Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Nesta entrevista, Francisco Ribas Barangé, arquiteto espanhol titular do escritório Ribas y Cia, fala do contexto em que surgiu o escritório, suas influências e trajetória

english
En esta entrevista, Francisco Ribas Barangé, arquitecto español titular del estudio Ribas y Cia, habla del contexto en que surgió el estudio sus influencias y trayectoria

español
In this interview, Francisco Ribas Baranger, Spanish architect office holder Ribas y Cia, talks about the context in which emerged the office, his influences and professional path

how to quote

COTRIM, Marcio; GUÁQUETA, Mónica Cruz. Francisco Ribas Barangé. Entrevista, São Paulo, ano 09, n. 033.02, Vitruvius, jan. 2008 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/09.033/3289>.


Casa de praia em madeira, Barcelona, anos 1930
Ribas y Pradelll

Ribas y Cia a partir de seu contexto
Marcio Cotrim e Mónica Cruz Guáqueta

O período que caracterizou o início do escritório de arquitetura Ribas y Cia está condicionado por fatores históricos que marcaram a uma época na qual se sedimentaram as bases da arquitetura catalã atual. O efêmero episódio do GATCPAC durante os anos 1930 fundamentou uma arquitetura renovada, disposta a estender pontes entre a modernidade mais vanguardista e a tradição local para encontrar novas respostas ao dilema arquitetônico.

Os arquitetos encarregados de dar forma e levar aqueles projetos ao mundo cotidiano, estabelecendo uma conexão a partir daquela experiência até seu tempo, foram os protagonistas da década de 1950, que impulsionaram com suas obras a criação de um modo de fazer próprio de Barcelona.

Durante aqueles anos a Espanha contou com um crescimento econômico necessário para situar a produção arquitetônica num de seus momentos mais representativos.

Se durante os anos 1930 se buscou em Barcelona o protagonismo da arquitetura moderna em um nível institucional, como uma marca registrada de modernidade nos seus edifícios e na experimentação em pequenos projetos de casas unifamiliares, os anos 1950 e 1960 se caracterizaram pela difusão e tradução destas formas –que antes, quando realizadas, eram privilégio de alguns poucos– ao “anonimato” do cidadão comum. A melhora das condições de moradia e as propostas resultantes cobraram neste momento um protagonismo que durante as proposições dos anos 1930 apenas se perfilaram como utopias, e que tiveram um espaço para realizar-se durante os anos 1950 a partir do desenvolvimentismo espanhol, e os anos 1960 como a década que recebeu os resultados deste impulso.

Foi neste contexto onde se criou o escritório Ribas y Cia, que durante a década de 1960 se configurou como um dos escritórios de arquitetura mais dispostos a continuar com esta tradição renovadora; sua busca constante por vincular a arquitetura ao usuário e ao lugar possibilitou, através de diversos projetos, a definição durante esta época das bases sobre as quais se sustentaria um modo claro de operar. A entrevista que se publica a continuação é resultado de uma conversa com Francisco Ribas Barangé, em que -a seus 74 anos, depois de uma vida dedicada a arquitetura – fala deste contexto, de suas influencias, da trajetória do escritório e da busca de fazer da arquitetura produzida um mediador entre o cliente e o lugar em que é inserida, o que derivou em uma especial capacidade de adaptação às transformações de seu entorno, sempre presente em seus desenhos, e das quais nunca se manteve distante.

Portão de acesso e estações de monorraíl e teleférico, Expo Sevilla, 1992
Francisco Ribas Y Joan Ovejero Morilla

comments

033.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

033

033.01

Alfredo Sirkis

Roberto Anderson M. Magalães

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided