Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Martins, professor do IAU USP São Carlos, denuncia as políticas antissociais do atual governo federal, que desconsideram a vida humana e de espécimes animais.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Até as tartarugas? Extinção de pessoas e animais conduzida por trogloditas. Drops, São Paulo, ano 20, n. 153.01, Vitruvius, jun. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.153/7762>.



Há duas semanas o Brasil tinha 15 mil mortes pelo Covid. Hoje são 30 mil e é provável que o número anterior tenha tido mais impacto emocional do que o atual.

Esse é um dos efeitos mais interessantes – e perigosos – do comportamento humano. Em princípio é um mecanismo de autodefesa, que funciona tanto em nível individual e fisiológico quanto no âmbito social e mental. Quando um excesso de informação, visual, sonora, olfativa, ameaça nossos sentidos eles se defendem reduzindo sua sensibilidade.

Vivemos isso no cotidiano. O ruído de um aeroporto é insuportável quando nos aproximamos, mas nosso ouvido vai se “acostumando”. Ao entrar em um ambiente muito iluminado ficamos ofuscados, mas logo nossos olhos logo regulam a quantidade de luz e voltamos a enxergar.

Essas são defesas fisiológicas e essencialmente involuntárias. Mas há autores que, mais de um século atrás, intuíram que nossa mente funciona de uma maneira parecida. Diante do risco de que um excesso de informações “estresse” nosso cérebro, encontramos mecanismos de rebaixá-las. Ficamos entorpecidos e desatentos até que algo, que pode ser uma memória, uma coisa menor, mas inesperada, provoque um “choque”. E obrigue a parar e pensar.

No mundo inteiro já são 350 mil mortos e nos Estados Unidos a “gripezinha” dos Trump e Bolsonaro já matou mais pessoas – sim, são pessoas e não apenas números – que as guerras da Coréia, do Vietnã e do Iraque somadas.

Aqui alcançamos o patamar de mil mortes por dia e isto já parece “naturalizado”, quer dizer, não provoca mais comoção. Poderíamos lembrar que isso é equivalente a um incêndio da boate Kiss (242 mortos em 2013) mais um desastre de Brumadinho (259 mortos em 2019) e mais duas quedas de avião da TAM (199 mortos em 2007). Por dia! Todos os dias!

Já está claro que a trupe do genocida quer aproveitar a “fixação da imprensa” na pandemia para “passar a boiada” das motosserras e vender “a porra toda”. Que a turma do posto Ipiranga acha até bom que morram idosos porque isso alivia as contas da Previdência.

Mas, seu Salles, tinha também que aproveitar para acabar com o Projeto Tamar? É certo que as tartarugas são longevas, mas ajudar a extingui-las vai melhorar as contas públicas?

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos.

 

comments

153.01 política pública
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

153

153.02 estética e política

Sobre o projeto: asas e voos

Artur Rozestraten

153.03 arquitetura e pandemias

Arquitetxs: um novo Neufert está por vir?

Sobre como projetar em tempos de pandemias

Laura Belik

153.04 coronavírus

Matem os mensageiros!

Governo brasileiro barra o acesso às informações sobre o Covid-19

Carlos A. Ferreira Martins

153.05 homenagem

O ferro, o tempo e a terra

Amilcar de Castro – 100 anos

Rodrigo Queiroz

153.06 coronavírus

Arquitetura hospitalar

Ideias para combater a Covid-19 e as ameaças futuras

Luiz Carlos Toledo

153.07 ética

Freud explica?

Novo ministro da educação falsifica curriculum

Carlos A. Ferreira Martins

153.08 memória da destruição

Crônica de um pesadelo

A outra festa

Milton Hatoum

153.09 homenagem

Joca, Luis Henrique e a cultura baiana

A morte de dois veteranos na luta pela democracia

Paulo Ormindo de Azevedo

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided