Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
Segundo o geógrafo Álvaro Rodrigues dos Santos, é imperioso que arquitetos e urbanistas participem ativamente para o correto equacionamento da tragédia urbana associada a áreas de risco nas cidades brasileiras.

how to quote

SANTOS, Álvaro Rodrigues dos. Áreas de risco como problema para arquitetos e urbanistas. Participação ativa dos profissionais é imperiosa para o correto equacionamento da tragédia urbana. Minha Cidade, São Paulo, ano 19, n. 224.05, Vitruvius, mar. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/19.224/7296>.



Os graves e recorrentes problemas de ordem geológico-geotécnica-hidrológica que têm vitimado milhares de brasileiros, como processos de enchentes, deslizamentos de taludes e encostas, solapamentos de margens de curso d’água e orlas litorâneas, têm tido sua principal origem na incompatibilidade entre as técnicas de ocupação urbana e as características geológicas e geotécnicas dos terrenos onde são implantadas.

No caso dos deslizamentos, ou são ocupados terrenos que por sua alta instabilidade geológica natural não deveriam nunca ser ocupados – é o caso comum das expansões urbanas sobre a Serra do Mar e outras regiões serranas tropicais, ou são ocupadas áreas de até baixo risco natural, perfeitamente passíveis de receber a ocupação urbana, mas com tal inadequação técnica que, mesmo nessas condições naturais mais favoráveis, são geradas situações de alto risco geotécnico – é o caso de São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Recife e tantas outras cidades brasileiras.

Desmoronamento de muro de arrimo, Bela Vista, São Paulo SP
Foto Rovena Rosa [EBC Agência Brasil]

No caso das enchentes prevalece a cultura técnica da impermeabilização, das avenidas de fundo de vale com extensiva retificação/canalização de córregos, do espraiamento urbano horizontal, fatores causais básicos dos crescentes volumes de águas pluviais cada vez mais rapidamente aportados ao sobrecarregado sistema de drenagem.

No caso de solapamentos de margens de rios e orlas litorâneas revela-se a indevida e inconsequente ocupação de locais nitidamente sujeitos a processos naturais cíclicos de alto poder destrutivo.

Remoção de entulho, deslizamento de encosta no Morro da Boa Esperança, Niterói RJ
Foto Tomaz Silva [EBC Agência Brasil]

O fato é que, ao lado das deficiências crônicas de nossas políticas habitacionais, o que acaba obrigando a população mais pobre a buscar solução própria de moradia em áreas geotecnicamente e hidrologicamente problemáticas, não possuímos no país uma cultura técnica arquitetônica e urbanística especialmente dirigida à ocupação de terrenos de acentuada declividade, à redução dos coeficientes de escoamento hidrológico superficial e a outros atributos naturais críticos. Isso se verifica tanto nas formas espontâneas utilizadas pela própria população de baixa renda na autoconstrução de suas moradias, como também em projetos privados ou públicos de maior porte e perfeitamente regulares que contam com o suporte técnico de arquitetos e urbanistas. Em ambos os casos, ou seja, no empirismo popular e nos projetos mais elaborados, prevalece infelizmente uma cultura técnica urbanística e arquitetônica em que não se nota a devida preocupação com as características geológicas naturais dos terrenos ocupados. Esse tem sido o cacoete técnico que está invariavelmente presente na maciça produção de áreas de risco no país.

Deslizamento de encosta na BR-040, rodovia que liga o Rio de Janeiro a Juiz de Fora
Foto divulgação [Prefeitura de Petrópolis / EBC Agência Brasil]

Alguns exemplos práticos são esclarecedores. Ao insistentemente exigir a produção de áreas planas através de procedimentos generalizados de terraplenagem, os projetos arquitetônicos associados à expansão urbana, seja habitacional, seja empresarial, instalados em áreas de relevo mais acentuado trabalham com uma cultura de terra arrasada, pela qual obsessivamente utilizam-se de serviços intensivos de terraplenagem para a produção de platôs planos. Resultado, instalação de áreas de risco a deslizamentos, exposição dos solos mais profundos extremamente susceptíveis á erosão a intensos processos erosivos em cortes, aterros e bota-foras, com destruição da infraestrutura instalada, assoreamento de drenagens, favorecimento de enchentes etc. Sem dúvida, uma concepção urbanística e arquitetônica orientada conceitualmente para relevos mais acentuados evitaria, de início, todos esses problemas.

Protótipo para encostas a beira-mar cobertas pela Mata Atlântica, arquiteto Marcos Acayaba, engenheiro Hélio Olga, maquete de Ana Paula Pontes
Foto divulgação [Website Marcos Acayaba]

Ou seja, em que pese a excelência e indispensabilidade dos instrumentos técnicos de boa gestão do meio físico pela geologia de engenharia e pela engenharia geotécnica, esses não serão unilateralmente suficientes para a solução dos graves problemas urbanos associados ao meio físico geológico. A complexa essência causal desses problemas exige uma abordagem multidisplinar, com papel destacado para a participação da arquitetura e do urbanismo. Enfim, é imperativa a necessidade da arquitetura e do urbanismo brasileiro incorporarem em sua teoria e sua prática os cuidados com as características geológicas dos terrenos afetados. Essa nova cultura automaticamente levaria a uma mais estreita colaboração entre arquitetura, urbanismo, geologia e engenharia geotécnica.

Como concisa diretriz, podemos entender que está colocado o seguinte desafio à arquitetura brasileira: usar a ousadia e a criatividade para adequar seus projetos à natureza, ao invés de, burocraticamente, pretender adequar a natureza a seus projetos.

Residência Ricardo Baeta, praia de Iporanga, Guarujá SP, 1991, arquitetos Marcos Acayaba e Adriana Aun
Foto Nelson Kon

sobre o autor

Álvaro Rodrigues dos Santos, geólogo, ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e Ex-Diretor da Divisão de Geologia, autor dos livros Geologia de engenharia: conceitos, método e prática, A grande barreira da Serra do Mar, Cubatão e Diálogos geológicos, Cidades e geologia, Enchentes e deslizamentos: causas e soluções. Consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided