Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
David Barragán, fala sobre o Al Borde: surgido em 2007, o escritório equatoriano é considerado referência no uso de métodos de projetos participativos em conjunto com comunidades periféricas.

english
David Barragán, talks about Al Borde: emerged in 2007, the office is considered a reference in the use of participatory project methods in conjunction with peripheral communities.

español
David Barragán, habla sobre Al Borde: surgió en 2007, la oficina ecuatoriana se considera una referencia en el uso de métodos de proyectos participativos en conjunto con comunidades periféricas.

how to quote

PRECIADO VELASQUEZ, Oscar Eduardo. Processos de diversidade nas práticas projetuais. Entrevista David Barragán, Al Borde, Equador. Entrevista, São Paulo, ano 21, n. 081.01, Vitruvius, jan. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/21.081/7611>.


Ultima esperanza 2015, Puerto Cabuyal, Manabí, Ecuador, 2014. Al Borde e Arq. Enrike Villacís
Foto divulgação [Website albordearq.com]

 

Oscar Eduardo Preciado Velásquez: Quais diretrizes regem seus projetos? Mencionarei algumas coisas, no seu site voces dizem assim: Al Borde é um modo de vida e encontra nas fendas do sistema um nicho para operar. Quais são essas fendas do sistema? E, como essas fendas são refletidas no Equador? Onde vocês conseguiram essas oportunidades?

David Barragán: se você analisar todos os projetos em profundidade, muitos projetos não nasceram da maneira tradicional. Eles não nascem quando um cliente chega para pedir que você desenvolva um projeto, mas nascem de como estamos encontrando oportunidades ao longo do caminho e da capacidade de inventar e de nos reinventarmos o tempo todo para fazer as coisas, fazer o que gostamos. Porque se esperamos apenas o que o sistema nos fornece, não encontramos um espaço de desenvolvimento profissional. Por exemplo, no Habitat III, que foi a (uma) conferência aqui em Quito em 2016, a dois pavilhões do nosso lado, estava o pavilhão alemão que construímos e o contrato que ganhamos com os alemães era muito mais caro do que o da concorrência, porque quando eles nos convidam, todos os outros convidados passam os custos do que significa montar um pavilhão. Enviamos a eles os custos do que significa montar um pavilhão, mas com consciência ambiental de que os materiais desse pavilhão não podem ser jogados fora depois de uma semana, e que esse pavilhão deve ser reciclado com um propósito social, porque em abril foi o terremoto.

Os alemães disseram imediatamente pronto, o contrato civil. Mas existe o risco de você não ser contratado, porque é duas vezes mais caro, não sei quanto é o percentual. Mas há um interesse em encontrar outras maneiras de pensar, em outras maneiras de trabalhar, em sempre criticar o funcionamento do sistema. O sistema de feiras é assim: pavilhões de 16 dias são montados e depois tudo é jogado fora. Ou o da Infonavit, que ficava três pavilhões ao nosso lado, nos tornamos amigos dos da Infonavit, eles veem que o nosso é reciclado, e eles nos dizem – que loucura, algo pode ser feito, nós damos uma segunda vida a eles. Demorou um tempo até que os fornecedores do estado mexicano nos dessem a assinatura do contrato, que eles nos enviassem o dinheiro e pudessem montar a sala de jantar das crianças. Depois, há muitas dessas variáveis que estamos encontrando em todos os lugares para podermos trabalhar e produzir.

OEPV: Então é como aquele trabalho que nunca acaba. Digamos, é um projeto que não tem fim e tem essa possibilidade de continuar no tempo.

DB: Nesse caso, não continua a tempo conosco, a sala de jantar das crianças é montada e aí termina. A segunda vida daquele pavilhão alemão são umas habitações. Fizemos alguns protótipos para entender como funciona o sistema imobiliário do grande negócio de reconstrução e quais opções existem para construir com uma participação muito mais rápida e materiais locais. Mas isso termina aí.

OEPV: vocês procuram uma maneira de reutilizar isso...

DB: mas encontrar a oportunidade mais do que qualquer coisa, de pensar nesse processo.

comments

081.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

081

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided