Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O arquiteto e cenógrafo português João Mendes Ribeiro, fala de arquitetura efêmera, reciclagem e cenografia em entrevista a José Mateus, arquiteto do ARX Portugal

english
The architect and designer Portuguese João Mendes Ribeiro, speaks about ephemeral architecture, recycling and stage design in an interview with José Mateus, ARX Portugal architect

español
El arquitecto y escenógrafo portugués João Mendes Ribeiro, habla de arquitectura efímera, reciclaje y escenografía en la entrevista de José Mateus, arquitecto del ARX Portugal

how to quote

MATEUS, José. João Mendes Ribeiro. Entrevista, São Paulo, ano 05, n. 020.04, Vitruvius, out. 2004 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/05.020/3320>.


Palheiro. Vista parcial da parede sul. Foto João Mendes Ribeiro

José Mateus: Um dia e curiosamente por recomendação de um arquiteto com quem trabalhou – Fernando Pinto Coelho – telefonou-lhe a cliente…

João Mendes Ribeiro: Foi, e disse-me que achava que eu era a pessoa indicada para recuperar um edifício agrícola que tinha em Cortegaça. Tratava-se de um conjunto articulado de construções de várias épocas e obedecendo a lógicas diferentes: uma adega, uma casa de habitação e a Sul, junto ao pátio, o edifício a recuperar: um palheiro em ruínas.

JM: Já havia a idéia de transformar o palheiro numa habitação ou era uma questão em aberto?

JMR: A cliente já tinha a intenção de fazer uma pequena habitação para aí se poder reunir com os amigos. Era acima de tudo um pretexto para recuperar o palheiro. Inicialmente a sua idéia era unir o palheiro à casa principal através de um volume contendo várias salas. Achei que isso não faria sentido pois na casa principal existiam já muitos quartos e salas e propus um percurso de ligação que constituísse uma espécie de corredor-garrafeira. Seria uma ligação dissimulada e que assegurasse a autonomia das construções.

JMR: Sendo estas obras de recuperação mais caras e complexas, nunca pensaram demolir o palheiro e, como muitos fariam, construir no seu lugar um edifício inteiramente novo respeitando apenas a volumetria antiga?

JMR: Não, porque achamos sempre que o palheiro, embora sendo um espaço condicionado e de pequena escala, possuía inúmeras qualidades: era interessante como equipamento agrícola, não só em termos dos sistemas construtivos e da composição mas também em termos de espaço interior. Gostei da sua implantação e do modo como se relacionava com a casa principal, com a quinta e com a paisagem envolvente. Era um edifício modesto, mas com muitas qualidades (melhor que muitas construções recentes).

Palheiro. Sala de estar
Foto João Mendes Ribeiro

comments

020.04
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

020

020.01

Willy Muller

Eduardo Pasquinelli

020.02

Manoel de Oliveira

Ana Sousa Dias

020.03

José Mateus e Nuno Mateus (ARX)

Pedro Jordão and Rui Mendes

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided