Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Professor do Instituto Universitário de Arquitetura de Veneza, Guido Zucconi é um dos maiores especialistas em História da Arquitetura e do Urbanismo dos séculos XVIII ao XX

english
Professor of Graduate Institute of Architecture of Venice, Guido Zucconi is a leading expert in the History of Architecture and Urbanism from the eighteenth to the twentieth centuries

español
Profesor del Instituto Universitario de Arquitectura de Venecia, Guido Zucconi es uno de los mayores especialistas en Historia de la Arquitectura y del Urbanismo de los siglos XVIII al XX

how to quote

RETTO JR., Adalberto. Guido Zucconi. Entrevista, São Paulo, ano 05, n. 018.01, Vitruvius, abr. 2004 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/05.018/3331>.


Camillo Sitte e i suoi interpreti, livro de Guido Zucconi

Entrevista com Guido Zucconi
Adalberto da Silva Retto Júnior

Adalberto da Silva Retto Júnior: Donatella Calabi em História urbana na Itália (2002) afirma que “A História da cidade (na Itália) nasceu da História da Arquitetura, mais do que da história social, institucional, ou econômica (como é freqüente em outros países europeus)”. Tafuri, sem deixar de incluir Marcello Piacentini, enfatiza que “No momento em que a história da arquitetura nasce na Itália moderna, encontra um forte apoio na figura de Gustavo Giovannoni, depois de Vicenzo Fasolo e de outros personagens deste gênero.” E reforça que “Tratava-se da tese do arquiteto integral”, com o mesmo fundo ideológico de Walter Gropius, cujo slogan era, “da colher à cidade”. Dessa forma, pode-se pensar na formação de intelectuais “orgânicos”- para usar uma expressão de Antonio Gramsci. Gostaria de saber, quais são as personagens-chave, na Itália, que desenharam um percurso alternativo que individualiza a cidade como sujeito de estudo?

Guido Zucconi: Acho muito apropriada a referência a Giovannoni, através da interpretação proposta por Tafuri em 1967. O meu livro sobre Giovannoni de 1997 partia daquele juízo brilhante de trinta anos antes: o título escolhido naquela ocasião Do capitel à cidade, correspondia à tradução giovanoniana da colher à cidade: uma tradução sob o signo da arte e da história.

Porém, devemos estar atentos, pois Tafuri ia ainda além, envolvendo o conjunto dos arquitetos, intelectuais italianos incapazes, segundo ele, de emancipar-se do mito giovanoniano do “projetista integral” e do “arquiteto que faz tudo”: tivemos uma prova disso com a recentíssima reforma das ordens didáticas (o assim chamado “3+2”) que “driblou“ a demanda de especialidades. Em todos os cursos por assim dizer “especialistas” foi de fato proposto a mesma figura do projetista onisciente, variadamente aromatizado (existe o arquiteto ao sabor de “restauro”, o arquiteto ao sabor do “urbanismo”).

Esta hegemonia do arquiteto condicionou também setores limítrofes, como da história urbana: isto também por causa da fraqueza de algumas disciplinas – como a geografia – que em outros países tiveram e têm ainda hoje um papel decisivo. Porém, na França e na Espanha, dois países vizinhos da Itália, são os geógrafos – não os arquitetos – que fornecem uma longa e nobilíssima tradição de estudos monográficos.

Em meu ensaio apresentado no Brasil, eu enfatizei um outro fator de “desbalanceamento” na mesma direção: o peso adquirido na Itália da assim chamada “literatura artística” (monografias sobre praças e monumentos, guias, coleções fotográfica) que, entre o fim do século XIX e o início do século XX, havia concentrado sobre bases arquitetônicas uma grande massa de material cartográfico, iconográfico, monográfico. Na origem de uma tradição de estudos sobre a cidade, existem aqueles mesmos lugares que mais tarde reaparecem representados do mesmo modo: basta analisar as fontes para perceber esta surpreendente continuidade.

comments

018.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

018

018.02

Bernardo Secchi

Adalberto Retto Jr. and Christian Traficante

018.03

Maria Elisa Costa

Antônio Agenor Barbosa

018.04

Sérgio Magalhães

Érico Costa

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided