Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
As arquitetas Lena Império, Maria Cau Levy e Victória Braga, do coletivo Goma Oficina, entrevistam o arquiteto equatoriano David Barragán, do escritório Al Borde, sediado em Quito, Equador.

english
The architects Lena Império, Maria Cau Levy and Victoria Braga, from the collective Goma Oficina, interview the Ecuadorian architect David Barragán, from the Al Borde office, based in Quito, Ecuador.

español
Las arquitectas Lena Imperio, Maria Cau Levy y Victória Braga, del colectivo Goma Oficina, entreviste al arquitecto ecuatoriano David Barragán, de la oficina Al Borde, con sede en Quito, Ecuador.

how to quote

IMPÉRIO, Lena; LEVY, Maria Cau; BRAGA, Victoria. David Barragán. Goma Oficina entrevista Al Borde. Entrevista, São Paulo, ano 20, n. 077.01, Vitruvius, fev. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/20.077/7255>.


Escola Nova Esperança, Al Borde. Puerto Cabuyal, Manabí, Ecuador, 2011
Foto divulgação [Website Al Borde]

Goma Oficina: Porque Al Borde?

David Barragán: Não gostamos do estado de conforto, porque o estado do conforto não permite que a cabeça procure novas ideias. Sempre como uma coisa muito controlada, um status quo que... não gostamos. Então pensamos que se trabalhamos al borde [à margem], se vivemos al borde, poderia ser um estado ótimo para criar novas coisas, para encontrar novas áreas de trabalho… então fizemos uma pequena enquete com os amigos, “o que acham do nome Al Borde Arquitetos?” e as respostas foram “acho que ninguém vai confiar em vocês, porque vocês não tem um nome profissional”. Achamos que isso é bom, porque o nome faz um filtro aos clientes. Nós não queremos trabalhar para todo mundo, não queremos fazer mil prédios em nossa vida. Só queremos fazer os prédios, as casas, as exposições, workshops, classes, que queremos fazer. Então pensamos que Al Borde é bom porque gera um estado de instabilidade. E o cliente vai experimentar essa instabilidade com a gente. E se o cliente quer dar um passo ao vazio, vai saltar com a gente. Se não quer dar um passo ao vazio, vai com outro arquiteto.

GO: Falando sobre essa questão do coletivo, o que é o coletivo pra vocês, o que significa esse termo que tem sido tanto usado e que ninguém consegue defini-lo? Queríamos saber como vocês enxergam esse nome e se vocês se denominam como um coletivo de arquitetos.

DB: Eu não gosto dessa palavra “coletivo”. Não gosto porque tem muitas posturas para não reconhecer a prática da arquitetura ou para falar de arquitetos que não fazem arquitetura, que trabalham com coisas mais temporárias... Nós somos um escritório de arquitetura. Somos arquitetos e temos um escritório de arquitetura. Que trabalhamos com outro pessoal, que fazemos colaboração com artistas, designers, com outros arquitetos, sim. Que trabalhamos de maneira colaborativa, sim. Mas somos um escritório de arquitetura.

Pascual Gangotena, David Barragán, Marialuisa Borja & Esteban Benavides, sócios do escritório Al Borde
Foto divulgação [Website Al Borde]

comments

077.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

077

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided