Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


Foto Nelson Kon

abstracts

how to quote

GUERRA, Abilio; SILVA, Aline Alcântara. Conversa com Anna Julia Dietzsch. Praça Victor Civita - Museu Aberto da Sustentabilidade. Projetos, São Paulo, ano 11, n. 126.03, Vitruvius, jun. 2011 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/11.126/3946>.


A Praça Victor Civita, de autoria das arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch, complexo de comércio e serviços edificado no bairro paulistano do Itaim Bibi, já foi publicado anteriormente pelo portal Vitruvius (1).

A obra que foi fruto de uma parceria público-privada entre o grupo Abril Cultural – cuja sede fica à frente da praça – e a prefeitura da cidade de São Paulo. O terreno, pertencente à municipalidade, é uma area contaminada, pois abrigava um incinerador de lixo. O projeto propõe a reabilitação da área contaminada, com o plantio adequado à essa finalidade. Como o processo é demorado, a implantação de um deck de madeira sobre estrutura metálica reciclada, permite a utilização da area, sem prejuizo à saúde dos frequentadores.

O programa do projeto abarca dois conjuntos de atividades distintos: às relativas a uma praça tradicional, com espaços concebidos para passeios, recreação e shows; e instalações e atividades de museu aberto da sustentabilidade, com percursos educativos sobre tecnologias sustentáveis – sistemas de reuso de água; energia solar; produção de bioenergia; processos de descontaminação de solos e águas subterrâneas –, além de informações sobre a história do local.

Na entrevista abaixo, realizada por Abilio Guerra e Aline Alcântara, a arquiteta Anna Julia Dietzsch, uma das autoras, comenta sobre a concepção do projeto e execução da obra, e faz um balanço dos resultados após três anos de sua implantação.

notas

1
Praça Victor Civita – museu aberto da sustentabilidade. Projetos, São Paulo, n. 09.106, Vitruvius, out. 2009 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/09.106/2983>.

entrevistaAbilio Guerra / Aline Alcântara: Qual o partido original do projeto? Qual a relação entre o partido e as demandas apresentadas pelo cliente?

Anna Julia Dietzsch: O projeto nasceu do desejo inicial do cliente de transformar o terreno do incinerador desativado em uma praça. Queriam reverter o estado de abandono em que o terreno se encontrou por muito tempo e também transferir o posto de coleta de lixo reciclável em que havia recentemente se transformado.

O diferencial que o projeto apresentou foi o de não fazer uma praça tradicional, como primeiramente cogitado, em que se "esconderia" a contaminação sob uma camada de terra nova a ser despejada por toda a extensão do terreno. Ao invés disso, o partido de projeto sugeriu suspender a praça sobre a contaminação e usar o projeto, o lugar, também como uma ferramenta para a exposição do problema e a reflexão sobre ele.

Praça Victor Civita, implantação, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

O meu trabalho final de mestrado em Harvard relacionava-se com estudo dos "brownfields", do "terrain vague" de Sola Morales, e quando fui convidada por Levisky Arquitetos a participar do projeto, o problema da contaminação urbana, o legado da cidade industrial, tão recorrente nas grandes metrópoles, foi o que me atraiu como problemática e me levou a pensar no partido acima mencionado.

AG/AA: Qual ou quais projetos, nacional ou internacional, foram tomados como referências para o desenvolvimento da Praça Victor Civita?

AJD: Logo antes de participar do projeto da PVC, fiz parte da equipe da DBB Aedas que concebeu o design do Museu do Memorial do World Trade Center (9/11 Museum). Para esse projeto também desenvolvemos um partido de "mínima intervenção", desenhando o museu como uma "rampa" que serpenteia sob a praça do Memorial e leva o visitante ao leito de rocha e às fundações dos antigos prédios, os testemunhos físicos do estrago feito, sem transformá-los ou tocá-los.

Museu do Memorial do World Trade Center, Nova York. Estúdio DBB Aedas

Essa "rampa" foi concebida quase como um objeto, em madeira, onde o plano horizontal se desdobra para o vertical, guiando o visitante e ao mesmo tempo servindo de suporte à exposição. Retomei essa forma na PVC, onde o deck de madeira se desenvolve do plano horizontal ao vertical continuamente, sem quebras, formando o que chamamos de "grandes salas urbanas".

Também foram inspiradores projetos como o Terminal de Yokohama e o Maritime Youth House em Copenhagen, pelo uso da madeira, e projetos como o Parque Westergasfabriek na Holanda, pela temática da contaminação e reciclagem de espaços e edifícios contaminados.

AG/AA: O terreno abrigava, antes da implantação da praça, um incinerador de lixo da subprefeitura de Pinheiros. A quem pertence hoje o terreno? Foi atribuído algum tipo de concessão da área para o Grupo Abril? Em caso positivo, por quanto tempo?

AJD: O projeto foi viabilizado por um acordo público-privado entre a Abril Cultural e a prefeitura. Esse acordo foi mediado por Levisky Arquitetos Associados, escritório chamado pela Abril por sua experiência em consultoria de zoneamento. A grande sacada desse escritório foi a de incluir o projeto no Termo de Referência assinado entre Abril e prefeitura. Isso ajudou muito a manter a integridade do projeto. Por seu caráter inovador, não sei se o projeto teria sobrevivido na sua concepção original se não fosse esse fato. O próprio acordo é inovador no Brasil. A propriedade do terreno permanece da prefeitura, com concessão de uso para Abril.

Praça Victor Civita, alternativas de deck: com cantos arredondados, chanfrados ou intermediários, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: O programa “Museu Aberto da Sustentabilidade” foi estabelecido por quem?

AJD: O termo "Museu Aberto da Sustentabilidade" foi cunhado pela arquitetura. A idéia era de que o projeto como um todo fosse um "museu aberto". No decorrer do projeto surgiu a idéia, conjuntamente com o cliente, de abrigar um museu ipses literis no térreo do incinerador. Os outros pisos seriam ocupados com outros programas mantidos pela Abril, como uma biblioteca , oficinas de fotografia, etc.

Praça Victor Civita, croquis iniciais, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: Quais foram as exigências estabelecidas pelo Grupo Abril e pelo poder público (subprefeitura e prefeitura) para a concepção do projeto?

AJD: A prefeitura teve algumas exigências advindas de suas diferentes secretarias e funções. Por exemplo, foi preciso preservar todas as árvores existentes, assim como garantir a limpeza ou isolamento ao contato dermal dos elementos e terreno contaminados. Pediu-se também que o centro que já atendia à terceira idade no local fosse mantido.

A Abril tinha como meta inicial a construção de um teatro no local. Um projeto anterior, antes do meu envolvimento, propunha um teatro fechado, o isolamento do incinerador e uma praça "tradicional" na parte frontal. Assim, a incorporação do anfiteatro foi um “must”. Também a pedido da Abril se instalou na Praça a ONG “Verde Escola” e se criou um percurso “circular” para caminhadas.

Praça Victor Civita, croquis iniciais, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: De quem partiu a ideia ou iniciativa dos seguintes itens do projeto?: a) deck suspenso em madeira; b) áreas para prática de exercícios; c) palco; d) área de lazer para idosos; e) painéis fotovoltaicos; f) praça de paralelepípedos.

AJD: Com exceção da área para a terceira idade e o anfiteatro, os outros elementos e programas foram sugeridos pela arquitetura, sempre em discussão com o cliente.

Praça Victor Civita, croquis iniciais, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: A participação de Benedito Abbud se restringiu à especificação da vegetação ou foi mais abrangente? O uso de espécies com funções orgânicas, fitoterápicas e medicinais, bem como o jardim do etanol, com cana-de-açúcar, milho, soja etc., foram escolhas exclusivas de Benedito Abbud?

AJD: Benedito entrou no projeto no final do estudo preliminar e foi instrumental na implementação do que chamamos da "curadoria da exposição" da praça. Queríamos que o próprio plantio da praça fosse uma exposição e estivesse ligado a temas relacionados ao conceito do projeto, que envolvia o uso da natureza para a transformação do meio humano. Assim, surgiram sete grupos de plantio; as plantas fitoterápicas, aquelas das quais geramos energia, os transgênicos etc.

Praça Victor Civita, concepção do deck elevado, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: O uso de irrigação por capilaridade, tecnologia desenvolvida por Abbud em parceria com a Universidade de Bauru, é funcional? Quais os principais benefícios e problemas?

AJD: Sim, funciona.

AG/AA: Qual foi a maior dificuldade em desenvolver um projeto em solo contaminado?

A primeira dificuldade surgiu do fato de haver uma decisão oficial de se aterrar todo o terreno antes de se poder instalar qualquer programa de uso público ali. Também houve resistência em se aceitar a limpeza especializada e o uso do incinerador, pelo nível de contaminação em suas paredes.

Praça Victor Civita, concepção do deck elevado, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: Surgiu algum imprevisto na hora da execução do projeto?

AJD: O desenho dos cantos do deck de madeira tiveram que ser modificados. Havia desenhado-os curvos, como cones côncavos e convexos, porém não conseguimos encontrar uma empresa que pudesse fabricá-los com garantia. A questão da certificação da madeira também se revelou mais difícil do que supúnhamos. Por falta de fornecedores acabamos usando apenas três das seis madeiras recomendadas pelo IPT.

Esperava também que a estrutura do deck ficasse mais à vista, para que de todos os ângulos se pudesse ver claramente que o deck sobre o qual se anda está suspenso sobre o terreno original. Por motivos de erro na leitura dos níveis do projeto e do detalhe de encontro entre deck e jardineiras isso não aconteceu.

Praça Victor Civita, detalhamento do deck, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

AG/AA: Há algum item do projeto que não foi executado? Qual o motivo?

AJD: Gostaria de poder ter usado o processo de phytoremediation na praça, onde as próprias plantas descontaminam o solo. É uma técnica usada há muito tempo na Europa e que também vem se difundindo nos EUA nas últimas décadas. Infelizmente, por motivos legais e de custo não pudemos implementar essa idéia.

AG/AA: Após este período de implantação, qual o balanço que faz sobre o uso da Praça Victor Civita?

AJD: Acima de tudo, acho que a Praça Victor Civita demonstra que há outras maneiras de se construir a cidade fora da lógica da iniciativa puramente pública, ou daquela estritamente privada. Quando os interesses convergem e há tolerância e vontade de negociação, idéias bonitas podem ser realizadas. Quem sabe não teremos outras praças construídas assim?

Praça Victor Civita, detalhamento do deck, São Paulo. Arquitetas Adriana Blay Levisky e Anna Julia Dietzsch

ficha técnica

Autoria
Adriana Blay Levisky
Anna Julia Dietzsch

Gestão e Coordenação
Levisky Arquitetos Associados:
Renata Gomes - Arquiteto Associado – Coordenador Projeto
Casey Mahon, Tatiana Antonelli, Lílian Braga, Luciana Magalhães, Renata H. de Paula, Cátia Portughese, Gabriela Kuntz – Equipe Projeto
Fernando Lima e Marcelo Ignatios - Arquitetos - Maquete Eletrônica
Luiz André Lanzuolo - Arquiteto – Maquete Volumétrica

Consultores
Instalações

Grau Engenharia

Estrutura
Companhia de Projetos

Luminotécnica
Franco & Fortes Lighting Design

Paisagismo
Benedito Abbud Paisagismo e Projetos

Gerenciamento
CeeMeeSee Engenharia

Fundação
Zaclis e Falconi Engenheiros Associados

Sondagem
Alphageos Tecnologia Aplicada

Reuso de águas
Eduardo Oliveira

Acústica
Fernando Iazzetta

Madeira/Recursos Florestais
IPT

Apoio Institucional
GTZ - Cooperação Técnica Alemã
Instituto Verdescola
CETESB
MASP

Ano do projeto
2006/2007

Ano de construção
2008

Localização
Rua Sumidouro 580, Pinheiros, São Paulo SP

comments

126.03 entrevista
abstracts
how to quote

languages

original: português

source
Portal Vitruvius
São Paulo SP Brasil

share

126

126.01 crítica

Bagatelle

Eduardo Barra

126.02 Concurso

Concurso Público Nacional de Arquitetura para Novas Tipologias de Habitação de Interesse Social Sustentáveis

126.04 professional

High Line Section 2

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided