Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

how to quote

GUERRA, Abilio. Quadra aberta. Uma tipologia urbana rara em São Paulo. Projetos, São Paulo, ano 11, n. 124.01, Vitruvius, abr. 2011 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/11.124/3819>.


Christian de Portzamparc, em texto já clássico no meio arquitetônico brasileiro, defende a quadra aberta como uma solução contemporânea para os grandes aglomerados urbanos. Segundo o arquiteto francês, seria uma conciliação entre as cidades da primeira e segunda eras, abrindo as portas para a terceira era da cidade. Uma conciliação entre as qualidades da rua-corredor da cidade tradicional e dos edifícios autônomos da cidade moderna. Estamos diante de um urbanismo de síntese, aonde a resultante

"quadra aberta permite reinventar a rua: legível e ao mesmo tempo realçada por aberturas visuais e pela luz do sol. Os objetos continuam sempre autônomos, mas ligados entre eles por regras que impõem vazios e alinhamentos parciais. Formas individuais e formas coletivas coexistem. Uma arquitetura moderna, isto é, uma arquitetura relativamente livre de convenção, de volumetria, de modenatura, pode desabrochar sem ser contida por um exercício de fachada imposto entre duas fachadas contíguas" (1).

Cidades da primeira e segunda eras, croquis. Arquiteto Christian de Portzamparc [PORTZAMPARC, Christian de. A terceira era da cidade]

Ao contrário do que os críticos mais apressados disseram - alguns até em tom de chacota -, Portzamparc não estava se propondo "inventar" a quadra aberta, mas sim preocupado em dar sentido histórico e consistência conceitual para um fenômeno urbano que acontecia de forma crescente em diversas grandes cidades.

Na cidade de São Paulo, mesmo que na forma de exceção, alguns exemplos de "quadra aberta" podem ser encontrados, sendo ao menos quatro deles de excelente qualidade. Os projetos são de períodos diferentes - anos 1960, 1970, 1980 e 2000 - e o tipo de investimento, o aporte tecnológico e os princípios formais presentes nas edificações expressam em grande medida características específicas de cada período. Contudo, as diferenças flagrantes da arquitetura dos edifícios não prejudica a percepção do elemento urbano que os aproxima: a permeabilidade do solo, que possibilita a integração de edificações privadas com o espaço público que os envolve. Pode-se observar também, nesta aproximação inicial, que tais diferenças demonstram que a tipologia urbana "quadra aberta" não é exclusiva de determinados  mecanismos econômicos e/ou princípios estéticos, mas uma possibilidade potencial, que pode ou não ser usada, dependendo da escolha dos projetistas e, principalmente, dos investidores.

Centro Comercial, implantação, Bom Retiro, São Paulo. Arquiteto Lucjan Korngold
Mapamontagem de Luis Espallargas

O primeiro deles é o Centro Comercial do Bom Retiro, projeto de 1959 e inaugurado durante os anos 1960, no Bom Retiro, de autoria de Lucjan Korngold. O arquiteto, judeu polonês que migra para o Brasil em 1940, projeta o empreendimento comercial para um grupo de investidores da comunidade hebraica formado por Charles Wolkowitz, Jose Solboln, Filip Citron, Erwin Citron e Benjamin Citron. Segundo Anat Falbel, arquiteto e investidores fazem parte de uma"imigração específica, cosmopolita, com origens na média e alta burguesia judaica europeia, que [..] traz consigo uma experiência empresarial, e que no Brasil divide suas iniciativas imobiliárias entre um restrito número de arquitetos imigrantes, pertencentes ao mesmo grupo,criando assim as associações entre o capital e o trabalho profissional" (2).Aproveitando o miolo de quadra, que pode ser acessado por dois lotes em ruas distintas - José Paulino e Ribeiro de Lima -, o arquiteto polonês projetou uma edificação contínua, com quatro pisos, que se encosta nos muros dos fundos dos lotes lindeiros, conformando uma clareira, no centro da qual dispôs uma pequena torre com dez andares. A arquitetura é fortemente marcada pela simplicidade geométrica do modernismo europeu, que se acomoda às restrições orçamentárias de um edifício voltado ao empreendimento imobiliário.

Ao contrário de Hautes Formes, onde Portzamparc solta a maioria de suas pequenas torres das construções lindeiras, Korngold – seguramente para aproveitar ao máximo o terreno disponível, afinal se tratava de um empreendimento privado e voltado para o mercado imobiliário – preferiu encostar a edificação contínua na linha divisória do terreno. Contudo, a disposição distinta dos volumes em Hautes Formes e no Centro Comercial do Bom Retiro não impede uma curiosa semelhança entre as duas implantações, com seus dois acessos locados em vias em lados opostos do terreno.

Centro Comercial, acesso rua José Paulino, Bom Retiro, São Paulo. Arquiteto Lucjan Korngold [KORNGOLD, Lucjan. Centro comercial do Bom Retiro. Acrópole, São Paulo, n. 253, nov. 1959]

Mesmo tendo sido publicado, ainda na condição de projeto, na revista Acrópole (3), a crítica de arquitetura não deu muita atenção a centro comercial. Anat Falbel, a pesquisadora que foi mais a fundo sobre a obra de Korngold, menciona-o rapidamente em artigo para a revista AU, mas com a suficiente clareza acerca da qualidade do projeto:

"a proposta inovadora do Centro Comercial do Bom Retiro (1957) na Rua José Paulino (iniciativa original entre os inúmeros projetos de galerias comerciais construídas no Centro de São Paulo no período)"(4).

Centro Comercial, acesso rua Ribeiro de Lima, Bom Retiro, São Paulo. Arquiteto Lucjan Korngold [KORNGOLD, Lucjan. Centro comercial do Bom Retiro. Acrópole, São Paulo, n. 253, nov. 1959]

O centro comercial encontra-se até hoje em pleno funcionamento, totalmente adequado ao comércio popular da região. A conservação não é muito esmerada e algumas das lojas no avarandado superior – correspondente ao terceiro piso e que circunda todo o complexo – encontram-se fechadas. Mas a ocupação no térreo é total e o edifício no centro do lote abriga serviço e comércio em todos os seus pisos.

Centro Comercial, plantas, Bom Retiro, São Paulo. Arquiteto Lucjan Korngold [KORNGOLD, Lucjan. Centro comercial do Bom Retiro. Acrópole, São Paulo, n. 253, nov. 1959]


Centro Comercial, corte longitudinal, Bom Retiro, São Paulo. Arquiteto Lucjan Korngold [KORNGOLD, Lucjan. Centro comercial do Bom Retiro. Acrópole, São Paulo, n. 253, nov. 1959]


A segunda quadra aberta bem resolvida na capital paulista é a Cetenco Plaza, localizada na esquina da avenida Paulista, esquina com a alameda Ministro Rocha Azevedo, projeto de Rubens Carneiro Vianna e Ricardo Sievers, construída nos anos 1970, no momento em que a cidade de São Paulo vivenciava a mudança importante deslocamento de atividades econômicas entre regiões distintas da cidade. Heitor Frúgoli relaciona o surgimento de "dois edifícios de inspiração modernista" – o Conjunto Nacional (David Libeskind, 1956) e o Masp (Lina Bo Bardi, 1968) – antecipação de

"uma série de significativas alterações na região, respectivamente nas atividades comercial e cultural, incluindo as primeiras etapas da migração de outras atividades do Centro tradicional para ali, o que consolidaria plenamente na passagem dos anos 70, com a ida de várias empresas para a Paulista, quando passa a constituir efetivamente uma nova centralidade na metrópole" (5). 

Neste momento, os principais bancos do centro velho, em geral localizados na rua Boavista e imediações, se mudam para o divisor de águas entre o centro e o Jardim Paulista, como parte da dinâmica paulistana dos anos 1960 e 1970. O novo complexo da Avenida Paulista, construído pela Cetenco para locação para serviços, vai abrigar principalmente atividades bancárias (a Caixa Econômica Federal e o extinto Banespa ocuparam por anos os térreos das duas torres), confirmando o processo apontado acima de mudança de centralidade. Atendendo ao programa proposto pelos investidores, os arquitetos Rubens Carneiro Vianna e Ricardo Sievers projetam duas torres gêmeas, de planta quadrada, totalmente envidraçadas em tom esverdeado, com radical simplificação do volume graças à supressão da tradicional divisão tripartite entre embasamento, corpo e coroamento, ainda muito presente nos edifícios modernos até os anos 1960. A dupla de arquitetos opta por posicionar uma das torres na esquina e deslocar a segunda torre do conjunto para o fundo do terreno, o que permitiu a criação de um espaço livre rico em diversidades, com praças e passagens, inclusive com um percurso por detrás do Banco Sul-americano – atual Banco Itaú, projeto do escritório Rino Levi Arquitetos Associados –, permitindo o acesso ao conjunto por uma terceira rua, a Frei Caneca. O projeto paisagístico, uma solução bema articulada ao projeto arquitetônico, é de autoria do arquiteto paisagista Luciano Fiaschi.

Cetenco Plaza, esquina da Avenida Paulista e Alameda Ministro Rocha Azevedo, São Paulo. Arquitetos Rubens Carneiro Vianna e Ricardo Sievers [Norma Fonseca. Espaços coletivos. Espaços privados com áreas coletivas, p. 60]

O resultado final é uma grande permeabilidade disponível ao pedestre, que pode andar pelo interior dos terrenos privados, sem maiores obstáculos. Um dos edifícios lindeiros, localizado na avenida Paulista, se aproveitou muito bem da potencialidade da quadra aberta, pois os arquitetos José Magalhães Júnior e Samuel Szpigel abriram os fundos do edifício para a área livre, ampliando as conexões na cota do térreo (6).

Contudo, poucos anos depois da inauguração do complexo, a avaliação de Ruth Verde Zein não era muito positiva. Em texto onde faz ampla avaliação das torres da avenida Paulista, Zein ressalta “o jogo de reflexos frios e cambiantes da desolada praça ‘nova-iorquina’ entre o edifício do Banco de Crédito Comercial, de José Magalhães e Samuel Szpigel, e as duas torres da Caixa Econômica Federal”, opinião crítica reforçada na legenda das fotos: “a desolada praça ‘nova-iorquina’, o império da rainha do gelo, um cenário de reflexos cambiantes” (7).

Cetenco Plaza, Alameda Ministro Rocha Azevedo, São Paulo. Arquitetos Rubens Carneiro Vianna e Ricardo Sievers
Foto Abilio Guerra

Que as eventuais qualidades da área livre tenham escapado a uma crítica tão experiente é prova concreta do quanto as avaliações dependem de um tacão de medida estabelecido. A quadra aberta não era um valor em meados dos anos 1980. Contudo, o uso mais restrito da Avenida Paulista naquele período – a diversificação de usos só vai ocorrer após a inauguração da linha verde do metrô, em 1991 –, talvez realmente desse às áreas livres o ar desértico apontado pela crítica. O que, em certo sentido, demonstra a antevisão dos arquitetos responsáveis, que previram com enorme acerto o uso intenso que teria o espaço muitos anos depois, quando as largas ruas da Avenida Paulista são tomadas por multidões nas horas de pico e as áreas livres lindeiras passam a funcionar como bem vindos escapes do tumultuado vai e vem de pessoas.

Centro Empresarial Itaú, implantação. Itauplan e Aflalo & Gasperini [CUPERTINO, Jaime Marcondes. Centro Empresarial Itaú: do edifício à cidade, p. 47]


O Centro Empresarial Itaú é nosso terceiro exemplo de quadra aberta qualificada em São Paulo. Trata-se de um empreendimento absolutamente incomum na capital paulista no que diz respeito aos aspectos legais e urbanísticos, pois na prática se efetivou uma PPP – Parceria Público-Privado – bem antes que este tipo de iniciativa fosse discutido conceitualmente no Brasil e colocado em vigência através de lei.

Centro Empresarial Itaú, plantas do embasamento. Itauplan e Aflalo & Gasperini [CUPERTINO, Jaime Marcondes. Centro Empresarial Itaú: do edifício à cidade, p. 50-56]

Uma lei municipal específica atribui a gestão do empreendimento à Emurb – Empresa Municipal de Urbanização –, empresa pública, o que permitiu a conciliação dos interesses públicos presentes na implantação da estação Conceição da linha norte-sul do metrô e os interesses privados, representados pelo Banco Itaú, proprietário do terreno, e investidores imobiliários. O projeto contou com duas fases, a primeira a cargo da Itauplan, sob a liderança dos arquitetos João De Gennaro, Javier Judas y Manubens e Jaime Marcondes Cupertino, quando foi desenvolvido o embasamento do conjunto, conciliando a presença da estação no subsolo, sua relação com a praça externa e os acessos diversos às áreas públicas e privadas.

A segunda fase, voltada para as torres, foi encomendada pelos empreendedores ao escritório Aflalo e Gasperini, com a equipe de trabalho liderada pelos arquitetos Eduardo Martins Ferreira, Felipe Aflalo e Jaime Marcondes Cupertino (este último é o único a participar das duas fases). No total, são cinco torres, construídas em momentos diferentes. As três primeiras – dispostas junto à rua das Carnaubeiras – têm formato cúbico – com estrutura periférica e caixa central com elevadores, escadas e banheiros – e elevações que alternam faixas horizontais opacas (estrutura e alvenaria) e transparentes (esquadrias envidraçadas), modelo seguido, com algumas modificações nas proporções, pela quinta torre, a última a ser construída junto à Avenida Dr. Hugo Beochi. A quarta torre, destinada à Itausa, é totalmente envidraçada e conta com estrutura central na periferia da caixa de circulação vertical e banheiros, resultando em arrojado balanço da periferia da edificação.

Centro Empresarial Itaú, alternativas de implantação das torres. Itauplan e Aflalo & Gasperini [CUPERTINO, Jaime Marcondes. Centro Empresarial Itaú: do edifício à cidade, p. 31]

O complexo – projeto e construção datados dos anos de 1980 a 1985 – localiza-se em gleba na zona sul de São Paulo, delimitada pela Avenida Armando Arruda Pereira e ruas locais. O contraste entre as torres com desenho prismático e o embasamento com formas orgânicas resulta da divisão original do projeto, que foi levado à frente por arquitetos de duas equipes distintas. O projeto original do embasamento é de autoria de Javier Judas y Manubens e Jaime Cupertino, sendo que este último explica assim a decisão projetual: “a única fonte comum aos dois [arquitetos] era a grande admiração por Oscar Niemeyer, o que aparece de forma clara em todo o desenho do embasamento, desde as lajes curvas do embasamento e a solução de paisagismo até a escolha do grande painel de Sergio Camargo" (8).

Centro Empresarial Itaú, elevação e corte longitudinal do conjunto. Itauplan e Aflalo & Gasperini [CUPERTINO, Jaime Marcondes. Centro Empresarial Itaú: do edifício à cidade, p. 48]

Ao contrário do que aconteceu com o Cetenco Plaza na Avenida Paulista, neste caso a avaliação de Ruth Verde Zein é amplamente positivo. A autora aponta com clareza as qualidades da implantação do projeto na cidade, em especial a conectividade do trânsito de pedestres:

“Outra decisão de grande importância para o projeto foi a integração da área do terreno com a praça pública lindeira, inclusive com passagem de pedestres por dentro do conjunto [...]. O convênio entre o Grupo Itaú e a prefeitura municipal permitiu essa integração, exigindo que o tratamento das áreas públicas fosse executado às expensas do CIC. Com isso obteve-se um caráter extremamente urbano, apenas encontrável no centro das grandes cidades, onde galerias e passagens particulares são uma extensão das calçadas e ruas” (9).

O quarto exemplo é o Brascan Century Plaza (10), de autoria dos arquitetos Jorge Königsberger e Gianfranco Vannucchi, implantado no início dos anos 2000 no Itaim Bibi. Bairro que passou, ao longo dos anos 1990, por profunda transformação, com verticalização intensa e mudança de usos, o Itaim torna-se uma região nobre, com prédios de apartamentos, equipamentos e serviços adequados aos novos habitantes locais. Antigas moradias de baixo padrão e antigas plantas industriais são erradicadas e é em um terreno anteriormente ocupado pela fábrica de chocolates Kopenhagen que vai ser erguido o novo conglomerado projetado pela Königsberger & Vannucchi. Hoje se encontra esgotado o estoque de terrenos de porte no bairro, o que praticamente inviabiliza novos investimentos do tipo – "no Itaim não tem mais um terreno deste à disposição" (11), assinala Gianfranco Vannucchi – e provoca o deslocamento dos investimentos imobiliários para outras regiões da cidade, em especial para a Avenida Berrini e proximidades.

Brascan Century Plaza, implantação. Arquitetos Jorge Konigsberger e Gianfranco Vannucchi
Imagem KV

O conjunto Brascan Century Plaza conta com três torres com típicas preocupações contemporâneas – tecnologia de última geração e grande variedade formal não só entre os edifícios, mas até mesmo entre as elevações da mesma edificação –, encravadas na área livre do térreo, que, por sua vez, se articula com as calçadas de três das ruas que conformam a quadra - Joaquim Floriano, Bandeira Paulista e Tamandaré Toledo. O grande jardim – que ocupa praticamente toda a área livre do térreo e dá acesso às lojas, cafés e cinemas – foi projetado por Benedito Abbud e conta com espelho d'água, vegetação e escultura em madeira de Elisa Brancher. Um dos autores do projeto, o arquiteto Gianfranco Vannucchi, comenta o valor urbano aportado no projeto: "as pessoas não aguentam mais ficar fechadas dentro de um shopping. [...] É um projeto [...] que vai na contramão dos condomínios fechados, das grades, dos muros, quer dizer, do enclausurar; pelo contrário, é um projeto que se abre para a cidade" (12).

É justamente este projeto, o mais recente dos quatro exemplos selecionados, que é o mérito da entrevista com um dos seus autores, o arquiteto Jorge Königsberger, que se mostra muito animado em sua avaliação da potencialidade da quadra aberta, com áreas privadas se articulando com as áreas públicas da cidade:

"Vimos, já há anos, desenvolvendo projetos imobiliários privados e vimos nos opondo ás tendências segregacionistas entre espaços públicos e privados. Consideramos ser perfeitamente possível suprir boa parte das carências e fragilidades urbanísticas brasileiras através do maior suprimento de novos espaços públicos privados qualificados integrados ao espaço público existente, dentro do modelo econômico vigente" (13).

Convidamos o leitor a ler neste número da revista Projetos do portal Vitruvius a íntegra da entrevista com Jorge Königsberger.

Brascan Century Plaza, praça de acesso coletivo, Itaim Bibi, São Paulo. Arquitetos Jorge Konigsberger e Gianfranco Vannucchi
Foto Nelson Kon


notas

1
PORTZAMPARC, Christian de. A terceira era da cidade. Óculum, São Paulo, n.9, FAU PUC-Campinas, 1997, p. 47. A publicação deste número da Óculum, editada pelo autor, reflete não só suas preocupações pessoais, mas também as pesquisas e orientações de trabalhos de final de curso (TGI) durante os anos 1990 e primeira metade dos anos 2000 levadas a cabo por uma equipe de professores, que contava com as presenças fixas de Abilio Guerra, Luis Espallargas Gimenez e Olquidio Barney, e alternadas de Wilson Ribeiro dos Santos Jr., Denio Munia Benfatti, Vera Santana Luz, George Ribeiro, Spencer Nogueira, Wilson Mariana e outros. Os quatro exemplos apresentados de forma sucinta neste artigo foram estudados em diversas oportunidades, e de forma aprofundada, pela equipe formada pelos professores mencionados e diversos grupos de alunos.

2
FALBEL, Anat. Lucjan Korngold a trajetória de um arquiteto imigrante. Tese de doutorado. Orientador Paulo Bruna. São Paulo, FAU USP, 2003, p. 137-139. O projeto do centro comercial não é analisado pela autora, mas está mencionado e catalogado em ficha (p. 211-212), baseado não só na publicação ocorrida na revista Acrópole, mas também em processos da Prefeitura Municipal de São Paulo.

3
KORNGOLD, Lucjan. Centro comercial do Bom Retiro. Acrópole, São Paulo, n. 253, nov. 1959.

4
FALBEL, Anat. Um arquiteto no exílio. Seção Documento. AU - Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, n. 170, maio 2008. Por sugestão deste autor, o projeto de Korngold foi tratado em trabalho acadêmico: STUMP, Vinicius Dotto. As conexões do edifício: circulações e espaços coletivos em plantas térreas de edifícios verticais paulistas da década de 1950. Dissertação de mestrado. Orientadora Maria Isabel Villac. São Paulo, FAU Mackenzie, 2008. Ver  “2.4 - Vazios e sólidos no interior da quadra: Centro Comercial Bom Retiro (1959)”, p. 72-79.

5
FRÚGOLI JR. Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo, Cortez/Edusp, 2000, p. 121.

6
Ver o capítulo 2, "Praça Paulista - Cetenco Plaza", no seguinte trabalho acadêmico: VIANNA, Norma Fonseca. Espaços coletivos. Espaços privados com áreas coletivas. Dissertação de mestrado. Orientador Abilio Guerra. São Paulo, FAU Mackenzie, 2007.

7
ZEIN, Ruth Verde. A harmonia e a melodia de uma orquestra onde cada instrumento ensaia sozinho. Projeto, São Paulo, n. 78, ago.1985, p. 83 e 80, respectivamente.

8
CUPERTINO, Jaime Marcondes. Centro Empresarial  Itaú: do edifício à cidade. Dissertação de mestrado. Orientador Ruth Verde Zein. São Paulo, FAU Mackenzie, 2009, p. 82. Este trabalho acadêmico descreve e explica todo o processo de concepção, projetação e construção do complexo. Ver também VIANNA, Norma Fonseca. Op. cit., capítulo 3 - Centro Empresarial Itaú Conceição (CEIC), p. 72-83.

9
ZEIN, Ruth Verde. Centro Itaú Conceição: exercício de urbanismo. Projeto, São Paulo, n. 85, mar. 1986, p. 29.

10
Brascan Century Plaza, projeto de Jorge Königsberger e Gianfranco Vannucchi. Projetos, São Paulo, n. 04.044, Vitruvius, ago. 2004 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/04.044/2397>. Ver  também: VIANNA, Norma Fonseca. Op. cit., capítulo 4, "Brascan Century Plaza".

11
Entrevista com o Arquiteto Gianfranco Vannucchi - Brascan Century Plaza, São Paulo, 31 de maio de 2007. In VIANNA, Norma Fonseca. Op. cit., anexos, p. 128-129.

12
Idem, ibidem, p. 127.

13
GUERRA, Abilio; SILVA, Aline Alcântara. Conversa com Jorge Königsberger. Brascan Century Plaza. Projetos, São Paulo, n. 11.124, Vitruvius, abr. 2011 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/11.124/3830>.

sobre o autor

Abilio Guerra é arquiteto, professor da graduação e pós-graduação da FAU Mackenzie e editor do portal Vitruvius e da Romano Guerra Editora.

comments

124.01 projeto urbano
abstracts
how to quote

languages

original: português

source
Portal Vitruvius
São Paulo SP Brasil

share

124

124.02 entrevista

Conversa com Jorge Königsberger

Abilio Guerra and Aline Alcântara Silva

124.03 crítica

La casa de Jean Prouvé en Nancy

Flavio Castro

124.04 Profissional

Las Casas Samaniego

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided