Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O Caá Porá, estúdio com experiências consolidadas na Amazônia equatoriana, está diretamente envolvido em três áreas de atuação: pesquisa social, projeto arquitetônico e execução de projetos culturais e turísticos em diferentes escalas.

english
Caá Porá, a studio with consolidated experiences in the Equadorian Amazon, is directly involved in three areas of activity: social research, architectural design and execution of cultural and tourism projects at different scales.

español
Caá Porá, un estudio con experiencias consolidadas en la Amazonía ecuatoriana, participa directamente en tres áreas de actividad: investigación social, diseño arquitectónico y ejecución de proyectos culturales y turísticos a diferentes escalas.

how to quote

PRECIADO VELASQUEZ, Oscar Eduardo. Processos de diversidade nas práticas projetuais. Entrevista a Caá Porá, Equador. Entrevista, São Paulo, ano 21, n. 082.06, Vitruvius, jun. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/21.082/7784>.


Torre de Napo Wildlife Center, Comunidade Kichwa Añangu, Parque Yasuní, Província de Orellana, Equador, 2015. Arquitetos Paula Izurieta e Gabriel Moyer-Pérez / Caá Porá
Foto divulgação [Caá Porá]

Oscar Eduardo Preciado Velásquez: Estou gravando novamente no escritório de Caá Porá, em Quito, devido a um problema técnico. A gravação foi enviada para um servidor na nuvem e o link se extraviou, e a verdade é que eu queria aproveitar o trabalho deles de alguma forma para resenhá-lo em minha pesquisa e também mostrá-lo à equipe do grupo de estudos no Brasil. Vou ler algumas coisas... (como já falei) aqui está a Paula Izurieta, ela é arquiteta da Universidade Católica aqui em Quito, trabalha com Gabriel Moyer, eles são do grupo Caá Porá e também está a Nicole Andrade, arquiteta, também da Católica, que apoia eles aqui no escritório.

Em princípio, agradecer vocês por me permitir estar aqui. Acho que seu trabalho deve, de alguma forma, ser mais divulgado porque representa várias coisas, ele está enquadrado dentro de um conceito que é arquitetura da comunidade, (segundo alguns autores) existe arquitetura para a comunidade, da comunidade e com a comunidade, acho que a sua é mais da comunidade e se entende como um processo pelo qual a comunidade chama vocês para fazer a arquitetura deles. Então já por aí, o seu trabalho envolve várias coisas. Acho que envolve uma reinterpretação das técnicas vernaculares da população, a arquitetura tradicional dos povos indígenas do Equador. Há uma coisa interessante e é que são práticas que podem ser chamadas de desmodernizantes, porque saem fora desse ideal da arquitetura moderna, em direção a esse trabalho do arquiteto da modernidade e, reinterpretação, porque de alguma forma vocês se inserem na dinâmica diária dessa população. Lembro que, na entrevista que foi feita inicialmente, o Gabriel comentou comigo que vocês faziam um mapeamento coletivo das atividades diárias dessas pessoas.

Paula Izurieta: A ideia é como que sempre percebemos que eles nunca concebem graficamente sua comunidade. Isto é, onde estão as casas, a casa comunal, o campo de futebol, a pista de decolagem, então para nós é muito interessante que, quando nós estamos reunidos pela primeira vez, é também a primeira vez que eles desenham a sua comunidade. Que eles compreendem gráfica e espacialmente e até em escala o Rio, onde fica a estrada, onde estão os embriões, onde estão os ceibos. Essa relação entre a natureza em que vivem e sua comunidade é muito importante, porque os nossos marcos urbanos não são os mesmos que eles têm na selva, por exemplo. Para eles, é muito importante os ceibos, por exemplo, então eles sempre dizem: aqui neste momento temos cinco ceibos em tantos hectares. De certa forma, eles vão entendendo sua escala de acordo com esses pontos, desses marcos importantes, que talvez para nós não são assim, mas para eles sim, então é muito importante esse momento deles fazerem essa expressão gráfica, na qual pela primeira vez desenham sua comunidade e expressam graficamente onde ela está e a espacialidade. Para nós é muito importante porque também assim entendemos o que é para eles o mais importante. Eles também fazem pequenos desenhos, quando significam uma coisa, quando eles fazem grandes desenhos, significam outra. Por exemplo, eles sempre desenham o ceibo muito grande, porque é um marco para eles, então ali vamos analisando os desenhos para entendê-los.

Torre de Napo Wildlife Center, Comunidade Kichwa Añangu, Parque Yasuní, Província de Orellana, Equador, 2015. Arquitetos Paula Izurieta e Gabriel Moyer-Pérez / Caá Porá
Foto divulgação [Caá Porá]

OEPV: Eu acho isso muito interessante. Esse trabalho que vocês fazem, independentemente de haver lucro ou não, mas o trabalho que vocês fazem primeiro para ajudar às comunidades a se reconhecerem, para ajudar às comunidades a reinterpretar seu espaço, a se entenderem espacialmente, acho que tudo isso tem que ser estudado em profundidade, muitas coisas estão acontecendo lá. Continuando um pouco, há uma troca de posições e de hierarquias, ou seja, o arquiteto como técnico, não mais se posiciona em um nível superior. Esse ideal do arquiteto técnico dirigente está intimamente ligado ao perfil criado pelo Movimento Moderno. Penso que o seu trabalho está posicionado ao lado dessa comunidade, acompanhando essa comunidade, mas nunca desde uma posição hierárquica.

PI: Claro, é que o importante para nós não é dizer o que eles devem fazer, mas escutar a sua história, e nós vamos analisando quais são as figuras importantes dessa história, com isso já podemos ir desenvolvendo junto com eles os espaços que eles precisam e a forma, fazendo uma pesquisa de como eles construíram antigamente e os materiais que usam atualmente, as histórias que eles têm com os materiais. Eles dizem: então, esse tipo de madeira, por exemplo o peine de mono serve para isto..., aquela outra, serve para isso, tal coisa é possível. Existem madeiras que são usadas para o interior e para o exterior. Eles têm esse conhecimento porque é muito importante saber como se comportam os materiais dependendo da sua localização. A madeira não se comporta da mesma forma na selva e nas montanhas. Também, por exemplo, a madeira amazônica é boa para ser usada lá. Na hora de trazê-la para as montanhas e construir com madeira amazônica se comporta de maneira diferente. Ouvindo eles, podemos saber bastantes coisas e analisar bastantes coisas para poder definir os parâmetros que a comunidade precisa. Sim, não é nada hierárquico, é mais uma coisa de escutar e analisar. Também com o nosso conhecimento eles também fazem isso, nos escutam e analisam os nossos conhecimentos, portanto, é um compartilhamento de conhecimento para alcançar um único objetivo que é a espacialidade.

OEPV: Uma simbiose feita entre a prática que se aprende na academia...

PI: Claro.

OEPV: E seus conhecimentos. Há outra coisa que eu tinha aqui, há outras perguntas. Como, aquele sujeito que sempre foi subalterno, um grupo indígena que historicamente foi assim, agora adquire, digamos... existe uma inversão de posições. Como aquele arquiteto que sempre foi o sujeito de poder, agora trabalha para essa comunidade. Acho super interessante também como vocês apreenderam todas as dinâmicas dessa comunidade. Você já está me dizendo, o assunto dos materiais próprios do local. Analisando algumas das coisas que vocês têm no seu site, vi, por exemplo, o que trabalharam (bem, você me contou sobre isso) em Esmeraldas com um projeto que eram os Palenques (Quilombos) Culturais.

comments

082.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

082

082.01

Peter Eisenman in loco

Sérgio M. Marques, Mônica L. Bohrer and Lucas Canez M. Marques

082.02 literatura

Milton Hatoum: literatura em tempos de cólera política e pandemia de coronavírus

Abilio Guerra, Augusto Massi and Julia Bussius

082.03

Entrevista com Hernán Díaz Alonso

Sérgio M. Marques, Mônica L. Bohrer and Lucas Canez M. Marques

082.04 hq, música e cinema

Arrigo Barnabé

Abilio Guerra and Silvana Romano Santos

082.05 cidade e sociedade

Erminia Maricato, arquiteta, professora, gestora pública e ativista social

Abilio Guerra, Celso Aparecido Sampaio, João Sette Whitaker and Lizete Maria Rubano

082.07

Danilo Miranda, um intelectual a serviço do Brasil

Abilio Guerra, Marta Bogéa and Giovanni Pirelli

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided