Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
David Barragán, fala sobre o Al Borde: surgido em 2007, o escritório equatoriano é considerado referência no uso de métodos de projetos participativos em conjunto com comunidades periféricas.

english
David Barragán, talks about Al Borde: emerged in 2007, the office is considered a reference in the use of participatory project methods in conjunction with peripheral communities.

español
David Barragán, habla sobre Al Borde: surgió en 2007, la oficina ecuatoriana se considera una referencia en el uso de métodos de proyectos participativos en conjunto con comunidades periféricas.

how to quote

PRECIADO VELASQUEZ, Oscar Eduardo. Processos de diversidade nas práticas projetuais. Entrevista David Barragán, Al Borde, Equador. Entrevista, São Paulo, ano 21, n. 081.01, Vitruvius, jan. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/21.081/7611>.


Almoço no Al Borde, Quito, Ecuador
Foto Oscar Eduardo Preciado Velasquez, ago. 2018

Oscar Eduardo Preciado Velásquez: por exemplo agora, outra consulta. Esse processo de arquitetura participativa que o Equador é uma referência, já falamos sobre isso. De acordo com vários autores que revi, ele tem suas bases, então, uma delas, nas chamadas Mingas, que é uma palavra Kichwa para o trabalho coletivo em ajuda comunitária. De acordo com você, qual seria a maior herança desses conhecimentos ancestrais para o seu processo?

David Barragán: Agora, vamos comer. Desliga isso e vamos comer [almoço].

[retomando] Não sei se posso falar sobre influência ou algo assim, mas no final existe uma maneira de fazer as coisas, não apenas minga, mais qualquer tipo de processo que estamos sempre atentos em todos os projetos. Então, o que procuramos é que o conhecimento local existe no local em que vamos trabalhar e aproveitamos esse conhecimento local. As mingas são uma coisa do mundo andino. Na costa, a minga não é comum.

OEPV: Foi o que ele me disse... José Gómez.

DB: Isso é serra. A minga é pura serra, é um mundo andino, um mundo indígena, onde tudo foi feito dessa maneira. Para o mundo andino, a construção participativa é super ... pois todas as comunidades são organizadas com base nisso. É normal que todos façam mingas, organizem e façam essas coisas para o bem comum de todos, isso não é um problema. Mas na costa não, na costa são outras dinâmicas. Então, o que estamos procurando são quais são os valores em cada lugar, e aproveitamos esses valores para não ir contra corrente, e tirarmos proveito dessa energia e com isso começarmos.

OEPV: Com base nessa interpretação ou reinterpretação e tomar isso como postulado de projeto...

DB: Eu não sei se o postulado do projeto, porque o minga não é que nós o trabalhemos como um postulado do projeto. O que sabemos é que, se a construção for participativa, teremos mão de obra não qualificada, muitos poucos serão pedreiros, então, o que sabemos naquele momento é que se construirmos em mingas ou com voluntários, sabemos que o projeto deve ser muito simples de construir; portanto, gastamos muito tempo simplificando o projeto para que qualquer pessoa possa construí-lo. Claro, há um entendimento. Há muita compreensão de cada linha que projetamos sobre como isso será construído. Não há uma lógica de pensar e ver depois como isso será montado. Isso não, porque estamos sempre fornecendo quais materiais locais temos na comunidade em que trabalhamos. Com que tipo de tecnologia as pessoas sabem lidar, o que podemos fazer com esse material, a que outras ferramentas ou materiais temos acesso, o que podemos levar daqui que não é caro, o que podemos obter lá. Quero dizer, todas essas variáveis entram e acabam sendo mostradas no projeto final, mas somente quando temos essas informações locais claras.

Almoço no Al Borde, Quito, Ecuador
Foto Oscar Eduardo Preciado Velasquez, ago. 2018

comments

081.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

081

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided