reflexão e a produção de conhecimento e propõe a quem pensa diferente, escolher entre ser eliminado ou ir para qualquer parte.

Que, num único dia, diz que quer dar filé mignon ao filho que sabe “fritar” hambúrguer; chama os nordestinos de “paraíba” e afirma que não há fome no Brasil. Ou, segundo a Embratur, no Brazil!

Qualquer um de nós, andando pela antiga capital do clima e futura ex-capital da tecnologia, pode ver com seus próprios olhos uma quantidade de moradores de rua e de pedintes nos semáforos que há muitos anos não estavam ali.

Em algum momento alguém precisará cantar – ou gritar – que não é possível se divertir nem há saída para qualquer parte quando o Brasil voltou a ter milhões de brasileiros no mapa da fome da ONU.

Não é preciso acreditar na ONU. Ou nesta coluna. Apenas baixar os vidros de seu carro.

nota

1
Verso da música “Comida”, letra de Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Sérgio Britto, música inserida no álbum da banda Titãs “Jesus não Tem Dentes no País dos Banguelas”, de 1987.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos.

 

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided