Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O arquiteto português José Mateus, titular do escritório ARX Portugal, conversa com um dos mais renomados arquitetos atuais, Carrilho da Graça, sobre o o projeto para a residência do artista plástico Julião Sarmento

english
The Portuguese architect José Mateus, holder of the office ARX Portugal, talk with one of the most renowned architects today, Carrilho da Graça, about the the project to the residence of the artist Julian Sarmento

español
El arquitecto portugués José Mateus, titular del estudio ARX Portugal, conversa con uno de los más renombrados arquitectos actuales, Carrilho da Graça, sobre el proyecto para la residencia del artista plástico Julião Sarmento

how to quote

MATEUS, José. João Luís Carrilho da Graça. Entrevista, São Paulo, ano 05, n. 019.04, Vitruvius, jul. 2004 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/05.019/3324>.


Escada de ligação e piscina. Casa Julião Sarmento, arquiteto Carrilho da Graça

José Paulo Mateus: Há arquitetos que caem em exercícios para o próprio umbigo, que os leva a cair em situações que forçam a vida das pessoas para além do razoável?

João Luis Carrilho da Graça: Eu acho que isso é uma espécie de "pecado" ao qual nenhum arquiteto consegue escapar por mais boa vontade que tenha. A mim parece-me fundamental que o arquiteto, quando está a fazer um projeto, imagine que o está a fazer para si próprio, como se fosse viver nela. E que o teste permanentemente em relação às sensações que o resultado pode vir a transmitir e a maneira como pode viver dentro dele. E se encarar isto com este tipo de seriedade, o resultado é forçosamente positivo. Mas há sempre momentos em que existe um desajuste, que esperamos não muito grande, entre as ambições que nós tínhamos e o que na realidade elas comportam de capacidade de suporte para a vida das pessoas.

JPM: De algum modo a sua arquitetura só é acessível a uma certa elite?

JLCG: Eu penso que em relação a isso nós temos de ser realistas. Por exemplo, Nós gostamos imenso do design enquanto conseguimos conferir um sentido quase heróico: desenhar bem objetos adequados e belos que as pessoas possam comprar. Isso cria uma espécie de função social ao design. E eu penso que com a arquitetura é exatamente a mesma coisa. A arquitetura pode cumprir essa função social mas de uma maneira realista. Se tivermos que construir casas para pessoas com poucos recursos nós temos que, mesmo que seja através de processos de industrialização, tentar atingir esse objetivo. Gosto muito daquela idéia do Rem Koolhaas (arquiteto da Casa da Música) de que nós temos de ir mais longe na investigação de como é que se produz a arquitetura para que depois ela surja como uma espécie de produto que possa ser acessível olhando para ele. E não colocar sempre a arquitetura na dependência da procura: o milionário que quer fazer uma casa, etc. Se o contratarem para desenhar mil casas, então desenhe essas casas de uma maneira adequada para se construir uma coisa que eventualmente neste momento é difícil encontrar em Lisboa, ou até mesmo Portugal: casas relativamente banais mas em que se viva bem. Eu muitas vezes pergunto: numa cidade como Lisboa que é fabulosa, lindíssima, onde é que estão as casas verdadeiramente invejáveis?

JPM: No nosso país, 95% das casas são de uma grande vulgaridade e as pessoas não se apercebem disso. A maior parte das pessoas não faz idéia de que poderia viver muito melhor, gastando o mesmo dinheiro. Paradoxalmente é o bem mais caro que possuem…

JLCG: Não só são de uma grande vulgaridade mas também são más naquilo que se pode quantificar: o modo como estão isoladas, construídas, mobiliadas, desinteressantes e continuam a multiplicar-se. É estranho porque havia a obrigação, sendo as pessoas aparentemente mais informadas, de as coisas se processarem de outra maneira. Nós reconhecemos que a indústria produz objetos belos, equilibrados, a custos perfeitamente razoáveis, sempre a evoluir. Há uma coisa que refiro muitas vezes que é a indústria automóvel. Quanto se compra um carro sabe-se exatamente as suas performances, quanto gasta, velocidade máxima, e sabe-se que aquilo está tudo relativamente otimizado. Quando se compra uma casa, não se faz a mínima idéia de quase nenhuma aspecto que se podia quantificar que poderia ter a ver com a performance da casa, não só em termos de construção mas sobretudo sobre a sua utilização ao longo dos anos. Há revistas da especialidade que fazem análises perfeitas aos automóveis mas não há nenhuma que faça uma análise nesses termos àquilo que se constrói. Há aqui um campo de reflexão bastante urgente e importante.

Escada principal da casa. Casa Julião Sarmento, arquiteto Carrilho da Graça

comments

019.04
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

019

019.01

Maria Lúcia Petersen

Érico Costa and Luciana Andrade

019.02

Jozé Cândido de Lacerda

Érico Costa

019.03

Eduardo Souto de Moura

José Mateus

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided