Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos A. Ferreira Martins, professor do IAU USP São Carlos, comenta ironicamente o “fim dos privilégios” dos funcionários públicos brasileiros, em especial a perda da estabilidade, medida que não atingirá parte do funcionalismo público.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Pelo fim dos privilégios.... Drops, São Paulo, ano 20, n. 156.02, Vitruvius, set. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.156/7868>.



A novamente mal chamada “reforma administrativa” é mais um exemplo do famoso “me engana que eu gosto”, que vem dominando a política brasileira nos últimos quatros anos.

Como a série tem feito sucesso, tudo indica que não será a última. Mas a cada nova temporada os roteiristas vão se aprimorando.

Lá no começo da série, nos garantiram que no dia seguinte à queda de Dilma, os investimentos chegariam, a economia voltaria a crescer e o dólar ficaria baratinho.

Depois, venderam uma “reforma trabalhista modernizadora” que iria criar “milhões de novos empregos”. Aí veio a versão menos docinha e o ex posto Ypiranga faz cara de mau para lembrar que você pode escolher entre ter direitos ou ter emprego.

Na terceira temporada aprendemos que podíamos trocar a aposentadoria e seus “escandalosos privilégios” por mais empregos. A aposentadoria foi e os empregos não vieram.

Também há os sucessos que atravessam temporadas. Alguém contou quantas vezes nesses quatro anos os “especialistas” e os bem pagos “comentaristas” das televisões e dos jornalões avisaram que “apesar de tímidos” já havia sinais de “recuperação da economia”?

Claro que veio o Covid-19 para atrapalhar. Mas espera, a pandemia não era só uma gripezinha? Afinal, o que são 130 mil mortos perto do equilíbrio das contas públicas?

Mas “agora” tudo vai dar certo. Um governo preocupado com o Brasil vai acabar com os privilégios dos funcionários públicos concursados. O “mercado” delira e a gente aceita porque, afinal, isso tudo que está aí é uma pouca vergonha.

Mas logo ficamos sabendo que não é bem assim. Os funcionários do legislativo não vão entrar na reforma. Os do judiciário também não. Os do Ministério público também não. E os coitadinhos dos militares que já tiveram aposentadoria especial e aumento de salário, também não.

Mas não importa, a enfermeira que atende no SUS, em hospitais super bem equipados e a professora que cuida das crianças nas nossas luxuosas escolas públicas, não vão mais ter essa mamata toda.

E vai acabar essa bobagem de concurso. Assim toda vez que elegermos um prefeito, um governador ou um presidente, eles podem demitir todo mundo e dar emprego para os seus cabos eleitorais. Bom, não é mesmo?

Ah. O roteirista avisou que funcionário público agora poderá ser demitido por “desempenho insuficiente”.

Pena que não vale nem para o Guedes, nem para o quase ministro da saúde, nem para o Dória, nem para o presidente patriota que comemora o sete de setembro com bandeira americana.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos.

 

comments

156.02 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

156

156.01 homenagem

Lúcio Kowarick (1938-2020)

Um colega ilustre, competente e digno

Maria Adélia Souza

156.03 homenagem

Um abraço no Paulo

Em respeito a Paulo Mendes da Rocha

156.04 patrimônio

Por uma Rede de Acervos de Arquitetura e Urbanismo

Carta aberta

Instituto de Arquitetos do Brasil IAB/SP

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided