Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O português Manoel de Oliveira, o mais importante cineasta de seu país, fala de suas memórias, cinema e arquitetura em magnífica entrevista a Ana Sousa Dias

english
The Portuguese Manoel de Oliveira, the most important filmmaker of his country, speaks of his memories, film and architecture in a magnificent interview with Ana Sousa Dias

español
El portugués Manoel de Oliveira, el más importante cineasta de su país, habla de sus memorias, cine y arquitectura en la magnífica entrevista de Ana Sousa Dias

how to quote

SOUSA DIAS, Ana. Manoel de Oliveira. Entrevista, São Paulo, ano 05, n. 020.02, Vitruvius, out. 2004 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/05.020/3322>.


Manoel de Oliveira
Foto Pedro Ferreira / V.E.R

Manoel de Oliveira: as casas de uma vida

Ana Sousa Dias

Foi no Japão que festejou, em Dezembro passado, os 95 anos. Consegue agora arranjar um dia para conversar, entre a filmagem e a montagem de mais um filme – Quinto Império, baseado numa peça de teatro de José Régio, filmado no Convento de Tomar. Aceita falar de casas, lugares, objectos, cenários, e recebe-nos no apartamento onde vive, no Porto. Na verdade, são dois apartamentos, em pisos diferentes e separados por um longo corredor que Manoel de Oliveira percorre com uma leveza que desmente a idade. Num dos andares fica a casa de descansar e dormir, no outro estão o escritório e o “restaurante”, como diz D. Isabel, a mulher vivíssima e encantadora com quem partilha a vida há 63 anos. Nem a vista ampla, com o mar ao longe, os compensa da perda da casa projectada por José Luís Porto onde viveram 40 anos, na Vilarinha, vendida por absoluta necessidade na sequência da perda da fábrica de passamanarias herdada do pai. Povoada de plantas extraordinárias, criadas por D. Isabel , e de livros, quadros, fotografias, fica num prédio de apartamentos recente, o oposto da casa filmada já em ruínas no “Porto da minha Infância”. Não estudou arquitetura mas é doutor honoris causa pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, a cidade onde nasceu e à qual ofereceu o seu acervo. Um outro apartamento guarda os numerosos caixotes onde tudo está guardado, à espera da assinatura de um contrato que a Câmara Municipal do Porto tarda em estabelecer – só depois Manoel de Oliveira autorizará a transferência de tudo para a futura Casa do Cinema, projetada pelo arquiteto que ele próprio escolheu – Eduardo Souto Moura.

comments

020.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

020

020.01

Willy Muller

Eduardo Pasquinelli

020.03

José Mateus e Nuno Mateus (ARX)

Pedro Jordão and Rui Mendes

020.04

João Mendes Ribeiro

José Mateus

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided