Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
A ocupação de áreas verdes pelas cidades brasileiras vem ganhando preocupante dimensão. Inibir o espraiamento geográfico e estimular o adensamento com qualidade ambiental é o desafio que se coloca à ousadia e à criatividade em nosso país.

english
The occupation of green areas by Brazilian cities has been gaining worrying dimension. Inhibiting geographic spreading and stimulating densification with environmental quality is the challenge for boldness and creativity in our country.

español
La ocupación de áreas verdes por las ciudades brasileñas ha adquirido una dimensión preocupante. Inhibir la difusión geográfica y estimular la densificación con calidad ambiental es el desafío para la audacia y la creatividad en nuestro país.

how to quote

SANTOS, Álvaro Rodrigues dos. O ônus do crescimento urbano por espraiamento geográfico. Minha Cidade, São Paulo, ano 20, n. 230.01, Vitruvius, set. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/20.230/7465>.



Diferentemente das condições do mundo desenvolvido, onde prevalecem cidades de crescimento nulo ou extremamente baixo, o que circunscreve e facilita tremendamente sua administração, nós temos o encargo adicional de administrar a cidade e seu crescimento. Ou seja, cabe-nos, adicionalmente, o ônus do crescimento.

E é no crescimento das cidades onde, desafortunadamente, mais drasticamente se observam as danosas consequências da ausência de uma regulação técnica mais efetiva do uso do solo. A forma quase espontânea que tem caracterizado a expansão de nossas cidades tem por décadas sustentado a tendência ao espraiamento horizontal com baixa concentração populacional; ou seja, o crescimento a partir de suas fronteiras rurais periféricas, o que gera imensos problemas logísticos de transporte de pessoas e insumos, de extensão de serviços de saneamento básico, assim como graves decorrências ambientais, econômicas e sociais. Os últimos censos demográficos mostram que se nas áreas mais centrais e bairros mais consolidados de nossos grandes centros urbanos a população inclina-se se estabilizar, nas zonas periféricas de expansão observa-se crescimento populacional que chega a taxas de até 10% ao ano.

A área onde restam algumas manchas de vegetação nativa (floresta ombrófila densa, estágio médio) misturado à eucaliptos (Eucalyptus sp.) em meio às edificações bastante adensadas. Acima, na foto, aparece a represa Guarapiranga
Foto divulgação [Parecer Técnico – Degradação Vegetação Florestal Nativa]

Estudos recentes levados a efeito pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP mostram que entre 1986 e 2008 a área urbanizada da Região Metropolitana de São Paulo – RMSP passou de 1.473,70 km² para 1.766,50 km², o que significou um incremento de 292,80 km². Por direta decorrência foram totalmente subtraídos, especialmente nas faixas periféricas de expansão, 113 km² de áreas vegetadas.

Na verdade, a área total já intensamente modificada pela urbanização na metrópole paulistana, seja com urbanização consolidada, seja em processo de consolidação, já é bem maior do que a mancha urbana normalmente considerada. Tendo como base o ano de 2010 sua extensão total já atinge a ordem de 3.000 Km², o que do ponto de vista ambiental e hidrológico tem enorme significado.

Área de Mata Atlântica suspeita de ter sido devastada por organização criminosa, ao lado de bairro popular erguido em local de proteção ambiental
Foto divulgação [Gabinete do Vereador Gilberto Natalini, 06 mai. 2019]

Do ponto de vista ambiental, seguidas áreas verdes vão dando lugar à ocupação urbana, mananciais de água vão sendo severamente comprometidos, seja por poluição, seja por total desfiguração física, áreas de risco e processos erosivos vão se instalando, alterações climáticas locais ganham expressiva e preocupante dimensão. Do ponto de vista hidrológico o espraiamento horizontal tem significado um grave problema para os mananciais de água subterrânea e resultado em uma sobrecarga considerável para o sistema de drenagem urbana, na medida que, com a impermeabilização promovida pela ocupação urbana a alimentação dos mananciais hídricos subterrâneos por infiltração de águas de chuva é drasticamente reduzida, e como direta decorrência seguidas novas áreas passam a gerar incrementos de águas de escoamento superficial, principal fator causal de nossas enchentes urbanas.

Há que se considerar também que nas áreas urbanas as intervenções diretas e indiretas sobre a água subterrânea – redução drástica da recarga devido à impermeabilização generalizada da superfície urbana, poluição, extração para uso e consumo, rebaixamentos forçados em obras civis – têm atingido níveis alarmantes, com consequências gravíssimas para a disponibilidade desse recurso hídrico como manancial estratégico de boa água para a sociedade.

Na área de Mata Atlântica devastada que recebeu serviço irregular de terraplenagem é possível verificar ao fundo troncos de árvores que foram derrubadas
Foto divulgação, 21 jun. 2017 e 18 abr. 2019 [Google Earth Pro]

Para ter-se uma ideia da importância do manancial subterrâneo para o fornecimento de água potável aos habitantes da cidade de São Paulo, estima-se hoje a participação da água subterrânea no abastecimento da metrópole paulista em algo próximo a 10 m³/s, um volume considerável em relação ao montante da água produzida e distribuída pela Sabesp, em torno de 67 m³/s, que já não atende uma demanda firme de mais de 73 m³/s.

Considerado esse preocupante cenário, não há dúvida da inteira conveniência de um esforço de planejamento urbano voltado a um maior adensamento populacional de nossas cidades, seja pela máxima verticalização de bairros que se mostrem para tanto adequados, seja pela plena ocupação de espaços vazios ainda existentes na região de urbanização já consolidada ou parcialmente consolidada. Uma política de incentivos e restrições certamente trará a eficácia necessária a um objetivo dessa natureza, e, na medida da inversão da atual tendência ao espraiamento geográfico, tornará mais factível a complexa e difícil missão de bem gerir nossas cidades.

Ressalte-se que as cidades brasileiras vão indo na direção inversa das médias e maiores cidades dos países mais desenvolvidos, as quais apresentam um nível de adensamento urbano extremamente superior ao nosso.

Em área de preservação ambiental em beira da represa, movimentação de terra em terreno usado para descarte de entulho e material de construção civil
Foto divulgação [Gabinete do Vereador Gilberto Natalini, 09 mai. 2019]

 

Considere-se, entretanto, que uma política de adensamento urbano, seja por ocupação de espaços vazios, seja por verticalização de setores urbanos para tanto vocacionados, não deve sacrificar a qualidade ambiental da cidade, para o que será essencial a preservação e multiplicação de espaços públicos verdes para lazer e convívio dos cidadãos e a implantação dos mais diversos dispositivos para a retenção de águas de chuva, seja por infiltração, seja por acumulação. Ou seja, o adensamento desejado deve ser devidamente planejado, de forma a incorporar os atributos próprios da sustentabilidade ambiental.

Por outro lado, o principal vetor do crescimento urbano por espraiamento geográfico está na busca de moradias pela população de baixa renda compatíveis com seu precário orçamento familiar. Ou seja, a reversão dessa tendência exige a disponibilização de unidades habitacionais no interior de áreas de urbanização já consolidada para essa população na mesma faixa orçamentária que ela hoje só encontra nas fronteiras urbano/rurais.

Fazer esse casamento entre a inibição ao espraiamento geográfico e o estímulo ao adensamento urbano com qualidade ambiental, ou seja, combinar sustentavelmente uma maior densidade populacional com uma baixa ocupação predial do espaço, é o desafio que se coloca à ousadia e à criatividade de nossos arquitetos, urbanistas e planejadores públicos e privados.

Imagens da devastação na Zona Leste de São Paulo
Foto divulgação

Imagens da devastação na Zona Leste de São Paulo
Foto divulgação

sobre o autor

Álvaro Rodrigues dos Santos é geólogo e ex-diretor de Planejamento e Gestão do Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT e ex-diretor da Divisão de Geologia. Autor dos livros Geologia de engenharia: conceitos, método e prática, A grande barreira da Serra do Mar, Diálogos geológicos, Cubatão, Enchentes e deslizamentos: causas e soluções, Manual básico para elaboração e uso da carta geotécnica; Cidades e geologia. Consultor em Geologia de Engenharia e Geotécnica.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided