Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O arquiteto Paulo Tavares entrevista o fotógrafo alemão Michael Wesely, principalmente focado nas imagens feitas por ocasião da reconstrução urbana da Potsdamer Platz, em Berlim

english
Architect Paulo Tavares interviews the German photographer Michael Wesely, mainly focused on images taken during the urban reconstrution of Potsdamer Platz in Berlin

español
El arquitecto Paulo Tavares entrevista al fotógrafo alemán Michael Wesely, principalmente focalizando en las imágenes hechas por ocasión de la reconstrucción urbana de la Potsdamer Platz, en Berlín

how to quote

TAVARES, Paulo. Michael Wesely. Entrevista, São Paulo, ano 07, n. 025.01, Vitruvius, jan. 2006 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/07.025/3308>.


8 min. Dorothee von Windheim. Série Lochkamera Portraits
Foto Michael Wesely

Paulo Tavares: A primeira pergunta diz respeito à técnica de fotografar com longas exposições de tempo que você desenvolveu em seus trabalhos. Você poderia contar um pouco como ela surgiu e quais eram os seus interesses quando isso aconteceu?

Michael Wesely: Eu comecei, basicamente, com um interesse na “duração do momento”. A duração do momento era um interesse da fotografia nos oitocentos, quando os fotógrafos estavam dominando este campo. A fotografia não era conectada com a arte contemporânea. Foi principalmente Cartier Bresson, o grande mestre da fotografia de reportagem que estava preocupado com a duração do momento. O “momento” foi algo muito importante na minha formação como fotógrafo. Quando você trabalha em cima disso, pode-se inverter o sistema; você pode pensar o momento não como algo realmente curto, mas sim como algo extremamente longo. Assim minha investigação começou. Era uma situação, obviamente, com dois lados; uma coisa são os problemas técnicos ou demandas técnicas que o trabalho exige. Quando se chega nisto, muitas coisas podem sair erradas. É preciso uma técnica que o suporte e então você começa. Do outro lado havia a questão de estender o tempo de exposição, algo que não se pode calcular. Logo, existem problemas para serem resolvidos primeiro, para depois procurar por algo que você gostaria de fotografar.

Eu também posso dizer que o tempo nunca foi uma questão para mim, era mais sobre fotografar coisas que estavam acontecendo simultaneamente. Simultaneidade é o tipo de termo que também precisamos aqui... estruturas paralelas que estão acontecendo e... talvez estruturas não seja o termo, mas quero dizer que coisas que acontecem no planeta estão misturadas nestas fotos e estão gravadas de uma maneira mais ou menos visível. E também, lógico, a pergunta: “posso fotografar um prédio como ele é construído?” Eu diria que de 1995 em diante, eu poderia fazer uma exposição que durasse dois ou três anos.

PT: Mas e sobre os procedimentos, os materiais? Você teve que desenvolver um tipo especial de filme ou câmera para suas fotografias?

MW: Não, é um filme regular. Qualquer um pode fazer isso...

PT: Você usa uma câmera pinhole?

MW: Não, isso é muito importante entender. Eu uso câmeras pinhole para outros projetos, mas as pinholes têm um certo aspecto embaçado que não correspondia a minha idéia para as fotografias, porque muitos detalhes são perdidos. Eu gosto destes detalhes porque eles contam certas histórias, então era importante trabalhar com lentes de grande formato com esta técnica.

PT: Você falava sobre Bresson, sobre a história da fotografia... Gostaria de explorar um ponto diferente sobre este aspecto. As “exposições de longa duração” eram um tipo de limitação da técnica fotográfica anteriormente... O que quero dizer é que, de alguma maneira você está “voltando” com este tipo de abordagem técnica na fotografia... Mesmo Atget por exemplo, quando fotografava Paris, ele estava fazendo, num certo sentido, fotografias com longas exposições...

MW: Na verdade não. Muitas pessoas dizem que meu trabalho é chato porque estou indo para trás na fotografia. Nestes tempos todos estavam contentes que os pintores tinham uma “ajuda” mais eficiente para pintar e que a fotografia poderia se até mesmo melhor que a pintura... Essa era a glória da fotografia. É possível ver isso em fotografias antigas. Muitos fotógrafos tinham como tema naturezas mortas porque naquele tempo as naturezas mortas eram muito correntes na pintura. Diziam “vejam nossas fotografias, elas são melhores que as pinturas”.

PT: Eu compreendo, mas o que quero dizer é que o fato de seu trabalho “voltar atrás na fotografia” é o que parece interessante. Antes havia uma vontade de capturar o momento. Para eternizá-lo, para preservar um instante na imagem, era preciso superar esta limitação “congelando” o objeto durante um tempo. Você também está interessado no momento, mas no seu caso o momento não é algo congelado, estático. Porque é um momento extremamente longo, há uma relação com o movimento. Então, num certo sentido, você não está voltando na história da fotografia, mas você está utilizando uma potencialidade fotográfica que era entendida como uma limitação técnica.

MW:Sim, isso foi esquecido. Ninguém estava pensando que isso poderia ser investigado.

PT: ... e de fato isso é muito contemporâneo, eu acho. Porque você usa algo que se pensava até certo ponto como uma limitação, uma imperfeição, para explorar uma maneira diferente de se ver o mundo, para construir imagens da cidade.

MW: Definitivamente. Ninguém podia imaginar uma ligação entre o tempo de exposição e algo que se relacionasse ao conteúdo. Eram sempre os mesmos interesses: “se está escuro, eu preciso de um tempo longo de exposição, e se está claro, exposições curtas”. Então, esse era ao entendimento básico das pessoas, como elas usavam isto...e claro, foi surpreendente para muitas pessoas a maneira pela qual eu defino o tempo de exposição como um elemento substancial que pode ser carregado de conteúdo.

6 min. Josef Paul Kleihues. Série Lochkamera Portraits
Foto Michael Wesely

comments

025.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

025

025.02

Emanuel Dimas de Melo Pimenta

Fábio Duarte

025.03

Roberto Converti

Eunice Helena Sguizzardi Abascal and Abilio Guerra

025.04

Abilio Guerra

Revista Arqtextos

025.05

Jordi Borja

Marcelo Corti

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided