Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
As medidas preventivas da poluição da cidade de São Paulo não têm sido implantadas pelo atual governo dentro dos prazos esperados e necessários, o que poderá acarretar severos problemas ambientais e para a saúde pública.

how to quote

BONDUKI, Nabil. O recado de Greta. E a morosidade no combate à poluição na capital paulista. Minha Cidade, São Paulo, ano 20, n. 230.03, Vitruvius, set. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/20.230/7483>.



Vamos deixar de lado, por ora, os malucos negacionistas do governo Bolsonaro, pois deles nada pode se esperar. Vamos deixar de pensar, por alguns minutos, na Amazônia, apesar do enorme impacto ambiental causado pelos desmatamentos e queimadas.

Enfrentar a questão ambiental urbana é tão importante quanto manter as florestas em pé. No entanto, o tema não tem merecido atenção da sociedade nem ações efetivas do poder público.

As cidades consumem dois terços da energia mundial e respondem por mais de 70% das emissões de gases do efeito estufa, apesar de abrigar cerca de 55% da população mundial. Em 1950, cerca de 700 milhões de pessoas viviam em cidades, 25% da população mundial. Em 2010, o número alcançou 3,5 bilhões de habitantes e estima-se que, em 2030, a população urbana chegue a quase 5 bilhões de pessoas.

Esse crescimento assustador está fortemente relacionado com as mudanças climáticas, sendo tão ou mais grave que o desmatamento, pois existe forte correlação entre urbanização e emissão de CO2.

Cumprir as metas do Acordo de Paris (no caso do Brasil, reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis, de 2005 até 2025), requer políticas que revertam o equivocado modelo de desenvolvimento urbano do século 20, assim como alterar o modo de vida insustentável adotado nas cidades. E estamos longe de fazer isso.

São Paulo é exemplar da distância entre o discurso e a prática. O prefeito Bruno Covas busca protagonismo no tema, tanto para se diferenciar de Bolsonaro como para ganhar prestígio no eleitorado sensível à questão ambiental.

Em fóruns internacionais do C40 (grupo das 40 maiores cidades do mundo) ou em eventos de gestores municipais, como a conferência Catalisando Futuros Urbanos Sustentáveis, (promovido pela Rede de Cidades Sustentáveis), que ocorreu semana passada em São Paulo, o prefeito tem assumido o compromisso de enfrentar as mudanças climáticas. Isso é ótimo, sobretudo em um país onde o presidente nega o óbvio.

Mas como afirmou a jovem ativista sueca Greta Thunberg (2), que protagonizou a Greve pelo Clima (3), que reuniu milhões de pessoas em 130 países no dia 20/9, “é necessário superar as eternas discussões que não resultam em soluções objetivas”. São Paulo dispõe de instrumentos adequados, como o Plano Diretor (2014) e a Lei Municipal de Mudanças Climáticas (2009), que apontam diretrizes corretas e propõe ações eficazes nas áreas como energia, mobilidade, edificações e resíduos sólidos, principais fontes de emissões. No entanto, essas ações não têm sido implementadas com a urgência requerida.

Relatório apresentado na 73ª Reunião do Comitê de Mudança do Clima do Município de São Paulo mostra que emissões de gases de efeito estufa, ao invés de caírem, cresceram 17% entre 2010 a 2017. A fonte que mais contribui para as emissões, com 60%, é o transporte motorizado. E, nesse aspecto, o retrocesso é assustador.

A Lei de Mudanças Climáticas determinava que até 2018 todos os ônibus do sistema adotassem combustível renovável não fóssil. A meta não foi levada a sério pelos empresários e pelos quatro prefeitos do período e apenas 1,4% dos veículos cumpriam a exigência. A Câmara, com o aval da prefeitura, alterou a lei em 2018 e deu 20 anos para se proceder a troca, ou seja, até 2038. A regra foi utilizada na licitação da concessão do serviço, vencida pelo cartel que domina o setor.

Ações para estimular a mobilidade ativa estão paralisadas desde 2016. Nenhuma nova ciclovia nem faixa exclusiva de ônibus foi implantada. O anunciado Plano Cicloviário se arrasta, enquanto vereadores pressionam pela remoção de ciclovias existentes, muitas já apagadas pelo uso. E agora se pretende regulamentar os mototáxis que, além de perigosos, estimulam o uso de um modal poluidor. Nenhuma medida de restrição ao automóvel foi tomada.

A coleta seletiva de resíduos, que contribui para a redução das emissões, caiu 13% em 2018, segundo a Associação de Empresa de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – Abrelpe. Sem um programa de educação ambiental, a queda não surpreende. Resta ao prefeito, comemorar a implantação de cinco pátios de compostagem para receber os resíduos das feiras livres e das podas.

Boas intenções e discursos corretos são bem-vindos. Mas até as jovens da Greve pelo Clima sabem que são necessárias ações efetivas para evitar o desastre ambiental.

notas

NE – publicação original: BONDUKI, Nabil. O recado de Greta. Folha de S.Paulo, São Paulo, 23 set. 2019 <https://bit.ly/2mzwRRr>.

1
Desmatamento na Amazônia em agosto cresce 222% em relação ao mesmo mês de 2018. Folha de S.Paulo, São Paulo, 08 set. 2019 <https://bit.ly/2lJGYmg>.

2
Com Greta Thunberg, jovens enviam ‘lições aos adultos’ na greve pelo clima em Nova York. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 set. 2019 <https://bit.ly/2l0V5n1>.

3
Protestos em mais de 150 países pedem ações contra mudanças climáticas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 set. 2019 <https://bit.ly/2muwCXy>.

sobre o autor

Nabil Bonduki é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided