Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Martins, professor do IAU USP São Carlos, comenta a nova política do governo federal frente ao Covid-19, dificultando a difusão das informações relativas à pandemia.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Matem os mensageiros! Governo brasileiro barra o acesso às informações sobre o Covid-19. Drops, São Paulo, ano 20, n. 153.04, Vitruvius, jun. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.153/7773>.



“Matar o mensageiro” é uma expressão que teria tido origem na decisão de Dario III, rei da Pérsia, de executar o oficial que lhe levou a notícia da derrota de seu exército por Alexandre da Macedônia.

Certamente ele não foi o único soberano a mandar matar portadores de más notícias. E essa decisão sempre teve ao menos duas componentes, uma pessoal, e outra de cálculo político.

A pessoal provém da irritação de quem se crê “soberano” (aquele que carrega o poder) e vê a realidade contrariar seus desejos, que, para ele, deveriam estar acima de tudo, por serem a expressão das necessidades da pátria e da vontade de Deus.

A componente política, menos pomposa e mais realista, passa pelo cálculo da necessidade de evitar que outros, além do soberano, tenham acesso à informação. Porque ela tem o efeito corrosivo de mostrar que o mandatário não está, ao fim e ao cabo, no exercício do poder absoluto sobre a vida.

Os mensageiros nos dizem que um brasileiro morre a cada minuto pelos efeitos da “gripezinha”; que já são mais de 35 mil mortes no Brasil e que, ao contrário da maioria dos países, nossas curvas de contaminação e óbitos ainda estão em crescimento exponencial.

Se todos receberem a mensagem, correm o risco de concluir que a política de desprezo pela ciência, pelas práticas consagradas pela medicina e pelo princípio humanista de que vidas humanas têm valor central numa sociedade civilizada, nos empurra para um desastre de dimensão histórica.

Como (ainda) não é possível matar fisicamente todos os que, no Brasil e fora dele, insistem em nos avisar que estamos sendo fragorosamente derrotados nessa batalha, então cabe ao soberano determinar que a mensagem não chegue até nós.

Substituir médicos e gestores de saúde por militares; mudar o horário de divulgação dos números para garantir que “não haverá mais manchetes no Jornal Nacional”; mudar a maneira de calcular os mortos, são apenas modalidades atuais de matar o mensageiro.

Esta semana trouxe, entretanto, um curioso problema para essa relação. Que fazer quando o mensageiro é o soberano do soberano?

Trump, o único que está, para o sub-soberano tropical, acima de (nossa) pátria, aquele que recebeu com desdém o I love you do sabujo do sul, mandou avisar que, se ele seguisse nos Estados Unidos, as mesmas práticas do Brasil (e da Suécia) o número de mortos ali poderia ultrapassar um milhão.

Que fazer quando o guia maior, o espelho de todas as ambições, o soberano ante quem, voluntariamente, o sátrapa local faz a genuflexão, avisa de viva voz, que seu exército caminha inexoravelmente para o massacre?

nota

NA – publicação original do artigo: MARTINS, Carlos A. Ferreira. Matem os mensageiros. Jornal Primeira Página, São Carlos, 07 jun. 2020.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos.

 

comments

153.04 coronavírus
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

153

153.01 política pública

Até as tartarugas?

Extinção de pessoas e animais conduzida por trogloditas

Carlos A. Ferreira Martins

153.02 estética e política

Sobre o projeto: asas e voos

Artur Rozestraten

153.03 arquitetura e pandemias

Arquitetxs: um novo Neufert está por vir?

Sobre como projetar em tempos de pandemias

Laura Belik

153.05 homenagem

O ferro, o tempo e a terra

Amilcar de Castro – 100 anos

Rodrigo Queiroz

153.06 coronavírus

Arquitetura hospitalar

Ideias para combater a Covid-19 e as ameaças futuras

Luiz Carlos Toledo

153.07 ética

Freud explica?

Novo ministro da educação falsifica curriculum

Carlos A. Ferreira Martins

153.08 memória da destruição

Crônica de um pesadelo

A outra festa

Milton Hatoum

153.09 homenagem

Joca, Luis Henrique e a cultura baiana

A morte de dois veteranos na luta pela democracia

Paulo Ormindo de Azevedo

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided