Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
A concessão do Parque do Ibirapuera a uma empresa privada, que poderia inovar a gestão de parques e outros equipamentos, torna-se dúbia ao não prever elaboração de um plano diretor anterior a licitação, sem regras claramente definidas.

english
The concession of Parque do Ibirapuera to a private company, which could innovate the management of parks and other equipment, becomes dubious in not providing for the elaboration of a master plan prior to bidding, without clearly defined rules.

español
La concesión del Parque do Ibirapuera a una empresa privada, que podría innovar en la gestión de parques y otros equipos, se vuelve dudosa al no prever la elaboración de un plan maestro previo a la licitación, sin reglas claramente definidas.

how to quote

BONDUKI, Nabil. A concessão do parque Ibirapuera precisa ser revista. Minha Cidade, São Paulo, ano 20, n. 231.01, Vitruvius, out. 2019 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/20.231/7494>.



Se o Judiciário não interferir em favor do interesse público, em breve a Prefeitura de São Paulo entregará a uma empresa privada (1), por 35 anos, o parque Ibirapuera, incluindo o maior conjunto cultural da cidade, sem que as regras para sua utilização futura estejam claramente definidas.

A tentativa de evitar esse desenlace foi inócua. Só poderia ser fake a elaboração de um plano diretor para o parque (condição exigida pelo Ministério Público para a assinatura do contrato) depois de já ter sido realizado o certame licitatório e estar definida a futura concessionária. Isso porque qualquer mudança significativa nas vagas condições estabelecidas no edital geraria contestação e a anulação de toda a concorrência.

Perder a oportunidade de abocanhar os R$ 70 milhões que irá receber imediatamente para entregar o parque e, ainda, economizar seu custo de manutenção, é um risco que a gestão Bruno Covas não quer correr. Como a Folha mostrou, no sábado, dia 4 de outubro de 2019 (2), reforçar o caixa municipal para gastar em ano eleitoral é a estratégia do prefeito para tentar se reeleger.

É por isso que o plano diretor apresentado é genérico, sem estabelecer com a necessária precisão o que será feito em um período tão longo, motivo que gerou sua rejeição pelo Conselho Gestor do parque Ibirapuera. E, ainda, por isso que a concessionária atuou ostensivamente para influenciar a elaboração do instrumento.

Esse é o vício original: o Plano Diretor do Ibirapuera deveria ter sido elaborado antes da licitação, como elemento orientador do edital, e nunca após a definição do concessionário. Ao inverter essa lógica elementar, a prefeitura cometeu uma irregularidade que deveria gerar a anulação do certame licitatório.

A presença de um grande número de funcionários da empresa vencedora nas audiências públicas, calculada em 45% pelo vereador Gilberto Natalini, que denunciou a fraude, é resultado dessa anomalia.

Isso, por si só, não significa que a participação dos demais foi tolhida, mas um constrangimento que nunca deveria ocorrer. Mais grave foi o curto prazo para a elaboração e debate do plano, assim como a falta de explicitação das fontes de receita do concessionário, que afetarão o uso do parque ou a ausência da Secretaria da Cultura nos debates públicos, entre outras deficiências.

Como relator do Plano Diretor de São Paulo (3), apresentei propostas para compatibilizar o parque com as diretrizes de planejamento da cidade como, por exemplo, a restrição a entrada de automóveis no parque e sua melhor conexão com o transporte coletivo, aspectos que não foram considerados.

Também mostrei os projetos desenvolvidos pela Secretaria de Cultura, no período em que fui secretário. Mas, assim como no edital de concessão, foi desconsiderado o projeto do arquiteto Paulo Mendes da Rocha para reabilitar o acesso principal do parque, segundo a concepção original de Niemeyer (4), criando uma praça de articulação do setor cultural, entre a Oca, o Auditório e a entrada de marquise.

O projeto original do Museu das Culturas Brasileiras está comprometido, pois foi reservado apenas 4.000 dos 11 mil metros quadrados do pavilhão para esse uso. Esse aliás, foi o único aspecto que foi contestado pelo Ministério Público, que exigiu a ampliação dessa área.

O plano diretor não especifica o uso do restante do pavilhão, assim como da Oca e do Auditório, espaços que deveriam ser integralmente destinado a cultura, mas que, provavelmente, serão explorados comercialmente.

Inovar a gestão dos parques e de outros equipamentos, com mais agilidade e eficiência, é necessário. A concessão pode ser uma alternativa, desde que não contrarie o interesse público, o que não está garantido nesse conturbado processo.

Para não comprometer o próprio instrumento, essa licitação deveria ser cancelada e pactuado um plano diretor que definisse o futuro do parque e seu modelo de governança, antes da realização de uma nova licitação.

É o que se espera da juíza Cyntia Thomé que irá dar o veredicto final.

notas

NE – publicação original do texto: BONDUKI, Nabil. A concessão do parque Ibirapuera precisa ser revista. Folha de S. Paulo, São Paulo, 7 out. 2019 <https://bit.ly/2Itq3gg>.

1
Prestes a conceder Ibirapuera, gestão tucana reduz em 38% número de guardas no parque. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 ago. 2019 <https://bit.ly/35dDwm3>.

2
Com caixa cheio, Covas planeja aumentar gastos para conter fama de prefeito sem marca. Folha de S. Paulo, São Paulo, 4 out. 2019 <https://bit.ly/2AQRJHK>.

3
BONDUKI, Nabil. Plano Diretor de SP sai do papel, mas avança menos do que deveria. Folha de S. Paulo, São Paulo, 7 out. 2019 <https://bit.ly/2LRb3dY>.

4
SANT'ANNA, Emilio. ‘Novo Ibirapuera’ terá praça como entrada principal do parque. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 mar. 2016 <https://bit.ly/2LVhBbA>.

sobre o autor

Nabil Bonduki é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP.

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided