Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
A mobilização nas redes sociais e pesquisa de opinião revelam novos elementos importantes para direcionar a política metroviária de São Paulo

how to quote

ANELLI, Renato. O metrô em Higienópolis. Algo de novo no velho debate da mobilidade urbana. Minha Cidade, São Paulo, ano 11, n. 130.07, Vitruvius, maio 2011 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/11.130/3903>.


Passagem de metrô, São Paulo
Foto Nelson Kon


 

O desenrolar dos acontecimentos envolvendo a construção de uma estação de metrô em Higienópolis traz novos aspectos para o problema da (i)mobilidade urbana em São Paulo.

A recusa da estação por moradores de classe alta não se diferencia muito de ocorrências passadas e reafirma que o direito ao deslocamento rápido e confortável tem de ser conquistado. Por mais que o transporte individual por automóvel paralise as cidades, continua sendo um sinal de distinção social. Contudo, fatos novos surgiram nesta semana.

O primeiro foi a mobilização contra a mudança do projeto inicial da estação (na Rua Sergipe com a Avenida Angélica). Seguindo a onda das redes sociais, o protesto na forma do “churrascão da gente diferenciada” reuniu jovens de classe média, uma geração consciente de que São Paulo só tem futuro se mudar o paradigma de mobilidade urbana. Arriscaria dizer que apesar da classe social, são usuários de transporte público ou de meios não motorizados (ciclistas e pedestres), muitos com experiência de utilização das eficientes redes de transportes urbanos européias, para onde é cada vez mais fácil viajar.

A pesquisa realizada pelo Datafolha (publicada na edição de 17/05) também revelou dados interessantes de opinião pública. Ao contrário de algumas interpretações, dotar certas áreas ricas de bom transporte público beneficia quem nelas trabalha e não só seus moradores. Isso reverte os parâmetros de análise da injusta distribuição espacial dos investimentos em infraestrutura de transportes. Certo que falta metrô na zona Leste, mas os principais usuários dos trens da CPTM ao longo do rio Pinheiros não são os moradores das vizinhanças e sim aqueles que ali trabalham. Basta ver as direções dos deslocamentos das multidões de usuários nas proximidades das estações nos horários de pico.

A pesquisa demonstra a existência de uma relação direta entre a maior oposição à estação quanto mais próximo se mora do local proposto, permitindo outra interpretação além do preconceito social. A experiência urbana brasileira com os equipamentos de infraestrutura de transporte é lamentável. Em uma cidade na qual uma estação desmoronou durante a construção e o Minhocão ainda assombra os quarteirões onde passa, quem arriscaria?

sobre o autor

Renato Luiz Sobral Anelli, arquiteto e professor do Instituto de Arquitetura e Urbanismo, USP-São Carlos.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided