Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Fábio Duarte entrevista Emanuel Dimas de Melo Pimenta, arquiteto, músico e artista plástico brasileiro radicado em Portugal. Ele fala das relações entre arquitetura e computadores e também de seu trânsito por outros meios e linguagens, especialmente fotog

english
Fabio Duarte interviews Emanuel Dimas de Melo Pimenta, architect, musician and artist based in Portugal. He speaks about the relationship between architecture and computers as well as their transit through other means and languages, especially photography

español
Fábio Duarte entrevista a Emanuel Dimas de Melo Pimenta, arquitecto, músico y artista plástico brasileño radicado en Portugal. Él habla de las relaciones entre arquitectura y ordenadores y también de su tránsito por otros medios y lenguajes, especialmente

how to quote

DUARTE, Fábio. Emanuel Dimas de Melo Pimenta. Entrevista, São Paulo, ano 07, n. 025.02, Vitruvius, jan. 2006 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/07.025/3307>.


Deep Ocean, 2005

Entrevista com Emanuel Dimas de Melo Pimenta
Fábio Duarte

No início dos anos 90 chegaram alguns computadores com "boa" interface gráfica na Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo, e alguns então alunos da arquitetura imediatamente, como nunca antes acontecera, tornaram-se freqüentadores assíduos dos laboratórios de informática – os antigos CPDs. A opinião inicialmente generalizada entre os professores era que seria apenas uma mecanização do desenho técnico. Mas um restrito grupo de alunos, e restritíssimo de professores, encabeçado por Roti Turin, com aliados como Jorge Caron e Marcelo Tramontano, ligados já a alguns colegas de São Paulo, achávamos (nós, alunos, com a sadia irresponsabilidade do risco, tínhamos a certeza) que os computadores alterariam tanto a forma de representação da arquitetura quanto mudariam como viveríamos e pensaríamos o espaço contemporâneo.

Em 1993 Roti Turin levou a São Carlos Emanuel Dimas de Melo Pimenta, que falava e mostrava projetos de arquitetura virtual. Um ano depois, estava em seu escritório em Lisboa para estágio, e a partir dali, em universidades e institutos de mídia, geografia e planejamento urbano por diferentes países, estudando as relações entre inovações tecnológicas e alterações no pensamento e criação de espacialidades. Pimenta vinha trabalhando com arquitetura e computadores (o que chamaria de arquitetura virtual ainda no final dos anos 80) havia já uma década. Provavelmente, como explorado nesta entrevista, o impulso vinha menos do ambiente arquitetônico do que de seu trânsito por outros meios e linguagens, especialmente fotografia e música.

Aluno e parceiro, admirador e admirado por Johh Cage, Merce Cunningham, René Berger, Joachim Koelreutter, Emanuel Dimas de Melo Pimenta parece colocar em todas as suas obras (arquitetônicas e musicais) a ênfase no processo – mas não no registro de um processo que leva a um resultado final, e sim no processo em si da descoberta da linguagem. Esta entrevista foi realizada a convite do Portal Vitruvius por email; na verdade, parece-me a edição de conversas que em diversas ocasiões temos tido nos últimos 10 anos.

Foto de São Paulo, 1992

comments

025.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

025

025.01

Michael Wesely

Paulo Tavares

025.03

Roberto Converti

Eunice Helena Sguizzardi Abascal and Abilio Guerra

025.04

Abilio Guerra

Revista Arqtextos

025.05

Jordi Borja

Marcelo Corti

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided